Pular para o conteúdo principal

apaixonada


Vejo gente com olhar perdido no metrô e concluo que é paixão. Olho no vazio, coração cheio. Apaixonar-se é bom. Desde aquela paixão pateta de adolescente até a paixão que dói. É bom quando o pensamento é invadido no meio da tarde por alguém que pula o muro das tuas ideias. Você está ali, contando os prazos com a ponta da caneta no calendário, um, dois, três, quatro... Aquele casaco que ele tem de quatro botões. Ou está procurando a pasta de capa azul onde estão os documentos importantes. Azul? Aquele dia ele estava usando óculos azuis. Estava tudo azul. E sim, os dois no paraíso para não deixar passar a música, a lembrança infame. A coisa toda merece ser um pouco brega. 

Porque o amor é brega. Defendo que é. Defendo mais, que assim que é excelente. 

Apaixonar-se é bom, é a fuga rápida do mundo real. Não, a calçada não é feita de basalto, é algodão doce. Fechar os olhos é um encontro rápido, colocar a caneta na boca é confissão fálica, esfregar uma mão na outra, ih... É grave. É paixão das boas. 

Soltar o cabelo porque ele gosta assim, usar os brincos compridos porque ele elogiou, beber o chá que ele gostou, passar na frente da casa dele porque alguns encontros casuais precisam de ajuda. Viver uma paixão é estimular o cérebro, desdobrar o coração. Estar apaixonado é sentir uma felicidade aparentemente sem explicação. É uma mistura de desejo, com expectativa e gotas de frio na barriga. É ficar ofegante com a proximidade, mandar o telefone tocar, mandar mensagem para avisar que choveu. 

Eu vivo apaixonada. 

Diariamente me apaixono pelo mesmo homem. Pisco os olhos em sorrisos que apenas ele sabe decifrar. Pelo jeito que ele entende a minha pressa, se apodera do que eu gosto, furta meus segundos e presta atenção nas minhas confissões. Sou apaixonada pelo amor que eu sinto e por tudo que recebo dele. Sou apaixonada pelas atenções e cuidados, pelas nossas sintonias. Minha paixão é a mais nova professora, me ensina a nova caligrafia, corrige meus borrões, ajusta meus garranchos, perdoa meus desenhos. 

Adoro acordar apaixonada para desejar bom dia antes da primeira caneca de café preto. Ser apaixonada por ele é receber afago na alma, é aquecer o coração. É ver nele que há paixão por mim. E assim, apaixonar mais um pouco. 

Suspiro sossego. 

Vivemos intensos.

Amamos com paixão. 



Mensagens para dizer blá blá blá blá eu te amo...

Comentários

Dani Viegas disse…
Muito lindo!
Concordo com tudo...

LAURA disse…
BOCUDA MAGRELA INTELIGENTE LINDA DIVERTIDA QUERIDA APAIXONADA.

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…