Pular para o conteúdo principal

bem me quer, mas não me quer


Aprendemos a dizer coisas quando a gente não quer, mas quer, sabe? Ontem assisti a cena. Os atores principais eram adolescentes. Um casal bem bonitinho. Ela era expressiva, tinha cabelo preto, olhos pretos profundos, arredondados, cílios de leque e uma boca de coração. Ele loirinho, cabelos curtos, olhos verdes, sardas, magrinho,com a boca mais fina em cima, alguns tímidos sinais da barba que resolveu esperar um pouco mais para crescer. Ele falava, ela acompanhava a boca dele com os olhos, como se lesse as palavras. Ele estava com o corpo inteiramente virado pra ela. Ela só com a cabeça, às vezes nem isso. Apoiava na parede, olhando pra cima tentando impedir as lágrimas de vazarem dos olhos.

Adoro a adolescência, gostei da minha com todas as minhas mortes quase diárias. Morria do café da manhã até a janta muitas vezes. Morria por amores platônicos, romances seguros e inventados. Falecia por todas as minhas não tentativas. Sofri mais por estes do que pelo primeiro namorado.

O menino estava explicando que não queria namorar, mas de um jeito tão apaixonado por ela que uma hora tentou abraçar. Foi repelido pelos dedos longos dela que depois se dedicaram a secar as lágrimas fujonas. Namorados de dezesseis anos se levam a sério. Deveriam, pelo menos. Ouvi ele explicar para ela que o problema era ele, que não queria namorar, mesmo gostando dela. Ela retrucou dizendo que ele era um galinha, porque se gostava dela e não queria namorar, era para ficar soltando penas pela vida. Ele disse que não. Ela disse que então era porque ele não gostava dela. Ele ficou sem argumento. Omitia a verdade. Tentava se convencer da própria mentira. 

Ele gosta dela, esta é a minha sentença. Pelo jeito que tentou um abraço, pelos gestos que tentavam empurrar as palavras, pelo olho que não dava sossego ao contorno doce do rosto dela. Foi atencioso ao retirar um farelo da ponta do nariz dela e um fio de cabelo da boca, preocupado com o conforto das caretas de reprovação. 

Meu veredicto é que não se leva a sério, não leva a sério a experiência, não arrisca. Os amigos devem dizer que é bobagem namorar, os pais devem dizer que é muito cedo e ele preferiu não ir atrás do que quer: ela. Não quer estar ao lado de quem gosta. Ainda não aprendeu sobre felicidade. 

Impressiona a quantidade de pessoas que conheço dispostas a investirem mais esforço para se manterem afastados de quem gostam do que para permanecerem juntos. É mais fácil administrar as frustrações da distância do que as diferenças da proximidade. As desculpas são variadas: quer investir no trabalho, prometeu passar um tempo sozinho, não está num bom momento. Queria entender, meu Deus, no que a felicidade de estar com quem se ama atrapalha? Em que momento da humanidade instituíram essa bobagem generalizada. “Não é você, sou eu”. Calma. Não é assim. É você e esta ideia maluca que ficar longe do amor é melhor.

Por que admitir que o amor melhora é tão ruim? Por que não se admite mudar por amor? Por que o amor não deve trazer felicidade.

Aquele menino ali, tentando convencer a guria de que ele gostava dela, mas não era um bom momento para namorar. Como saber? Como escolher? Por que não tentar? Ele perderá os estudos para o vestibular na grama dos parques da cidade, os bilhetes no caderno, o cinema na tarde, as brigas por causa do futebol, as contas astronômicas dos telefonemas de boa noite. Não sabem mais viver a adolescência. Já são treinados para o desafeto. Sepultam o amor antes que ele tente nascer. Esquecem que o amor já começou. 

E tem gente grande, bem grande, fazendo isso!

Enquanto eu acabava meu café, ela resolveu levantar e ir embora. Ele perguntou alto se podia ligar para ela depois. Ela respondeu “claro que não, te liga”.

Fiquei sentida por um final que nem começou. 
Desligaram o amor. Nem negociaram a conta. 




Mesmo que Mude
Bidê ou Balde

Ela vai mudar,
Vai gostar de coisas que ele nunca imaginou
Vai ficar feliz de ver que ele também mudou
Pelo jeito não descarta uma nova paixão
Mas espera que ele ligue a qualquer hora

Só pra conversar
E perguntar se é tarde pra ligar
Dizer que pensou nela
Estava com saudade
Mesmo sem ter esquecido que

É sempre amor, mesmo que acabe
Com ela aonde quer que esteja
É sempre amor, mesmo que mude
É sempre amor, mesmo que alguém esqueça o que passou

Ele vai mudar,
Escolher um jeito novo de dizer "alô"
Vai ter medo de que um dia ela vá mudar
Que aprenda a esquecer sua velha paixão
Mas evita ir até o telefone

Para conversar
Pois é muito tarde pra ligar
Tem pensado nela
Estava com saudade
Mesmo sem ter esquecido que

É sempre amor, mesmo que acabe
Com ele aonde quer que esteja
É sempre amor, mesmo que mude
É sempre amor, mesmo que alguém esqueça o que passou

Para conversar
Nunca é muito tarde pra ligar
Ele pensa nela
Ela tem saudade
Mesmo sem ter esquecido que

É sempre amor, mesmo que acabe
Com ele aonde quer que esteja
É sempre amor, mesmo que mude
É sempre amor, mesmo que alguém esqueça o que passou




Comentários

Cláudia Cunha disse…
Genial este texto! Exatamente o que penso! Parabéns!
Mari disse…
É impossível não te amar. Sensibilidade, inteligência, elegância, você é shooooow!
Anônimo disse…
Lindaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Anônimo disse…
Maravilhada com seu texto...e apenas digitei tatuagens femininas no google,pq estou querendo fazer uma...e apareceu a sua do infinito! Obrigada pelo presente que foi ler seu texto...foi assim que me senti...presenteada por usas palavras!!!!Quanta sensibilidade!!!Vou visitar sempre!
Tive que fazer como anônimo,pois não tenho conta no google e não tenho muita habilidade com blogs!Até esqueci de ver tatuagens...
Eliana Pierroti

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…