Pular para o conteúdo principal

regra do mega ludo


Nem Campeonato Brasileiro, nem Gauchão, muito menos Olimpíadas ou Copa, os jogos mais impressionantes da vida acontecem nas férias. As jogatinas noturnas – preferencialmente com taças de vinho em cima da mesa – fazem troça do impossível. Não duvido mais nada dos tabuleiros. Confio em todos os acasos. Os dados de verão são treinados por magos. Os peões têm pó de fada! 

Eu estava sentada apreciando uma tacinha de vinho na noite quando o meu namorado surgiu com cara de quem queria aplauso. Jeito sapeca sem qualquer intenção sexual. Tirou das costas um copinho de general e um tabuleiro de mega ludo (descobri que não é ludo). O copinho era apenas um guardador de pecinhas e dados. Mal perguntou se eu queria jogar, foi dispondo as torrezinhas, explicando as regras, me cedendo um dado. Jogamos três vezes nessa noite. Ganhei duas. 

Assim foram seguindo as nossas noites de jogatina. Eu tenho uma baita sorte, ele se irrita. Eu ganho, ele me lança raios com o olhar. Mas se ele ganha, tripudia. Exalta a vitória, quase posso ouvir trompetes tocando no campo de batalha. 

No meio dos lançamentos dos dados e nas caminhadas das pecinhas, conversamos sobre tudo. Há pausas para beijos rápidos e demorados, nos fazemos carinho. Adversários podem ser cúmplices, desde que isso não mude as regras do tabuleiro. 

Faltavam apenas três casinhas para a última peça dele entrar no túnel que leva à vitória. Em três casinhas todas as peças estariam seguras esperando só algumas jogadinhas certeiras do dado. Tirei seis na minha vez, pela regra, jogo de novo e enquanto movia a minha peça – um bravo peão azul, destemido pulando de casinha em casinha – ele me perguntou: “amor, tu me ama?” Sorri para ele, respondi que sim, comi a peça que estava quase dentro da casinha e mandei de volta para o início do jogo. 

Pronto. Crise conjugal. 

- Por que você fez isso?
- É o jogo, amor!
- Não... você disse que me ama e comeu a minha peça, nem deu bola para o sentimento!
- Amor, é o jogo... Mas te amo! 
- Que bicho triste é mulher!!! Diz que ama o cara e sai devorando as peças. 
- O que tu queria que eu fizesse??? 
- Se fosse eu, não comeria a tua peça, muito menos no meio de uma declaração de amor! Tu disse que me amava, olhando dentro dos meus olhos e com a mão foi lá e detonou a minha peça, acabou com o meu jogo! Ama, mas né... jogo é jogo.
- Sim... quer dizer, não. Mas... Sim, ai, sei lá, amor, eu te amo, mas comi a tua pecinha. 

E lá foi o homem mais magoado do mundo jogar, demorou um tempo para conseguir sair com a peça comida de volta para o jogo. Porém, foi veloz como um lince para alcançar a minha quando faltavam dois quadrinhos para entrar no túnel. Ele estava quatro casinhas atrás do meu peão quando tirou um seis. 

Olhei para ele com ar angelical. Sorri. Pisquei rápido os olhos em sinal de paquera. Passei a ponta dos dedos no antebraço. Lá foi ele contando, voraz para mandar a minha peça para a casa no longínquo outro lado do tabuleiro. Interrompi para perguntar se ele me amava, fiz jeito languido e forcei um olhar de Capitu. Quase ofegante pela vingança, afoito pelos dois passos que faltavam, ele comeu a minha peça para depois responder:

- Muito! 

Implacável adversário. Estufou o peito, me beijou e sorriu reforçando de maneira doce que me ama. Outra vez me beijou e fez carinho, correspondendo ao meu. Recolhi os braços, o olhar de Capitu, o ar angelical e o dado para jogar já que era a minha vez. 

Nova regra do jogo: apenas ame depois de comer todas as peças do adversário. 


Suspicious Minds
We're caught in a trap
I can't walk out
Because I love you too much baby

Why can't you see
What you're doing to me
When you don't believe a word I say

We can't go on together
With suspicious minds (suspicious minds)
And we can't build our dreams
On suspicious minds

So, if an old friend I know
Drops by to say hello
Would I still see suspicion in your eyes

Here we go again
Asking where I've been
You can't see these tears are real
I'm crying (these crying)

We can't go on together
With suspicious minds (suspicious minds)
And we can't build our dreams
On suspicious minds

Oh, let our love survive
Or dry the tears from your eyes
Let's don't let a good thing die

When honey, you know
I've never lied to you
Yeah, yeah

We can't go on together
With suspicious minds (suspicious minds)
And we can't build our dreams
On suspicious minds

We're caught in a trap
I can't walk out
Because I love you too much baby

Don't you know

Why can't you see
What you're doing to me
When you don't believe a word I say

Don't you know

We're caught in a trap
I can't walk out
Because I love you too much baby

Don't you know

We're caught in a trap
I can't walk out
Because I love you too much baby

Comentários

Carlos disse…
Ta!
E aí? Quem ganhou???
BETO disse…
Contou que vc rouba em todos os jogos??????

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…