Pular para o conteúdo principal

escada


O impulso de viver traz junto o medo da morte. Nossas evoluções acontecem assim, através do desejo e do medo. São as duas faces da mesma moeda. Um desejo realizado, um medo de perder. Um medo concretizado, um desejo de salvação. Esta é a ideia freudiana do jogo de Eros e Tânatos, impulsos de vida e morte, que leva as pessoas à evolução, que seria uma espécie de subida de escada em busca de uma perfeição, geralmente atribuída a Deus.

Talvez essa ideia tenha sido gerada pela passagem bíblica do antigo testamento, onde Jacó sonha com uma escada ligando a terra e o céu. Lá em cima, Deus. Nos degraus, subindo e descendo, os anjos mensageiros. A escada se transforma, assim, em um canal direto entre o humano e o divino. Subir a escadaria, evoluir, desejar, vencer o medo, tudo para que o ser humano esteja mais perto de Deus.

Este ano, quando fui para Buenos Aires, fotografei várias janelas interessantes. Lindas. Sempre tive adoração, já comentei isso outras vezes. Tenho uma coleção bem gordinha de fotos de janelas que eu tiro por aí. Mas, durante essa viagem, as escadas começaram a me agradar muito. Acho que a foto mais linda que meu namorado e eu tiramos durante a viagem foi numa escadaria perto da Recoleta.

Ultimamente ando parando no meio da rua mais pelas escadas do que pelas janelas. Conto os degraus, aprecio a vista de cima, depois de baixo, elejo meu andar preferido. Gosto daquelas que têm história, jardim de musgo, rachaduras como rugas, imperfeições que o tempo deixou de lembrança.

Rembrandt pintou um quadro chamado FILÓSOFO MEDITANDO. Curiosamente, o filósofo está sentado embaixo de uma escada em espiral. Ele olha perdidamente para as mãos, em frente a uma janela por onde entra toda a claridade da tela, que ilumina apenas ele e a escadaria que vai do chão até o infinito – não se vê o fim. Interessante é que atrás dele tem uma portinhola fechada. A janela está aberta e clara. Talvez ele concordasse comigo sobre a importância de abrir mais as janelas do que as portas! Do outro lado do quadro, uma mulher atiça o fogo na lareira, mas a luz nem se compara com a que entra pela janela.

E a escada ali, em espiral, no meio da tela, posição de destaque. Sem dúvida essa luz que entra pela janela – como eu digo que o amor faz – conduz o filósofo do plano mundano até o infinito e divino, através da escada. As evoluções são alcançadas a cada degrau. A luz divina guiando a subida.

Comentei com o meu namorado, numa dessas noites, que ando viciada nas escadas, tanto ou mais que janelas. E que isso começou com ele, lá em Buenos Aires. No auge da sabedoria que ele tem – e cada dia mais me apaixono por isso – ele me disse que a explicação era muito simples. Sempre adorei as janelas para poder fugir por elas. Agora, não quero mais fugir. Quero ficar e cada hora ser mais feliz. É uma evolução através da escada da vida.

Concordo e complemento:

O amor entrou pela janela. Nós estamos subindo as escadas.
Porque amar é divino. 

Rembrandt, Filósofo na janela.


SIM! SIM! SIIIM! ADORO UM CLICHÊ MUSICAL!

Esperando Na Janela
Cogumelo Plutão

Quando me perdi
Você apareceu
Me fazendo rir
Do que aconteceu
E de medo olhei
Tudo ao meu redor.
Só assim enxerguei
Que agora eu estou melhor.

Você é a escada da minha subida,
Você é o amor da minha vida,
É o meu abrir de olhos do amanhecer,
Verdade que me leva a viver.
Você é a espera na janela,
A ave que vem de longe tão bela,
A esperança que arde em calor,
Você é a tradução do que é o amor.

E a dor saiu;
Foi você quem me curou.
Quando o mal partiu
Vi que algo em mim mudou
No momento em que quis
Ficar junto de ti
E agora sou feliz,
Pois lhe tenho bem aqui.

Você é a escada da minha subida,
Você é o amor da minha vida,
É o meu abrir de olhos do amanhecer,
Verdade que me leva a viver.
Você é a espera na janela,
A ave que vem de longe tão bela,
A esperança que arde em calor,
Você é a tradução do que é o amor.

Quando me perdi
Você apareceu
Me fazendo rir
Do que aconteceu
E de medo olhei
Tudo ao meu redor.
Só assim enxerguei
Que agora eu estou melhor.
Estou melhor!




Comentários

Gabriela disse…
Kukynha, continuas um espetáculo! Minha amiga é a mulher mais inteligente e linda que existe.
VIVI disse…
RUIVA, DE ONDE SAI ESSAS COISAS QUE TU ESCREVE? ADOROOOOO, SUA MUSA!

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…