Pular para o conteúdo principal

love me tender







Passava muito das duas da manhã quando Elvis começou a cantar Kiss me quick, while we still have this feeling...”, eu estava sentada no sofá com a última taça de vinho na mão enquanto conversávamos sobre a vida, planos, futuros, passados e qualquer outra coisa que coubesse na sala. Falei do sofá? Relíquia de família, feito com pau-brasil, confortável e acolhedor. Sofá que abraça sem deixar de ser sério. Guardião das histórias da infância. Segredos abafados pela espuma das almofadas. E era lá que eu estava. 


Nós temos a mania de sentar longe para beber vinho e conversar. A conversa é boa, mas a sedução das entrelinhas é sempre melhor. Aos poucos criamos imãs. Meu namorado estava zanzando pela sala com o brinquedo novo, uma caixinha de som sem fio, nova diversão da casa. Tornou-se nosso bicho de estimação no final de semana, onde fomos ela foi. Conheceu todos os cômodos da casa como se visita fosse. Não dormiu quando dormimos, nem almoçou quando almoçamos. Tocava no modo aleatório. O DJ é o acaso.


Elvis seguiu firme, sem desafino “Tell me that tonight will last forever /Say that you will leave me never/ Kiss me quick because I love you so…”. Foi quando percebemos que estávamos nos olhando, encantados com a música. Paralíticos. Brincando de estátua sem que alguém tenha dado a ordem. Saltei em direção a ele, que imediatamente sacou meu corpo para a dança. Rosto colado como nas festas de garagem. Dois pra lá e dois pra cá - que eu sempre esqueço ou o um da esquerda, ou o dois da direita. Paciente e divertido, ele me leva até o fim da música no improviso dos passos. Nós ensaiamos tantas coisas, combinamos diversos programas e optamos pelo improviso. É o que sabemos fazer bem! Com as molinhas dos cabelos pulando, meu parceiro de dança resolveu que a trilha sonora noturna não seria mais aleatória. 


- Vamos deixar no Elvis. 


Concordei piscando os olhos num sinal que só ele entende. É uma piscada em código Morse. Imediatamente ele escolheu "Only You" e dançamos pela sala. “Only you, can make all this change in me/For it's true, you are my destiny...” ríamos baixinho pra não atrapalhar a música. Percebi que quando dançamos temos mãos inquietas. Ele desenha horizontes com neblinas que se espalham entre as minhas vértebras até a altura dos pulmões. Sinto arrepio e falta de ar. Afunda o rosto em afago no meu trapézio. Eu enrosco os dedos nos cabelos dele como se fossem carretéis. Cheiro as suíças e o final das sobrancelhas. 

E quando Elvis começa a cantar “And I Love you so” nós já estamos no quarto, janelas abertas. A lua é nosso holofote. Traje de gala é roupa íntima e camiseta. Acaba o vinho e a música com “All but love is dead / This is my belief”. Acaba esta dança. Acaba a noite. Às cinco da manhã o sol vem com preguiça. Manda os raios antes para acordar a cidade. A lua é exibida. Desafia a hora sem sumir do céu, teimosa. Divide o adeus da noite com cheiro de pão novo. 

O amor tem disso, o tempo passa só das paredes pra fora. A janela apresenta a realidade: está amanhecendo. A claridade deita nos lençóis antes de nós. A melhor festa da minha vida não teve beijo de despedida, teve beijo de bom dia e curvas de sorrisos horizontais. Noite não dormida sem sair de casa. Reunião dançante de dois convidados por acaso. Não temos modos nem pra isso. Na conchinha dos corpos não se ouvia o barulho do mar. Ouvia-se pedidos e promessas “Love me tender/Love me long / Take me to your heart /For it's there that I belong /And we'll never part...”









Eu acho que Elvis não morreu. É sério!





Noite não dormida dá olheiras (de alegria).

Comentários

Anônimo disse…
Linda vida plena, lindo amor pleno. Saibas aproveitar este romance tal qual sabes viver.
BETO disse…
Se tem uma bocuda mais apaixonada, eu não conheço.
bj
Carlos disse…
Vive, Kukynha, VIVE!!!

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…