Pular para o conteúdo principal

para onde vão os guarda-chuvas?


Ele sempre soube. Acredito em amores imediatos, acredito em quem ama antes mesmo de perceber que ama. Ele conta que sabia antes que eu soubesse. Na primeira vez que pôde, me apontou equívocos. Corrigiu a direção para onde apontava o meu nariz, me beijou sem permissão. Eu gostei. Concordou que ser livre é diferente de não ter alguém, mas que é escolher ao lado de quem estar. Então eu soube de verdade. 

Jura que já sabia do nosso destino quando me viu em uma foto. Eu juro que acredito. Às vezes ele é mago, vidente, adivinho.

Ele me disse que queria estar comigo. Eu sorri da cozinha até a sala, em todos os degraus da escada. Havia muita luz na noite. A chuva espiava pela janela, curiosa com os assuntos que ocupavam o sofá inteiro. A mão dele grampeou a minha. Nasceram hábitos ali. Ele me cheira ainda igual. Percorre do meu braço ao pescoço com fungadas e suspiros, murmurando palavras que eu nunca entendo o que são. Mas são de amor.

O amor não precisa falar claro, faz assim de propósito para que pergunte. Quer se explicar, quer repetir para reafirmar. Fala em dialeto, fala com os olhos, com a respiração. Desenha com a ponta dos dedos nas costas. Reitera os desejos, depois muda, inova nos carinhos, puxões de orelha. Chama a atenção por detalhes. Não existe sem detalhes. Ele interpreta meus miados e fica mais perto quando pisco os olhos.

Esse amor que vem com a paixão embutida traz nos bolsos o próprio incêndio. Ele precisa ser inflamável. Lareira do inverno. Sol do verão. Sorriso de bom dia e fogo no colchão. É egoísta, não pretende dividir as atenções. Desdenha da lógica das relações, das programações de finais de semana. O corpo veste cola para dormir, na boca, imã. Pálpebra em pétala, cheiro de pele, olhos de espuma do mar, caracóis que se enroscam em espiral onde o vento mandar. É coisa de alma. É devoção. É divino. É insano. É o corpo que harmoniza gosto com sentimento. O abraço de infinito que acontece a cada instante. 

Amar o amor. Amar até o amor que ele dá. Amar depositar nele todo o amor que há. Receber tudo sem cobrar. O amor faz combinar de guardar o filme de um dos melhores beijos. Guardamos não como segredo, guardamos como  cartas de amor que são lidas nas horas de saudade. Somos impacientes, esperando cada passo do segundeiro. Vivemos felizes em sintonia, em sinfonia, em jazz, em rock e um pouco de música brega. O tempo passa estranho, o mundo é diferente, a fé mudou. Reconhecemos nós mesmos um no outro. Nós nos apresentamos, muito prazer. 

 Aprendemos a amar juntos, mesmo longe. Dividimos o céu que nos cobre e todos os momentos. 

Para onde vão os guarda-chuvas? Não sei. O título só é este porque no meio de uma das nossas conversas – e risadas – sobre tudo e nada, ele me sugeriu  “amor, por que tu não colocas o título de um dos teus textos: para onde vão os guarda-chuvas?”.

O amor não faz sentido. Quer dar explicação. 



I Love You, Yes I Do
Dinah Washington

I love you, yes I do,
I want you, yes I do,
I know you know it's true
From the way I look at you.

You love me, yes you do,
You need me, I need you;
That's why I'm never blue
Since I first laid eyes on you.

I guess you knew it from the start,
From the day you took my heart,
You're the one boy I'll always admire.
Darling, you're my guiding star,
I must be where you are,
You set my soul on fire!

I miss you, yes I do,
Must hug and kiss you too,
I'm yours my whole life through!
I love you, yes I do.

I guess you knew it from the start,
From the day you took my heart,
You're the one boy I'll always admire.
Darling, you're my guiding star,
I must be where you are,
You set my soul on fire!

I miss you, yes I do,
Must hug and kiss you too,
I'm yours my whole life through!
I love you, yes I do.


Comentários

Camila disse…
Louise, acabei de chegar de uma noite pessima. Li 2 meses de textos de uma vez só, apaixonante você e seus textos. Tu escreve com inteligência.

Beijos, sucesso.
BETO disse…
Bocuda, está linda esta foto. O texto é a tua cara, pra que título e desenvolvimento igual, vambora arriscar o amor. Sabe o q eu achei aqui? Teu texto daquele almoço antes do natal do ano passado. Te entrego no meu casamento.
bj

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…