Pular para o conteúdo principal

demasia




Durante o inverno consumo mais café. Não porque é mais difícil ficar acordada, mas porque adoro ser acompanhada por uma caneca quentinha em tudo que faço. Em casa ou no escritório, uso o calor da porcelana como luvas. Antes de dormir, um chá. Também como mais chocolate. Percebi que quase triplico a quantidade. Por sorte sou ruim de engorde. Sou fuzilada por olhares. Detesto a pergunta “pra onde vai tudo isso?” Mais respeito com meu chocolate, ele não é um “isso”. Meu organismo já está acostumado com meus exageros. 


Nasci superlativa. 


Sempre ouvi a minha mãe dizendo que sou a rainha do exagero. Gosto muito, quero mais, mil vezes, incontáveis coisas, nada pra mim é um ou dois. Chego perto de ser teatral. Às vezes sou. Às vezes até apelo para o drama. Prometo nunca mais. Não me contento em morrer vez que outra, morro todos os dias. Agora, de saudade, ando morrendo todas as horas. Umas mil vezes. Ou mais. 


Tenho muitas pressas. Tenho muitas manias. Muito tudo. Sou curiosa. Agitada. Escrevo demais, desenho demais. Mudo tudo de lugar com frequencia. Espalho coisas por cima da mesa pra não cansar da paisagem. Como muito doce, bebo muita água. Exagero de propósito. 


Eu faço tempestade em colher de sopa. 


Não me contentei em casar uma vez só, casei várias vezes com o mesmo homem. Casei na janta, na hora de dormir, no meio do cinema, por mensagem de texto. Fui casando. Casei pela eternidade. Por todas as outras vidas, passadas ou vindouras. 


Exagero mesmo. Não ouso camuflar minhas intensidades. Abuso. Até no que falta sou demais. Tenho trinta abas abertas no computador, numa tela faço agravo e em outra apelo, masco chiclete, passo rímel e falo ao telefone, tudo ao mesmo tempo. O que prova que, para piorar a minha situação, ainda sou randômica e aleatória. 


Sofro de demasia. Não, não é em demasia. É de demasia mesmo. Inventei a doença caso precise de um atestado para transbordar. E mata! Porque enfermidade de exagerado é assi
m, fatalíssima. Pode matar mais de mil vezes. 


A demasia é grave. Muito grave. Se não tem CID, deveria ter. Não me permite nem fazer pela primeira vez uma coisa só. Explico: já confessei que nunca fui adepta das cartas de amor, que sou fã dedicada e atuante dos bilhetes. Pois bem, fui escrever pela primeira vez uma carta de amor. 


Escrevi dezesseis.



(e entreguei todas!)

HOJE com duas trilhas sonoras, as duas lindas. Uma óbvia, outra não. Um texto sobre exagero não podia ter só uma trilha sonora...

Escrevo-te estas mal traçadas linhas meu amor
Porque veio a saudade visitar meu coração
Espero que desculpes os meus erros por favor
Nas frases desta carta que é uma prova de afeição.

Talvez tu não a leias mas quem sabe até darás
Resposta imediata me chamando de "Meu Bem"
Porém o que me importa é confessar-te uma vez mais
Não sei amar na vida mais ninguém.

Tanto tempo faz, que li no teu olhar
A vida cor-de-rosa que eu sonhava
E guardo a impressão de que já vi passar
Um ano sem te ver, um ano sem te amar.

Ao me apaixonar por ti não reparei
Que tu tivesses só entusiasmo
E para terminar, amor assinarei
Do sempre, sempre teu...

Tanto tempo faz, que li no teu olhar
A vida cor-de-rosa que eu sonhava
E guardo a impressão de que já vi passar
Um ano sem te ver, um ano sem te amar.

Ao me apaixonar por ti não reparei
Que tu tivesses só entusiasmo
E para terminar, amor assinarei
Do sempre, sempre teu...

Escrevo-te estas mal traçadas linhas
Porque veio a saudade visitar meu coração.

Escrevo-te estas mal traçadas linhas
Porque veio a saudade visitar meu coração.

Escrevo-te estas mal traçadas linhas
Espero que desculpes os meus erros por favor
Meu amor, meu amor...


Letters From The Sky - CIVIL TWILIGHT

One of these days the sky's gonna break
And everything will escape and I'll know
One of these days the mountains are gonna fall
Into the sea and they'll know

That you and I were made for this
I was made to taste your kiss
We were made to never fall away
Never fall away

One of these days letters are gonna fall
From the sky telling us all to go free
But until that day I'll find a way
To let everybody know that you're coming back, you're coming back for me

'Cause even though you left me here
I have nothing left to fear
These are only walls that hold me here
Hold me here, Hold me here

One day soon I'll hold you like the sun holds the moon
And we will hear those planes overhead
And we won't have to be scared
We won't have to be, we won't have to be scared

You're coming back for me
You're coming back for me
You're coming back to me

Comentários

Keila disse…
Me encontrei em tantas partes do texto. rs
Adoro o que escreves. Ta ainda mais linda nessa foto.
Beijos
Ana disse…
Sempre linda. Intensa, agitada e a melhor pessoa que eu conheço de coraçao e de cabeça.

TODAS AS FELICIDADES DO MUNDO PARA TI E PARA O ICO, CASAL MAIS PERFEITO.

Te adoro, amiguinha!
Anônimo disse…
Que texto mais lindo pra começar minha semana...me identifico tanto,,,,desde a caneca de café ou chá servindo como luva até os bilhetinhos de amor. Serão coisas de aquarianas??? Bjão, dada

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…