Pular para o conteúdo principal

click


A escada da minha casa representa uma armadilha. Sou vítima constante devido à minha pressa e às minhas meias. Escadas e meias costumam fazer travessuras. Já caí mil vezes. A maioria de bunda. Hoje quase caí. Não fosse o quase seria a queda. Eu estava no quintal quando percebi que havia um gavião pousado em um galho seco de uma árvore. Um gavião grande, descansado, aproveitando a folga.

Corri para o meu quarto, procurando a máquina fotográfica, quando aconteceu minha quase queda. Ao chegar na sacada, ele já se arrumava para o voo, escolhendo a melhor rota. Deu tempo para suspirar, captar o momento com as lentes da memória.

Desde muito tenho por hábito fotografar janelas. Quando criança o fascínio já existia, fotografava, desenhava, recortava nas caixas que seriam as casas de verão das bonecas. Janelas têm ímãs para os meus olhares. Acredito que o amor entre pelas janelas, não pelas portas. O amor pratica travessuras.

Pássaros que as lentes não registraram, janelas, paisagens, flores, árvores que guardo em mim. Fotografar com a emoção revela a imagem além da imagem. O álbum tem cheiro, as exposições têm gostos, sensações.

Ele acorda pela manhã, depois de mim e cola os olhos nos botões da minha camisa. Admira com amor o jeito que me visto. Fotografo a sensação de timidez que me dá, o jeito que me sinto pequena diante de olhos apertados de sono e com tão gigante admiração. Retrato o hálito de quando diz que me ama enquanto adoça minha barriga com as mãos.

Fotografo o som da risada dele para usar quando me lembro das nossas piadas. Quando os objetos das nossas brincadeiras são pessoalizados. Fecho os olhos e posso escutar aquelas pausas que ele faz entre uma e outra partitura de notas abertas. Escuto o jeito que ele funga o ar pelo nariz, depois vem me cheirar. Retrato o áspero da barba por fazer passeando pelos meus ombros e a voz que sussurra decretando que sou dele. Retrato a altura da sombra que ele faz na parede quando bate a claridade do final de tarde. E os dedos tatuando nossos nomes no espelho embaçado do banheiro. 

Antes que ele saísse do meu lado suspirei durante o abraço de despedida. Dentro dos braços dele, enlaçada,  olhos fechados, fotografei o cheiro que ele guarda entre a orelha e a nuca, por baixo das últimas curvas dos caracóis. Usei esta lembrança ontem, na hora de dormir, depois que falamos e juramos tudo que podemos jurar. Depois de planos, derramamento de palavras, sentimentos nus em cima do sofá.

Usei este cheiro para borrifar na fronha do travesseiro que emprestei para a saudade passar a noite. Ao meu lado, a saudade tem ocupado o lugar do corpo dele. 




In My Place - coldplay


In my place, in my place
Were lines that I couldn't change
I was lost, oh yeah
I was lost, I was lost
Crossed lines I shouldn't have crossed
I was lost, oh yeah

Yeah, how long must you wait for it?
Yeah, how long must you pay for it?
Yeah, how long must you wait for it?
For it

I was scared, I was scared
Tired and underprepared
But I waited for it
If you go, if you go
Then Leave me down here on my own
Then I'll wait for you, yeah

Yeah, how long must you wait for it?
Yeah, how long must you pay for it?
Yeah, how long must you wait for it?
For it, yeah

Sing it please, please, please
Come back and sing to me
To me, me
Come on and sing it out, now, now
Come on and sing it out, to me, me
Come back and sing it.

In my place, in my place
Were lines that I couldn't change
I was lost, oh yeah

Comentários

Marcela disse…
Quase senti inveja. Escreves bem.
Muito lindo. Admiro a maneira como retratas na escrita teus sentimentos e percepções.Parabéns!
BETO disse…
BETO
Bocuda, quando viaja? Dia desses me peguei pensando em todas as nossas conversas e na nossa vida de amor,relacionamento, pessoas q vc deixou, q eu deixei, pessoas q nós amamos, amor é agora. Eu estou amando a Laura. Vc está amando o Ico. Agora estamos bem, melhores q nunca. Nesses 29 anos de amizade, nunca nos vimos tão bem.
BJ
Kelly disse…
Vejo teus desenhos, twitter, blog e acho que tu é superdotada. Para ajudar ainda é linda de morrer.
Sou fã.
Beijos, Kelly Cristina

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…