Pular para o conteúdo principal

é tanto, é tudo e mais


Amor é coisa para pendurar no varal. É de estender no sol para perceber que brilha mais que ele. É de deixar o vento levar para espalhar mais que pólen. Um amor plantado multiplica. Ele contém na sua fórmula felicidade, unindo nas cadeias do seu DNA as proteínas da dedicação, do conforto, da saudade. Amor é de química, de física. Faísca, dá choque, pega fogo.

Amor é matemática errada. Esqueceu os cálculos de menos, multiplica para depois dividir para perceber  que o resultado é mais do que se tinha. Não tem lógica, mas o gabarito está certo. Nota dez. Não adianta contar nos dedos, o amor quer entrelaçar os dedos, quer andar de mão.

Amor é bicho exibido, é pavão de cauda aberta. Soberano no mundo das cores, o amor brilha no escuro. Tem de todos os sabores. O light está em falta. Latinha vazia.

Amor é fazer música com a última frase que ele falou. É contar piada na porta do banheiro, abrir as janelas para dançar, trocar as coisas de lugar para parecer perdido. O amor foi quem rasgou o mapa, escondeu a bússola. É intranquilo porque faz o coração pulsar mais e mais, se alimenta dos batimentos cardíacos quando toca o telefone.

Amor é o que nos faz fugir. 

Amor é a verdade e a consequencia. 

O amor é o que não te deixa dormir, mas também é quem te entrega os melhores sonhos. O amor é quem te faz atravessar a rua. É quem desconhece a palavra alegria para que ela não se limite. O amor é quem perde a hora, quem sai do sério, quem grita pra provar que ama e sussurra para pedir que fique. É quem inventa criaturas e tem medo. 

É nascer, morrer. É voar e ter sempre para onde voltar. 

Amor é aquilo que se sente. Incomoda. E ainda assim consegue ser a melhor coisa do mundo.

O amor é aquele que pula a janela. É quem não marca hora, quem não vem quando chamado. Desobediente, displicente, intrépido, infinito. Ora fala sem parar, ora cala para admirar. Amor é o que está nos livros que ninguém leu. Amor é a entrelinha. É o giz no quadro da escola, a palavra preferida, a lágrima imóvel no olho, antes da queda, antes de prender o fôlego. É o sopro do cisco e o jeito na franja. É o beijo na costela e os planos. A falta deles e o improviso. Amor é o que se tem por baixo dos panos. É o que se dá ao outro. A impressão do carinho na pele. Amor é o que cola.

O amor é indefinido porque é tanto. É tudo.
Podendo ser ainda mais. 



Let Love In
You wait
Wanting this world to let you in
And you stand there
A frozen light
In dark and empty streets
You smile hiding behind
A God-given face
But I know you're so much more
Everything they ignore
Is all I need to see

You're the only one I ever believed in
The answer that could never be found
The moment you decided to let love in
Now I'm banging on the door of an angel
The end of fear is where we begin
The moment we decided to let love in

I wish
Wishing for you to find your way
And I'll hold on for all you need
That's all we need to say
And I'll take my chances while
You take your time with
This game you play
But I can't control your soul
You need to let me know
You leaving or you gonna stay

You're the only one I ever believed in
The answer that could never be found
The moment you decided to let love in
Now I'm banging on the door of an angel
The end of fear is where we begin
The moment we decided to let love in

There's nothing we can do about
The things we have to do without
The only way to feel again
Is let love in

There's nothing we can do about
The things we have to live without
The only way to see again
Is let love in

You wait
Wanting this world to let you in

You're the only one I ever believed in
The answer that could never be found
The moment you decided to let love in
Now I'm banging on the door of an angel
The end of fear is where we begin
The moment we decided to let love in


Comentários

Keila disse…
Lindo, lindo!
Como é bom ler essas coisas. És uma das minhas escritoras favoritas. Adoro!
BETO disse…
Amor é o que vcs sentem. Desejo mais amor ainda para o casal. Bocão, a felicidade q vc exala é sem precedentes.
BJS

PS. MEDITERRÂNEA DESBOTADA.
Anônimo disse…
Eu sou encantada com as tuas palavras. Sem falar na tua simpatia. Deus te fez linda e te deu luz no coração.
Admiro seu trabalho.
Aline

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…