Pular para o conteúdo principal

quer namorar comigo?


Meu filho pediu a coleguinha em casamento para o pai dela, mas não a pediu em namoro. Convencionou que são namorados. Ela não se opôs e eu quase morri. Contaram-me que ainda se pede em namoro. Eu não vi, mas me contaram que acontece. Há horas não tinha notícia de um pedido de namoro. Assim, formalmente perguntando: Você quer namorar comigo?

Outro dia um casal de amigos comentava que não tinha data para comemorar um ano de namoro, mas que devia ser por perto do carnaval. Passaram a se chamar namorados. A cláusula de exclusividade já tinha sido anteriormente convencionada. Lembro quando ele foi até a praia da Ferrugem. Destemido e decidido a voltar de lá com ela. Ofereci um tacape, um sonífero, um raio de amnésia. Ofereci cativeiro porque duvidei do sucesso, fiz planos de sequestro. Ofereci o ombro amigo caso voltasse despedaçado. Voltaram namorando sem pedido, sem aceite.

Desde sempre não se sabe quando o amor começa. Ou como. Existe um gatilho para amar? Uma bala certeira que nos faz morrer e estar mais vivo do que nunca? Existe um botão de luz que liga o amor? Acredito que não, quando se vê, já se ama porque o amor não tem começo. Quando se vê o amor já te acertou a queima roupa, já violou a pele, já iluminou o rosto, a sala. Já pulou a janela.

Não fui pedida em namoro, fui declarada assim. Convencionamos a data do primeiro beijo como dia de início, não porque nos importe, mas porque precisamos ter uma resposta afiada quando perguntam. Somos cúmplices nesta escolha. Respondemos o mesmo dia por eleição, em votação unânime e sem recurso. Usamos o calendário do celular para lembrar o dia exato.

Neste dia ele me pedia pra não o chamar pelo nome. Dizia “me chama de amor, porque daqui a um pouquinho já vai me amar”. Resisti. Por dois minutos, ou menos. O que é quase impossível diante de uma cara deslavada com ar de deboche de alguém que se declara rei do meu sofá e me faz ameaças.

Certo, amor. E assim foi. Desde o primeiro beijo, ele me chama de amor, eu o chamo de amor. Sem discussões. Se for preciso explicar, prefiro deixar que Clarice faça por mim:

Não me lembro mais qual foi nosso começo. 
 Sei que não começamos pelo começo. 
Já era amor antes de ser.


Não começamos. Apenas fomos, como somos e seremos. Não houve pedido de namoro porque nunca fomos outra coisa.  Ele não perguntou se eu queria ser dele, me pegou pra ele. O amor aconteceu, como não poderia deixar de ser. Adepta de bilhetes que eu sou, escrevi para registrar na primeira camiseta do nosso namoro: “já era amor antes de ser”.

Nunca foi outra coisa. Sempre foi o nosso amor. 




(é a única camiseta que fiz pra mim)


Mesmo que caia chuva lá fora, aqui dentro tem muito sol e saudade. 



SINATRA - SEPTEMBER RAIN

The leaves of brown came tumbling down 
Remember, in September, in the rain 
The sun went out just like a dying amber 
That September in the rain 

To every word of love I heard you whisper 
The raindrops seemed to play our sweet refrain 
Though spring is here, to me it's still September 
That September in the rain 

To every word of love I heard you whisper 
The raindrops seemed to play our sweet refrain 
Though spring is here, to me it is still September 
That September in the rain 
That September that brought the pain 
That September in the rain



Comentários

Anônimo disse…
Desenha, pinta, borda, escreve, é mãe, trabalha, é linda, inteligente, culta e divertida. Você é superdotada! Adoro seus textos, linfo romance.
beijos
Anônimo disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Lúcia disse…
Lindo, lindo, lindo de morrer! Acompanho emocionada, este amor é de encantar.
Beijos carinhosos!
Lucia
Aline disse…
Um dia fui ler um dos teus posts acabei lendo varios seguidos. Um melhor que o outro e você é linda demais. Já é minha escritora preferida.
bjs
BETO disse…
Atesto para os devidos fins que isso é amor.
BETO disse…
SÓ UM DETALHE, BOCÃO: CARNAVAL SEM MÁSCARA, LEMBRA? DUNA DE WI-FI E LIGAÇÃO 4 DA MANHA PERGUNTANDO SE ESTAVA VIVA, LEITURA NA GELADEIRA E PLANOS DE ASSASSINATO. MELHOR CARNAVAL QUE JÁ PASSAMOS NÃO JUNTOS! HUAHUAHUA
QUERO GRANA $$$$ POR USAR A MINHA HISTÓRIA.

BJ

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…