Pular para o conteúdo principal

a mão e a luva


Você me cai como uma luva. Fica tão bem em mim que nem parece que meu corpo já esteve despido de ti. A cintura agradece o abraço, os meus ombros cedem lugar aos teus. Você me cai como uma luva no outro banco do carro, contando histórias e aumentando a viagem sem que se alterem os quilômetros. Você multiplica, alonga, alarga, ultrapassa os sentidos. Torna horizonte paisagem, aponta para onde vamos. Eu não vejo, eu vou. Só sei gostar assim, aproveitando o caminho com as curvas que inventas. Não levamos mapas, improvisamos tudo. Saímos para um canto, acabamos em outro. Desafiamos os cardápios. Mudamos até as montanhas de lugar.

Nossa felicidade é espaçosa. O riso ocupa todos os cômodos, não dorme por todas as camas. O riso invade as lacunas e molha as palavras com vinho branco.

Você me cai como uma luva quando deita na minha rede, cobrindo o corpo com a noite, procurando estrelas cadentes, falando sobre meteoros, inventando assuntos. Não me olha nos olhos, mas através deles para fazer previsões e interpretações daquilo que eu jamais disse. Você desdobra meus suspiros amassados, levanta o tapete pra ver o que eu varri para baixo, conquista o território do meu sofá. Você me cai como uma luva quando tranca todas as portas para que ninguém nos roube o que já nos demos. Para que ninguém viole nosso desassossego ou perturbe o teu sono. Você me pede desculpa por dormir, me pede para não acordar, gruda, cola, aperta e não me sufoca. Prepara as respostas antes das perguntas. Quer cuidar de mim enquanto eu só quero cuidar do jardim. Estou mentindo, você sabe. Na verdade eu quero cuidar de tudo.

Você me cai como uma luva quando escuto a respiração horizontal. Quando diz que tenho cara de desenho animado, quando sou trapaceada pelo vento que vem de baixo riscando a barra do meu vestido, quando escolhe a mesa em que vamos sentar e atesta a ruivice dos meus cabelos no sol do fim de tarde, me ganha, em frações, trocados, meia-dose que vira taça cheia. Você me cai como uma luva quando consentimos inconsequencias, quando um refúgio se transforma em castelo, quando fingimos que não há ninguém passando e não importa porque estamos a cem por hora. Adoro os absurdos, os finais inusitados, as frases sem sentido algum. Você me reparte em várias para colecionar os cheiros, depois me monta toda fora do lugar.

Você me cai como uma luva quando decreta todas as ordens que eu não vou fazer, quando resolve que a gente se ama e fim de papo, pelo humor. Você tem um sotaque que aparece sem querer e teorias engraçadas. Você me cai como uma luva nas filosofias de mesa de bar, quando aperta meu braço querendo que eu concorde e coloca uma pausa em tudo pra mudar de assunto. Cai-me como uma luva quando coloca uma pausa em todos para me beijar. Quando me agita ao contrário.

Eu te caio como uma mão (fazendo dos teus caracóis os anéis dos meus dedos, redesenhando com a ponta dos indicadores o contorno do teu maxilar até o meio do queixo, descendo pelo hióide até amarrotar a gola da tua camiseta).





Um P.S. fingido: 

PRA NÃO DIZER QUE FALEI SÓ DE FLORES:

Machado de Assis durante a fase romântica escreveu A MÃO E A LUVA (além de Ressurreição, Iaiá Garcia e Helena). O romance conta a história de Guiomar, que era disputada por três moços para casar. Como tinha o sonho de frequentar o topo da camada social, optou por Luis Alves, seguindo uma fria escolha de espírito. Luis Alves era ambicioso e político. Lá pelas tantas do livro, os dois conversam sobre ambição e concluem que não é um defeito e sim uma qualidade de ambos. Decidem que um servirá de apoio para o outro nos seus objetivos e, num gesto final de carinho, Guiomar senta no colo do marido, eles se beijam. Não é de hoje que beijo é uma forma de fechar um acordo, selar negócio. A origem do beijo nos casamentos não é mostrar que o casal se ama, mas sim confirmar o negócio. Certo, sejamos românticos, hoje pode ser sim mostrar todo o amor entre os noivos.

