Pular para o conteúdo principal

pré-saudade: parte I




Eu que sempre amei domingo vou deixar que ele leve meu melhor sorriso. Vou deixar que me faça chover e empapar em lembranças todas as vinte quatro horas dos próximos dias. Andei acumulando as lembranças, estocando, para serem usadas quando a saudade mais sufocar. Não imagino a saudade não sufocando.
Não imagino a lembrança sem invadir meus sonhos, meu dia, minha noite. Não imagino as lembranças sem dividirem comigo o almoço ou repetir a sobremesa. Até agosto serão as fronhas dos meus travesseiros.

O que sinto hoje não tem nome. É uma mistura de orgulho pela coragem, de tristeza pela partida e de saudade antecipada. É uma falta de quem está aqui. É a saudade do meu coração que vai viajar.

Aprendi a amar um moço dos caracóis que me encontrou. Em sete bilhões de pessoas no mundo, ele conseguiu me achar. Nós conseguimos ser perfeitos apesar de nós, apesar dos nossos defeitos. 

Somos perfeitos porque somos um do outro como jamais fomos de alguém.

O primeiro amor não acontece na primeira série. Nem na adolescência. O primeiro amor acontece quando nos descobrimos capazes de amar alguém sem medida. Nunca chega. Há sempre mais. Ë sempre alegre cada vez que a porta abre ou ele adivinha quando chego no prédio. É sempre alegre o afago matinal nos cabelos enquanto ele me espia e volta a dormir.

A alegria mora em nós.

Na primeira noite que enroscamos os caracóis, descobrimos que as nossas escovas de dentes eram iguais. Descobrimos muitas outras coincidências. E diferenças.

E descobrimos que longe, mesmo quando distantes, nós nunca ficaremos. 

















Um Pro Outro
Lulu Santos


Foi bom te ver de novo aqui
A gente tinha mesmo tanta razão pra seguir
Fora o som dessa guitarra
A voz sempre rouca
E o coração na mão

Surpresa certa te encontrar
A tua onda pega bem mesmo em qualquer lugar
Até na esquina do pecado
O que for da vida não nos deterá

Nós somos feitos um pro outro
Pode crer
Por isso é que eu estou aqui
E não há lógica que faça desandar
O que o acaso decidir

Tanta certeza no olhar
Tamanha pressa de chegar a nenhum lugar
Só pra ter a sensação
De que a vida passa assim como um tufão

Nós somos feitos um pro outro
Pode crer
Por isso é que eu estou aqui
E não há lógica que faça desandar
O que o acaso decidir




Comentários

Fco disse…
Tens 30 anos com a sabedoria dos 100. Tua escrita desabrocha enquanto debochas do leitor que duvida de tamanha doçura. Há malemolência em ti. Mistura de mulher e menina, sentimentos embutidos. Apenas quem passou contigo alguns minutos conversando sabe que és real, que escreves a tua alma. A tua vida é desenhada em letras, este é o talento que tens, abrigo da tua genialidade. O mundo nunca conseguirá crer na tua transparência porque o mundo não crê nas sinceridades. És de verdade: aqui reside tua cruz. Fosse uma fingidora teria mais credibilidade. Aceitação. Não és. Melhor assim.
Abraço terno do teu orgulhoso mestre.

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…