Pular para o conteúdo principal

duas caras


Não conjugo mais o verbo amar em outro tempo que não o presente. Amar: verbo presente. Presente como nunca foi, olhando pra trás percebo. Viver é verbo dinâmico. Onde estamos daqui a pouco já foi. E o que resta é o futuro conjugado no agora. É o que somos. Seguramos as chaves das portas do futuro, faremos as nossas escolhas, observando o que foi, olhando para o que queremos.

Na mitologia romana, Jano era uma divindade de dois rostos, um olhava para trás, outro para frente. Passado e futuro, as duas faces do presente. Jano era o porteiro celestial. Carregava numa mão um báculo, na outra a chave que abria ou fechava todas as portas. O mês de janeiro é uma homenagem ao seu nome, o mês que abre o ano. Mas Jano também era dotado de grande indecisão, um rosto jamais viu o outro, restritos sempre ao mesmo visual. O que foi e o que virá se encontram no agora. Duas faces viradas para lados opostos, indeciso entre a expectativa do futuro e a insegurança da vivência passada. Não podemos negar o passado. Também seria injusto – e covarde demais – repelir o que se espera do futuro por aquilo que vivemos. Expectativas, riscos, frio na barriga, isso vale muito, vale quedas, decepções.




Jano aparece na maioria das vezes representado apenas pela cabeça. O que é muito lógico, porque são onde as decisões são tomadas. Existem muitas faces duplas de Jano cunhadas em esculturas, moedas, esfinges. Muitos desenhos também. Acho interessante que sempre a face do futuro é mais sorridente que a do passado. O futuro sempre parece melhor, tem traços mais harmônicos. A face do passado me dá a impressão de ter os olhos maiores, independente de qual artista fez ou do tipo de obra. Acho que os olhos são mais necessários para não deixar escapar nada do que passou. Os olhos que observam são dotados de tanta importância quando os demais sentidos.

O futuro exige certa surpresa para chegar.

Paul Klee, artista plástico, poeta, músico, apaixonado – tudo isso oficialmente – e maluco – isso não é oficial – abusava de cores escuras para desenhar seu humor. Suas crenças pessoais viravam tintas, muitas interações coloridas infantis, sarcásticas e irônicas. Milhares de interpretações cabem nas obras. Bom, mas onde Jano entra nessa história? Paul Klee tem uma tela chamada FISH MAGIC, onde há, além de peixes, uma mistura de outros elementos entre plantas, relógios, janelas e claridades, sombras. O quadro é daqueles de entrar dentro. No canto inferior esquerdo, Klee desenhou uma pessoa com duas caras. A que olha pra traz, com aquela boca séria. Sisudo. Circunspecto. Acredito que seja a representação de Jano. O rosto que olha pra frente é mais bonito. A boca avermelhada lembra um coração, a mão deste lado é estendida para cima, aberta, esperando que venha algo. A mão quer pegar o que vier.



Mas Klee foi bem esperto, o seu Jano tem duas faces, porém, elas dividem um dos olhos. O olhar do presente. Klee promoveu o encontro entre todos os tempos pelos olhos. Um olho no passado, um olho no presente e um olho no futuro. O Jano está pronto para receber o que vier.

Amorzinho, nessas noites de esticar a madrugada no sofá, me disse que cada vez que o assunto é o passado a minha boca diminui. Confio certa seriedade ao passado. Minha cara com olhar sengo petrifica o ar. Economizo riso. Ele se ajeita sentado, como sempre faz pra falar sério, sacode os caracóis e me diz esfregando os dedos que pode até pressupor uma irritação. Não. Explico. Tudo que foi, foi sério. Tudo que virá, será bem recebido. O agora, estamos fazendo. Daqui aos próximos passos é o caminho que me interessa. É por onde vamos seguir viagem levando no bolso promessas e vontades.

Conjugo o verbo amar no presente. Porque o futuro é um agora com uma pitada de daqui a pouco. 





Só ele acha que uma boca desse tamanho fica pequena! Humpf!!! 
;-)

Hoje sem trilha sonora. Ando vivendo muitas notas musicais, maestro! 



Comentários

Carlos disse…
Cultura é Afrodisíaco...
Beijo Grande, Sua Bocuda Linda!!!
Fabi disse…
O Ico deve ser louco, impossível essa gamela ficar pequena. Quieta eu ja vi.
Bj
b8 disse…
Muito legal!!!

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…