Quero falar de uma coisa mais prática. Nada errado em um casal ser unido pela ambição, nada errado em um beijo ser provocado pelo tino negocial, por objetivos conjuntos que convergem em outro fim que não o amor. Até porque o amor tem muitas faces.

Optei por fazer da minha vida a melhor de todas, porque só tenho esta. Convidei alguém pra vir junto. Eu disse que preciso viver bem, feliz e me divertir. Ele topou sem pensar muito. Sem discutir ou perguntar como. O que aconteceu depois? Tem sido divertido, bem vivido, recheado de felicidade. E com muitos beijos entre risos.

Já disse Camus: “Não há que ter vergonha de preferir a felicidade”.



Legenda pra foto: PERCANTA. 
Melhor, vivendo o auge da percantagem! 


****
Antes da trilha sonora, quero explicar o porquê da música. Sábado, depois de jantar, fomos conhecer o ateliê das velas do Cadu, em Xangri-lá. A Tati, minha amiga do coração nos convidou. Além do trabalho lindo, sedutor e diferente que o Cadu faz, a reunião de pessoas boas, divertidas e de alto astral me fez muito bem. Estávamos em cinco pessoas, conversando, rindo, dividindo um momento de extrema simplicidade que só é possível quando existe amor, respeito, amizade, fraternidade e honestidade. Eu fico MAIS feliz nessas horas. O mundo fica bem mais bonito. 

Eu sempre falo que amor deve ser pendurado no varal, que é feito pra espalhar, pra que possa se multiplicar. A bondade também. É bom ser do bem. É bonito ser honesto. Sinceridade não é defeito. Não é feio agir bem.  O coração bate melhor. Eu juro.

*PRA QUEM QUISER CONHECER O TRABALHO DO CADU, AS VELAS ESTÃO EXPOSTAS EM XANGRI-LA, NA AVENIDA PARAGUASSU,1722, AO LADO DA IMOBILIÁRIA BELLA HOUSE. VALE MUITO!  

****


Shiny Happy People - REM

Meet me in the crowd
People, people
Throw your love around
Love me, love me

Take it into town
Happy, happy
Put it in the ground
Where the flowers grow
Gold and silver shine

Shiny happy people holding hands
Shiny happy people laughing

Everyone around
Love them, love them
Put it in your hands
Take care, take care

There's no time to cry
Happy, happy
Put it in your heart
Where tomorrow shines
Gold and silver shine

Shiny happy people holding hands
Shiny happy people laughing

Whoa, here we go

Shiny happy people holding hands
Shiny happy people laughing



Comentários

Keila disse…
É tão bom quando tudo vai dando certo. Lindo texto.

Beijos!
Natalia disse…
Queremos foto do casal mais fofo do mundo. Estavam lindos no casamento em Santa Cruz. Beijos.
DAIA disse…
Preciso descobrir se eu te admiro mais como minha chefa ou como escritora. Só sei que eu sou a melhor estagiária. Não brigue comigo, estou usando seu computador enquanto está em reuniao. hihihi
Fabi disse…
Eu concordo que você e o Ico Thomaz conbinam demais. Ele deve ter orgulho de conquistar a melhor mulher que existe.
Beijos, Fabi
Carlos disse…
Ah! O Amor é Lindo!
Acho que alguém já disse isso uma vez...
BETO disse…
Bocão, isso foi uma declaração de amor! Isso pq voce é feita de puro amor, nao é apenas a melhor mulher que eu conheço, é a melhor pessoa, amiga. Respira, olha para dentro como sempre falo. Torço pela história, acredito q vcs valem a pena. Fica tudo mto estranho se nao der certo no final. Bj no coração, segunda to ai com vc.

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…