Pular para o conteúdo principal

estequiometria


Prova de química. Nem barata, nem abismo, nem escuro, fantasma, zumbi, homem do saco ou ambrosia. Eu tenho medo de prova de química. É meu pior pesadelo. Ainda acordo apavorada no meio da noite porque não sei cálculo estequiométrico. Era o meu pânico na adolescência. Fazia-me pensar que se Lavoisier e Proust não tiveram uma péssima morte, mereciam ter. Lenta e dolorosa, como eram os meus domingos antes das provas. Aliás, deve haver uma explicação sobre por que as aulas de química sempre eram nos primeiros períodos de segunda-feira.


Cálculo estequiométrico foi a experiência mais próxima de tortura que eu já tive. No segundo grau uma adolescente tem um mundo para explorar. Vive a experiência de poder voltar para casa depois da meia-noite, de comer sorvete, chocolate e paçoca misturados sem contar as treze mil e quinhentas calorias que têm no pote. Uma adolescente de quinze anos descobre que moletom e tênis é traje adequado para qualquer ocasião, que meninos não são inimigos mortais, que depilar as pernas não é uma obrigação e que – na ausência de uma chapinha – é possível alisar o cabelo com o ferro de passar. Sem falar no primeiro amor platônico, no segundo, no terceiro, nas paixões platônicas semanais. Era muita coisa para pensar. Era muita coisa para viver. E o cálculo estequiométrico ali, me preocupando mais do que espinha na testa.


Cantar Faroeste Caboclo inteirinha era mais fácil do que descobrir quantos mols reagentes tinha a equação. O professor não ajudava nenhum pouco. Além de grosseiro, não tinha a menor didática. Chato, fedorento, seboso. Nunca conseguiu me dar um bom motivo para simpatizar com química. Nunca carreguei uma tabela periódica com a mesma alegria que carregava os dicionários. Era a idade de revirar as prateleiras mais no fundo da biblioteca, censuradas até a oitava série. Química era soprar a tinta da caneta bic no esmalte transparente para pintar as unhas de azul. Ou testar alguma receita bombástica de brigadeiro atômico com plus de leite condensado.


Quando se tem uma matéria chata e o professor é bom, até por consideração há um esforço do aluno. Mas nesse caso, era um festival de desaforos em regra de três: se eu odeio química, a química é um saco e o professor é péssimo, igual a XIS. Neste caso XIS era o mais completo caos! Eu não sabia equilibrar o reagente em excesso, adorava os excessos. Respondi isso numa prova... A correção veio com muitos círculos vermelhos e a seguinte observação do malfeitor: AÇÃO E REAÇÃO, NUNCA ENTENDERÁS A QUÍMICA DAS MISTURAS.


Talvez ele não estivesse errado, nunca entendi. Nunca me fez a menor falta na vida. A minha mistura favorita não depende de entendimento. As massas são cheias de excessos que não impedem qualquer ação ou reação:

Eu mais ele é igual a muita química. E algumas explosões.
Fugimos das fórmulas. 





And I Love You So - ELVIS

And I love you so,
The people ask me how,
How I've lived till now
I tell them I don't know

I guess they understand
How lonely life has been
But life began again
The day you took my hand

And yes I know how lonely life can be
Shadows follow me
The night won't set me free
But I don't let the evening get me down
Now that you're around me

And you love me too
Your thoughts are just for me
You set my spirit free
I'm happy that you do

The book of life is brief
Once the page is read
All but love is dead
This is my belief


Comentários

Janaina disse…
buuuum
explosão de amoooooor.
kkkk
Anônimo disse…
Não sei se tu é mais linda ou se é mais inteligente. Só sei que to com saudade de ti sua magrelita.
beijos Dai

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…