Pular para o conteúdo principal

amor (d)esperto


Amor quando morre não tem velório. Vira fantasma ou é enterrado como indigente. Não fazem necropsia, os atestados de óbito são múltiplos, cada qual com a sua versão. Faz-se inventário das culpas, partilha das acusações. Amor morre quieto. Morre de sufoco. Morre de preguiça.

Critico as pessoas que compram relacionamentos nas prateleiras dos supermercados. Escolhendo embalagens, analisando rótulos e quantidade de carboidrato. Esquecem de verificar a validade. Isso é perecível.

Amor não é assim. Isso não é relacionamento. Não pra mim. Ou pelo menos não me serve. É pequeno demais. Aperta e eu não consigo respirar. Só respiro por paixão, só suspiro por paixão. Não coloco os pés pra fora da cama se não for por isso. Preciso de amor todos os dias e isso pede certos cuidados. Amar não é esperar que o amor se mantenha, é fazer com que ele aconteça. Serve para casais, amigos, famílias. O cultivo é em tempo integral.

Esperamos para amar e esperamos que o amor se mantenha pelo simples fato de ser amor. E ele é bem menos cor de rosa do que isso. Ele pode ser mais feio. Amar é verbo de atitude, exige inteligência para observar e não ser negligente. Não há espaço para a preguiça. O romance exige mudança conjunta. E não venha me dizer que jamais mudará. Quando vê já mudou. Sem querer, sem que peça. Se tudo muda por que não mudariam os relacionamentos? As pessoas jamais são as mesmas. As máscaras não caem, nós criamos calos na cara, ficam ali bem onde a gente apanhou. Diante do espelho, negamos. Maquiamos as marcas, mas não terminamos com elas. Uma hora elas voltam.

Amar é exercício.
Alongue.

Relacionamentos são menos complicados do que parecem. Amor e disposição enlaçam as mãos por cima da mesa da rotina. Café da manhã, almoço, janta. Cotidiano com criatividade. O amor quer o cuidado de ser beijado todos os dias, despedidas longas no portão, ainda que se volte em dez minutos. Só foi comprar pão? Sinta saudade. Volte e beije mais. Acaricie, fale, pinte, borde, dance. Mostre satisfação. Use as pequenas diferenças para descobrir o que é igual. Manter um amor requer inteligência.

Surpreenda os motivos.
Invente motivos.
Doe motivos, dê. Venda. Troque. Esqueça todos.
Tenha motivos para querer ficar.
Desenhe um novo caminho todos os dias para voltar.

Explore todos que te habitam, abra o leque das personalidades. Descubra todos os outros que moram no outro. Acompanhe. Se estiverem correndo enquanto você caminha, acompanhe com os olhos. Observar é engolir com os olhos. É digerir as impressões, saborear as necessidades. Não dá pra ter preguiça no amor. Pode ter preguiça num domingo, daqueles de não sair da cama nem para buscar o jornal, de fechar as cortinas e ignorar a existência de um mundo fora das quatro paredes. Fazer dia no quarto. E noite, com lua e estrela à vontade. Fazer de qualquer lugar o melhor lugar. Conversar amenidades. Encher uma banheira de assuntos que nunca se esvaziam. Sem espuma, com espumante. É apressar o relógio, contar dias. É brincadeira boba para mandar mensagens o dia inteiro. A diversão é testemunha. Brisa leve nos cabelos.

Amar é agradar para não pedir desculpas.

Rir junto, nada mais íntimo. 


 Não estou inteira. É de propósito, só que ao contrário. 




Here Comes The Sun

Here comes the sun
Here comes the sun
And I say
It's all right

Little darling
It's been a long cold lonely winter
Little darling
It feels like years since it's been here
Here comes the sun
Here comes the sun
And I say
It's all right

Little darling
The smiles returning to the faces
Little darling
It seems like years since it's been here
Here comes the sun
Here comes the sun
And I say
It's all right

Sun, sun, sun, here it comes...
Sun, sun, sun, here it comes...
Sun, sun, sun, here it comes...
Sun, sun, sun, here it comes...
Sun, sun, sun, here it comes...

Little darling
I feel that ice is slowly melting
Little darling
It seems like years since it's been clear
Here comes the sun
Here comes the sun
And I say
It's all right
Here comes the sun
Here comes the sun
It's all right
It's all right

Comentários

Keila disse…
Vida inteligente na madrugada! Adoroo muito.

Meia Kuky na foto, porque a outra metade ficou no post. Muitobom
Anônimo disse…
Você é encantadora, leio e penso em conversar contigo pessoalmente sobre amor. Beijos Dani
Carlos disse…
Hummm...
Tem alguém aí dormindo com camisetas alheias???
MARCO disse…
EU TE VI PASSANDO NA PRAIA HOJE COM TEU FILHO, BEM MAGRINHA PARECE UMA MODELO. CONTINUAS LINDA.
MOU SPERB disse…
VOCÊ ESCREVE COM A ALMA, BELA ALMA! PARABÉNS, ABR MOU

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…