Pular para o conteúdo principal

perene


Infinito. Descobri nele o meu infinito. Soube encontrar o início, os milhares de caminhos, rotas alternativas, jamais o fim. Quanto mais encaro, mais me perco para que ele me encontre mais e mais e mais. A busca dele por mim também é infinita. Conhecer tantos dele quanto se apresentem e amar todos. Querer cada um deles, mil vezes ser apresentada aos mesmos que ele é. Mil vezes beijar todos, todas as manhãs.

Beber do vapor que os cabelos deixam espalhar depois do banho, enquanto ele desarruma os fios. Desalinha o figurino porque eu gosto assim, desalinha a minha vida porque sabe que eu nunca tive meio termo. Não preciso de centro certo ou limite. Preciso do pouso que tenho nele. E sei meu lugar seguro desde as primeiras horas, desde o primeiro carinho de pétala recente antes da pupila acordar abrindo a janela para a luz. E ele me distrai pelo caminho, me atrai pelo contorno e pela curva desenhada enquanto se estica na cama. E eu esguia, lânguida, terna, amena de brisa, madrugando mais tarde, florescendo entre os dedos dele que laçam os meus antes de dizer bom dia. Ele lança um olhar lhano que me faz saber que foi isso que me fez parar. Foi assim que me perdi tantas vezes, é por isso que me perco todos os dias nos pensamentos. Da hora que acordo até dormir, quando ele invade meus sonhos. 

Amo o infinito que tenho nele. Amo cada página dele. Viro a folha. Leio as palavras antes que sejam ditas e ainda assim ele me surpreende. Inspira, instiga, desafia, suspira contente com o meu sorriso. Desenho quando ele está em branco, tramo nele a minha história. Faço trança entre nós. Nós na minha garganta quando ele rouba o ar das minhas exclamações. Deposito minhas economias de carinho, faço dele minha caixa preta. Confio os segredos e as confissões. Escrevo nos muros dele, faço janelas novas, molho as plantas, as pálpebras e a língua. Adoro quando ele grita. Adoro quando faz troça. Adoro quando exibe nossos códigos. 

Permaneço porque é onde quero ficar. Sigo por qualquer caminho porque meu melhor destino é ele. Ainda que eu me perca para ele me encontrar. Ainda que faça escalas para respirar. Ainda que eu estique as pernas, que eu corra, caminhe ou voe. Daí eu penso nas vezes que eu quis fugir e o amor não deixou. Amor correspondido. 

Um dia você acorda, olha para o lado e sabe que é ele. Faz dele o caderno da infância, a primeira linha com risco de lápis. Faz dele o horizonte. A paisagem.

Ele afaga meu ombro, sonolento, seguindo meu cheiro até me completar ao alcance do tato. Jamais cansará de me encontrar. Mesmo que seja a cada manhã em cima da mesma cama por toda a nossa vida. Este é nosso único mapa. Ele me diz que sou a vida dele. Suspiro. 

Ele infinito, eu inesgotável. 
Somos mundo. Nosso mundo. 




Picture Of My Life - JAMIROQUAI 
(chuva em NY combina com esta música.)
(...dizem.)

I never had a dream that I could follow through
Only tears left to stain, dry my eyes once again
I don't know who I am, or what I'm gonna do
Been so long I've been hopelessly confused
This can never really end, its infinitely sad
Can someone tell me when
Something good became so bad
So if you have a cure
To me would you please send
A picture of my life
With a letter telling how
it should really be instead
The precipice is there
But will I ever dare
Throw myself in the sky, so at last I can die
See I've become a man
Who holds nothing too dear
Who will mind if I just disappear
This can never really end, it's infinitely sad
Can someone tell me when
Something good became so bad
So if you have a cure
To me would you please send
A picture of my life
With a letter telling how
it should really be instead


Comentários

Aline disse…
Chego a arrepiar lendo as tuas palavras! beijo
Keila disse…
É tão bom quando se encontra um amor assim

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…