Pular para o conteúdo principal

amor doidinho

(Para a querida Lathoia e para a querida Paola Bárbara.)
(E, óbvio, para o meu amor muito doidinho.)


Era uma vez um amor doidinho. Um amor doidinho é ainda assim um amor. Um amor doidinho exige todos os cuidados de um amor feijão com arroz. Amor é amor.

Às vezes a gente pensa que apenas amar basta, é justamente o contrário. O amor nunca basta. Jamais se basta. Sozinho não é nada, é preciso cuidado, empenho, dedicação, sacrifícios e mudanças. Sempre queremos amar, raramente estamos dispostos a mudar. Acredito que mais importante do que amar é se aceitar amando. Assumir um amor, levantar uma bandeira de coração, pendurar no varal, com orgulho, escudo no peito e cara de bobo.

Acho bonito quem assume, é de uma coragem invejável. É aceitar o desafio de conviver com o outro, admirar até os defeitos. É aceitar o desafio de se doar num mundo onde fomos criados apenas para querer. Não se ama para ser amado. Não se ama esperando amor em troca. Amor se dedica. O que se espera é ser correspondido. Ter as expectativas supridas a altura. Amor pode ser a caixa de Pandora.

Ontem precisei pensar quando alguém disse que não se sabe amar nesse mundo. Talvez não se saiba manter um amor. Não que não haja amor, ele existe, existe muito. É muito fácil amar quando tudo dá certo. É muito fácil amar quando o outro também ama. Mas e o amor doidinho? Esse que nasce todo errado tropeçando na própria pressa? Esse que se atrapalha todo?

Esse amor que vem, que quer, que deseja? Não é menos amor que qualquer outro. O amor doidinho merece confiança, dedicação, sacrifícios e atitudes. Às vezes, o amor doidinho vai precisar que se esqueça o orgulho e mande uma mensagem. O amor doidinho vai precisar de um último pingo de confiança. Tudo isso porque se aposta que o amor doidinho vai ser um amor daqueles, de escrever histórias, de contar pros filhos, de render assuntos, noites de rede, retratos espalhados. O amor doidinho vai querer ultrapassar limites, arrasar manias.

Nem todo amor é certo. Nem sempre se sabe amar porque isso não tem fórmula certa. Amor não começa, acontece. Não adianta querer domar e ensinar bons modos. O amor não sabe etiqueta. Come com as mãos em banquete. Fala o que não deve. Pede perdão pra depois atropelar.

Não é só porque uma coisa não começa certa que não pode se acertar depois. Nem tudo tem resposta certa. A maioria das minhas perguntas sequer tem resposta. Preciso afirmar para enganar a dúvida.

Não é porque uma coisa não se define que ela não pode existir.

Sobram dúvidas. A gente tem mais é que ir vivendo e agindo. É tempo de fazer acontecer, de ajeitar tudo pro amor doidinho poder respirar.

Prefiro viver tudo.
Mais que saber tudo.
Eu não sei nem a cor dos meus olhos.




Uma vez, a irmã do Chico Buarque (suspiros intensos), Miúcha, contou que ele foi preso aos dezessete anos. Ao preencher a ficha, o oficial elaborou a descrição. Na hora da cor dos olhos, surgiu a dúvida: verdes ou azuis?

Preencheu: ardósia.

Mas quando perguntam a cor dos meus olhos, eu continuo devolvendo a pergunta " que cor você pensa que é?"

Não quero ser presa pra descobrir. Vou definir por maioria de votos.



Falar de amor e Chico sem esta música deve até ser pecado.




Samba do Grande AmorChico Buarque


Tinha cá pra mim
Que agora sim
Eu vivia enfim
O grande amor
Mentira
Me atirei assim
De trampolim
Fui até o fim um amador
Passava um verão
A água e pão
Dava o meu quinhão
Pro grande amor
Mentira
Eu botava a mão
No fogo então
Com meu coração de fiador

Hoje eu tenho apenas
Uma pedra no meu peito
Exijo respeito
Não sou mais um sonhador
Chego a mudar de calçada Quando aparece uma flor
E dou risada do grande amor
Mentira

Fui muito fiel
Comprei anel
Botei no papel
O grande amor
Mentira
Reservei hotel
Sarapatel
E lua de mel
Em Salvador
Fui rezar na Sé
Pra São José
Que eu levava fé
No grande amor
Mentira
Fiz promessa até
Pra Oxumaré
De subir a pé o Redentor

Hoje eu tenho apenas
Uma pedra no meu peito
Exijo respeito
Não sou mais um sonhador
Chego a mudar de calçada
Quando aparece uma flor
E dou risada do grande amor
Mentira

SUBLINEI PORQUE ADOOOOOORO ESSA MENTIRA

Comentários

Carlos disse…
Amor, só, não basta... A MM escreveu uma Crônica (ou várias...) falando nisso.

Gostei da "dedicação"... Nestes casos (noutros também), dedicação gera Tesão na veia!!!

CLARO QUE SÃO VERDES!!!!
BETO disse…
Bocão,vc tem olhos cor de sei lá o que. Meu amor doidinho faz concorrência com o seu. Eu e a minha crespa, tu e os teus caracóis. Eles enrolaram NÓIS, bocuda! huahuahua
Bjs, curte muito. Nao import a cor do teu olho, ele ta brilhando. É o amoooor...

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…