Pular para o conteúdo principal

vê se entende a minha pressa...


Decidir que figurino usar é sempre um caos. Sou confusa e desordenada pra isso. O problema é que ontem o mundo estava muito selvagem, hoje absurdamente doce. E assim como do nada chove pra depois fazer sol, tudo pode mudar. Daí fico em dúvida se saio de casa armada até os dentes ou despida até os ossos.



Vou levar na bolsa dardos de sonífero e injeções de insulina.



Sou inconstante, porém precavida.



Não gosto de sair com armaduras, espadas e escudos. Isso pesa demais. Carregar nos bolsos as defesas, ocupando lugar de amenidades. Em minha defesa não tenho nada, nada mesmo. Tenho eu uma belíssima cara de pau de assumir minhas artes e defeitos. Faço e assino. Isso que sou tímida.



Sou acostumada a que me apontem os defeitos. Que peçam que eu pare com a agitação, que preste atenção no que eu estou fazendo, que não equilibre duzentas coisas numa mão enquanto coloco um pão na boca e seguro uma caneca de café na outra, calçando os sapatos e fechando a porta do armário com os pés. Não tenho coordenação para dançar por isso, cada membro está acostumado a ser independente do outro.



 Vício de viver. Ainda morro disso.



Eu tenho urgências. Dessas de fazer tudo. Penso e é pra já. Mal me convenço, já fiz. Ainda mais se é para acabar com algum desconforto. Sou dada às soluções absurdamente imediatas. Uma vez tentaram me convencer que a pressa era inimiga da perfeição. Quem quer a perfeição? A perfeição não tem do que se desculpar. Não tem vantagem para não contar, nada a esconder. Perfeição é coisa que não existe – graças a Deus. É o que respondo quando implicam com a minha pressa. Já respondo pra ser contraditada. Quero tudo e quero agora.



Quando achei que o mundo estava selvagem, resolvi fazer meu universo de poucos metros quadrados e porta fechada. Meu quarto é uma fortaleza, abrigo tudo nele. É seguro, Fort Knox do meu ouro. Espalhei velas, selecionei a trilha sonora. Ocupei todos os cantos com a minha baderna. Do meu mundo, sou Deus, esta é a minha maneira de ser onipresente. Retalhei tecido, pintei camiseta, li meus livros, dancei sozinha, recortei e colei coisas, desenhei, rabisquei, escrevi. A minha solidão é sempre muito cheia de mim.



A minha pressa é dessas imperfeições. É de mudar o rumo, esquecer o que eu tinha planejado. É estar disposta a fazer de outro jeito. É encontrar sempre o que fazer, não terceirizar a própria vida. É me bastar, mas sentir saudade, querer o cheiro e os dedinhos massageando as costas. Mandar mensagem sem sentido pra ficar perto quando os corpos estão longe. Eu sei que é bom estar sozinha, ando descobrindo que tem sido melhor quando estamos juntos. Somos dois imperfeitos empenhados a viver muito bem. A naturalidade como tudo tem acontecido é admirável. Tudo continua perfeitamente imperfeito, como a mensagem de boa noite mais surpreendente que alguém pode mandar. Eu ri muito.



Mas isso foi ontem. Hoje o mundo está absurdamente doce.



Eu juro pelos meus joelhos que eu sei parar.





Ora e Allora - Luciano Ligabue (porque eu adoro!)

Un conto è volere vedere le stelle,
Un conto è farsi guidare.
Un conto è saperle là in alto e lasciarle un pò fare.
Un conto è la rabbia che provi a 20 anni,
Un conto è la rabbia a 40.
Un conto che intanto non sembra cambiare mai niente.

Sai che ora e allora e ancora così
A rubare l'amore che si fa rubare.

Un conto è la mappa di tutti i locali,
Un conto è dovere star fuori.
Un conto è sentire che riesci a lasciarti dormire.
Un conto è svegliarti e sentirti già stanco,
Un conto è trovarla di fianco.
Un conto è sentire che il fuoco non è ancora spento.

Tanto ora e allora e ancora così
A rubare l'amore che si fa rubare.

Ora e allora e quando sarà
Su una fune sottile con il proprio stile.

Un conto è la vita che imposta il suo gioco,
Un conto è averlo capito.
Un conto è ripeterti spesso che sei fortunato.

Tanto ora e allora e ancora così a rubare l'amore che si fa rubare.
Ora e allora e quando sarà su una fune sottile con il proprio stile

Comentários

Carlos disse…
Entento, concordo, faço coro, assino embaixo!!!

Com uma ressalva: existe perfeição num pacote de biscoito...

Música Linda!!!
Ai, que lindo.
Li em voz alta, encantada.
Encantada, sim. Como sempre fico quando te leio. Me ensina a escrever assim?
hehehe

Beijos maravilhados...
e que seja sempre doce....
bjs

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…