Pular para o conteúdo principal

livre pra ficar

Aprendi a costurar pelas mãos de pétalas da minha avó. Ela me ensinou que não se dá nó antes do início dos pontos e que não se usa linha de preguiçosa – aquela comprida. Ensinou que mais vale um bom arremate do que quinhentos nós.

Faço tudo que não pode: dou nó no início porque minhas linhas são fujonas, corto linha grande porque tenho preguiça da economia e meus arremates são cachos de nós. As costuras funcionam bem. Talvez, esteticamente falando, não sejam lindas como as da minha avó, porém, nunca me deixaram na mão. E também ninguém nunca pediu pra ver o avesso dos meus vestidos, a prega dos meus botões ou as minhas bainhas.

Sou moça prendada. Pero no mucho.

Ajusto do meu jeito porque me importa o resultado. A tragédia interna é meu estilo alternativo. Se todo avesso fosse perfeito, seria outro direito. Sem falar que a beleza ocultar um caos fica até poético. Claro, minha avó reprova todos os meus argumentos.

Descobri que tenho um jeitinho todo meu pra conseguir meus resultados. Eu tenho condutas que são próprias da minha personalidade e não posso impor isso a ninguém. Se os meus avessos não são perfeitos, posso aceitar avessos imperfeitos dos outros também. O meu jeito não pode servir de projeção para julgar o outro, não é certo ou errado. É só meu. Mas eu nem sempre percebo isso com a mesma facilidade que diminuo dois dedos do busto dos vestidos.

A fita métrica não mede atitudes.

Aprendi que as minhas hipóteses não podem ser impostas, mas que eu tenho o dever de agir de acordo com o que eu acredito. Descobri que atitudes nobres, ainda que tortas, me enchem de orgulho. Lá se vão mais alguns risquinhos na parede...

Assumi que eu quero arriscar. Não posso dizer que amo vento e prender os cabelos quando ele sopra.

Eu quero exatamente aquilo no que eu acredito, ainda que não exista, ainda que eu precise inventar. Há pessoas que preferem olhar a paisagem. Há pessoas que preferem entender por que existe aquela paisagem.

Eu sou do tipo que desenha a paisagem, que coloca a cor que falta, pinto com os dedos e limpo as mãos no vestido. A paisagem está em mim, ainda que não faça sentido, ainda que não tenha forma. Ainda que seja abstrato. Nada é mais abstrato que o amor.

Pensando sobre isso, fiquei feliz. Pensando sobre isso, fiquei tranquila. Eu quis em fugir e resolvi ficar. A minha alma fez troça dos soluços da sorte.

Liberdade é poder ficar.

Tem assuntos que parecem que só terão ponto final num sumiço. Não vou evaporar agora. Alguém abriu a porta e entrou. A presença não me incomoda, não quero mandar embora, também não quero sair. Somos cúmplices de noites não dormidas, das janelas abertas pra ver o céu mudar de cor, das espiadas por trás do muro e dos fingimentos nas calçadas.

Cúmplices da impaciência pela porta que não abre.

Quero ficar e dividir histórias, pasta de dente e o lado da cama que eu não uso. Ando gostando até das ameaças. Eu sou avalista de promessas.


(foto by Emmanuel Denaui - @edenaui)

Lembrei de uma passagem do Shakespeare, acho que em Otelo, em que ele diz mais ou menos assim: quem ri do ladrão, poderá roubá-lo. Quem chora é ladrão de si mesmo.

Tudo isso porque algumas situações exigem bom humo e atitude em vez de lamentos. No caminho tem um muro, há quem lamente.

 Eu pulo.


(I Wish I Knew How It Would Feel To Be) Free/One

Lighthouse Family

I wish I knew how it would feel to be free
I wish I could break all the chains holding me
I wish I could say all the things that I should say
Say 'em loud say 'em clear
For the whole wide world to hear

I wish I could share
All the love that's in my heart
Remove all the bars that keep us apart
And I wish you could know how it feels to be me
Then you'd see and agree that every man should be free

I wish I could be like a bird in the sky
How sweet it would be if I found I could fly
Well I'd soar to the sun and look down to the sea
And I'd sing 'cos I know how it feels to be free

I wish I knew how it feels to be free
I wish I could break all the chains holding me
And I wish I could say all the things that I wanna say

Say 'em loud say 'em clear
For the whole wide world to hear
Say 'em loud say 'em clear
For the whole wide world to hear
Say 'em loud say 'em clear
For the whole wide world to hear

One love one blood
One life you've got to do what you should
One life with each other
Sisters, brothers

One life but we're not the same
We got to carry each other
Carry each other
Whoah Whoah Whoah Whoah Whoah ...

I wish I knew how it would feel to be free
I wish I knew how it would feel to be free


Comentários

Carlos disse…
Uma Palavra te define: ONE!
A música disse tudo...
diogo disse…
"Se todo avesso fosse perfeito, seria outro direito..."
Z. disse…
Te admiro tanto, amiga! Bjs de amor

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…