Pular para o conteúdo principal

simpatia para parar de chover


Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.

Por isso aprendi várias simpatias!

Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.

A avó do meu amigo Felipe, Dona Santa, era uma enciclopédia de que santo fazia o quê. Lá por mil novecentos e noventa e alguma coisa nós organizamos uma festa junina. Choveu na véspera, óbvio. Perguntei para Dona Santa se São João e São Pedro tinham alguma rixa. Não conheço festa junina sem chuva. Ela disse que não sabia de nenhum desafeto entre os santos e me ensinou uma simpatia para cessar a chuva.

Tem que estender um lençol branco no varal e repetir três vezes: Santa Clara clarear, Santa Rita iluminar, São José faz sair o sol para secar o meu lençol. Tive problemas com esta simpatia também. Primeiro que no apartamento da praia não tem varal na rua, tem no máximo um estendedor de roupas de alumínio, desses de abrir. Segundo, que descobri que não havia um lençol branco. Porém, considerando urgência e certo desespero nas férias de 2009, estendi uma corda – que minha mãe nunca sonhe com isso -, comprei um lençol branco avulso e lá fui eu para o varal. Santa Clara clarear, barbada. Mas e os outros santos? Quem eram? O que faziam? De onde vinham e do que se alimentavam? Não lembrei do resto da simpatia. Falei três vezes assim: Santa Clara clarear e todos os outros amiguinhos me ajudem a ter sol pra secar o meu lençol. Funcionou!

Mas a minha simpatia favorita ainda é a do ovo... Na faculdade, último semestre, faríamos uma festa de 100 dias para arrecadar fundos para a formatura. Na véspera não chovia. Caía água de balde do céu. Daí a Fabi, líder da turma, aprendeu sei lá com quem que colocando um ovo no muro e pedindo para Santa Clara clarear o céu. Fizemos e funcionou, festa dos 100 dias com céu estrelado!

Há um ano as minhas férias iniciaram com um lindo sol. No segundo dia, a praia foi alagada. Choveu muito. Coloquei um ovo no muro da sacada. O meu despretensioso amor veio tomar um vinho à noite. Colocou um ovo no muro ao lado do meu e me furtou um beijo. Furtou-me abraços, melhores momentos, risadas e juras de eternidade. Ganhou a exclusividade do meu sofá. Entreguei-lhe meu testamento afetivo em vida.

No dia seguinte parou de chover.

Alguém sabe me dizer se Santa Clara é muito amiga de Santo Antônio? 




I'm singin in the rain
Just singin in the rain,
What a glorious feeling,
and I´m happy again.
I'm laughing at clouds
So dark, up above,
The sun´s in my heart
And I'm ready for love.

Let the stormy clouds chase.
Everyone from the place,
Come on with the rain
Have a smile on my face.
I'll walk down the lane
With a happy refrain
Just singin
And singin in the rain.


Comentários

Carlos disse…
Acho que as tuas simpatias funcionam...
Terminei de ler o post e abriu o maior sol aqui em Forno Alegre...
Se os 50 graus voltarem pego os ovos, o lençol molhado e a caixa de sabão em pó e...

Não entendo muito de Santos (não conta pra ninguém, mas não acredito neles como milagreiros), mas acho que a Santa Clara era a amiga do São Chico de Assis...
BETO disse…
Bocão, devemos mil pulos para sao Longuinho.

Postagens mais visitadas deste blog

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…