Pular para o conteúdo principal

feliz ano novo


A minha casa é cheia de lembranças. Mantém respirando uma porção de passado: a garrafa de cachaça comprada no restaurante feito de osso de baleia, uma foto minha banguela, xícaras que alguém ganhou num bingo, bolachas de cerveja furtadas de viagens, cafeteira com cicatriz, lanterna de barro, boia de navio, talheres de peixe que usávamos nos acampamentos. Casa de praia tem que ter história para contar porque as noites são mais falastronas. Acordo tentando escutar barulho de cigarras, uma vez alguém me disse que era indício de sol e calor. Depois tento escutar o barulho do mar dando bom dia. Onda que quebra na areia é beijo repetido. O mar é fiel ao seu contorno. Não abandona o hábito de esticar a espuma e recolher para repetir eternamente a carícia. E desses momentos guardados, cortados e retalhados é que a vida se faz. Como uma música é o conjunto de notas, como as estrelas desenham a constelação.

Todo ano que termina deixa costurado na vida mais um pouco da história.

O ano que chega traz um baú de expectativas. Nos meus bolsos tenho os desejos que quero coser. Quero a doçura de sorrisos, abraços felizes e dedos entrelaçados. Quero o cheiro de lençol novo na hora de dormir, banhos de chuva repentinos e noites onde a lua cheia parece uma tela de cinema. Quero guardar a maciez do sofá quando as boas conversas inibem os jornais. A angústia de voltar a ler o livro. Quero o chimarrão embaixo da sombra da árvore, viagens planejadas e desplanejadas que saem conforme o caminho aparece.

Eu quero as garrafas de vinho que suspiram inspiração. As caminhadas sem rumo e as corridas sem contar passos. Quero os momentos em que o coração acelera. E os momentos em que o mundo para.

Eu quero cheiro de bolo de domingo, estrada vazia, sol nascente, encontrar um antigo amigo, brincar de pirata, roubar nas cartas e ter infância. Um ano sem infância é inconcebível.

Quero dizer para as pessoas especiais que elas são. Quero o zelo pelo outro, o companheirismo, a fidelidade, a certeza, o sim, a bondade e a educação. Quero ver estampada a fé. Quero a crença da palavra e a atitude da decisão. Quero o momento da água gelada no calor, do afago de surpresa, do vento insistente, de perder o fôlego de rir sem entender a piada. Quero aquelas horas do dia em que tudo é amarelo. Quero despertar emoção, doar a quem precisa, cobrir os pés do meu filho no inverno. Eu quero guardar os momentos em que a mágica acontece no instante da respiração. Quero tocar moeda no poço dos desejos para desejar mais.

Quero um ano que já comece íntimo. Que fique à vontade. Quero costurar na minha vida os retalhos mais doces da memória e as pessoas que eu mais amo.

Que o ano traga a liberdade dos sorrisos. 


(é bom lembrar deste poema todos os anos, o ano todo) 







Blackbird singing in the dead of night,
Take these broken wings and learn to fly.
All your life,
You were only waiting for this moment to arise.

Blackbird singing in the dead of night,
Take these sunken eyes and learn to see.
All your life,
You were only waiting for the moment to be free.

Black bird fly, black bird fly
Into the light of the dark black night.

Black bird fly, black bird fly
Into the light of the dark black night.

Blackbird singing in the dead of night
Take these broken wings and learn to fly.
All your life
You were only waiting for this moment to arise
You were only waiting for this moment to arise
You were only waiting for this moment to arise

Comentários

Carlos disse…
Feliz 2013, sua... KUKY!
Rafaela disse…
Lou, 2013 começou para mim como voce me ensinou a fazer, rezando para agradecer por todas as coisas que passaram, com as quais aprendi. Amo os posts de ano novo, tua inteligencia, amizade e simpatia. Tudo de bom, que seja um ano insuperável de felicidade, sucesso e realizações.

BJK
Cármen Quadros disse…


Que o Novo Ano aumente tua inspiração e que continues a nos brindar com a tradução da emoção através de palavras que acariciam a vida.Que em 2013 sejas muito mais feliz e continues a espalhar sorrisos e alegria de viver.

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…