Pular para o conteúdo principal

235, E 84th


É prece quando ele diz coisas que me tocam. Ele sabe fazer isso. Fico calada para que não me fujam as vírgulas, os suspiros e os silêncios porque até esses são reza. É lindo. Ele exalta as exclamações. Faço silêncio de missa. Esta é a única quietude que o nosso amor permite. Nosso sossego está em esticar os cílios um para o outro. A compreensão pede calmaria. As nossas ideias não. As ideias precisam de ar, janelas abertas, parques, praças. É o vinho decantando. Neste silêncio os sedimentos são separados, os excessos evaporam, o sabor da fruta abre.

Quando estamos juntos ele abrevia minhas frases com beijos, precisa ter na boca a mesma palavra que eu. Dividimos tudo a tal ponto que nem nossas horas não têm minutos solitários. Culpa da sintonia que me fez passar uma mensagem no mesmo momento em que ele me enviou um e-mail. Culpa da sintonia que fez com que ele me enviasse o clipe da música que eu estava escutando. Ou que fez com que eu mandasse para ele uma oração de boa noite no mesmo instante em que ele estava orando. Nossa proximidade vem das nossas atitudes. Amamos inquietamente. Não temos preguiça de amar, nem vergonha de assumir.

Os tempos andam estranhos. Amar é associado à fraqueza. As pessoas têm vergonha de pendurar o amor no varal com medo da tempestade. Se molhar, molhou. Haverá um sol. Secará. Haverá chuva, haverá vento. Nada disso é desculpa para que não haja amor.

Assumir o amor é vestir a camiseta. É admitir a falta de atenção matinal que fez colocar café na granola e iogurte na caneca. A cabeça não estava na cozinha. A cabeça estava na cama com ele, onde o resto do corpo gostaria de estar. É esta intimidade do desejo, de não ter hora certa para querer. Amar é esperar com flores no aeroporto, é ter preparado a casa com as nossas fotos, não conseguir esconder a felicidade do encontro e eternizar o momento. 

Amar dá trabalho. Estar com alguém dá trabalho. Colocar alguém dentro da vida não é como trocar a mobília casa. Quem faz do amor um sofá não sai da sala de espera da vida. A diversão está toda em outro lugar. Em movimento. O amor é intranquilo porque quer sempre mais. E quando é bom, merece. Dedicação é exercício diário. Falo do prazer de acordar cedo para preparar o café da manhã, sabendo que ele irá a dormir mais um pouco depois e ainda tentará de todas as maneiras me convencer a voltar para a cama. E eu vou ceder! Por mais que não saiba acordar tarde, por mais queira sair saltitando pela casa, vou ceder e deixar ele se enrolar em mim mais um pouquinho. Porque ceder não é feio. Como reconhecer erros não é ser fraco. Da mesma forma que mudar quando se sabe da falha é nobre.

O amor agradece a nobreza.

Amar é ter cuidados diários. É polir os hábitos, aceitar que não somos iguais porque os iguais não precisam dos outros. Nem as peças do dominó se ligam aos iguais.

Amar é saber que ele vai esquecer a toalha e pendurá-la no banheiro antes que ele acabe o banho. É responder “o quê” nas oitenta vezes que ele grita “amor” lá do outro lado da casa sem ter nada pra dizer. É o jeito que ele tem de dizer que me quer por perto e que eu sou o amor. 

Amar é furtar uma música do John e do Paul para fazer lembrete. 

Para amar alguém e ser amado, é preciso disposição. Tirar o sapato apertado depois de zanzar o dia inteiro, buscar uma taça de vinho enquanto ele fuma um charuto sentado no degrau da rua. Esquecer que dormiu pouco, maquiar o cansaço para ser boa companhia. Sim, ele me quer ao lado para as implicâncias em dupla, as risadas sem ritmo, os mil assuntos, os cochichos. 

Ele me quer ao lado porque vai falar de novo daquele jeito de prece. Daí ficaremos juntos em silêncio por um tempo. Observaremos juntos a garoa de verão, vamos retratar na memória o jeito que as folhas das árvores dançavam na calçada enquanto os faróis dos carros simulavam estrelas no chão.

Nunca esqueceremos que temos um ao outro. 


Testemunha do nosso amor. 

Se um dia tivermos Alzheimer, juntos, temos o retrato estático do momento. 

Meus pés são íntimos das calçadas de NYC!

Não mencionei que o lembrete é uma camiseta... POIS É!  Fiz esta camiseta para o Ico. É um bilhete. É um lembrete. É um presente de aniversário. É tudo isso e é verdade. E é mais linda ainda quando ele está dentro dela caminhando pelo Soho. 


----


Every breath you take
Every move you make
Every bond you break
Every step you take
I'll be watching you

Every single day
Every word you say
Every game you play
Every night you stay
I'll be watching you

Oh, can't you see
You belong to me
How my poor heart aches
With every step you take

Every move you make
Every vow you break
Every smile you fake
Every claim you stake
I'll be watching you

Since you've gone I've been lost without a trace
I dream at night I can only see your face
I look around, but it's you I can't replace
I feel so cold and I long for your embrace
I keep crying baby, baby, please

Oh can't you see
You belong to me
How my poor heart aches
With every step you take

Every move you make
Every vow you break
Every smile you fake
Every claim you stake
I'll be watching you

Every move you make
Every step you take
I'll be watching you

I'll be watching you


(Every breath you take
Every move you make
Every bond you break
Every step you take)

I'll be watching you


(Every single day
Every word you say
Every game you play
Every night you stay)

I'll be watching you


(Every move you make
Every vow you break
Every smile you fake
Every claim you stake)

I'll be watching you


(Every single day
Every word you say
Every game you play
Every night you stay)

I'll be watching you


(Every breath you take
Every move you make
Every bond you break
Every step you take)

I'll be watching you


(Every single day
Every word you say
Every game you play
Every night you stay)

I'll be watching you


(Every move you make
Every vow you break
Every smile you fake
Every claim you stake)

I'll be watching you


(Every single day
Every word you say
Every game you play
Every night you stay)

I'll be watching you







PS.: Texto com pequena inspiração de uma amiga que timidamente se declarou amando a pessoa com quem fica há seis meses. Perguntou se eu achava que ela devia dizer que amava, queria ter certeza que ele também ama. Não quer dizer que ama e correr o risco de acabar o "namoro", de acabar o amor. 

A gente não ama pra ser amado em troca. 

A gente não ama e deu, acabou aí. O amor não é o ápice de estar com alguém. 

Amamos para que o amor vá além, todos os dias. Amamos porque isso requer trabalho. Este amor existe independente do outro amar. Contar, declarar ou admitir para o mundo é mera formalidade. 

Pendurar no varal é requisito para que este amor não morra de sufoco, mofo ou guardado. 




Comentários


Texto lindo, repleto de encantadas verdades. Parabéns!
Laura disse…
Magrela do coração, bem que o Beto disse que tens 3km de pernas! KKKK
Linda, ruiva, belo texto. És tão cativante escrevendo quanto ao vivo. Vamos ver se esta semana sai o nosso pulinho em Canoas, estamos com saudades. Beijos em ti e na família.
Anônimo disse…
striking and sexy

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…