sábado, 19 de janeiro de 2013

toque


Somos teimosos. Insistimos na proximidade um no outro.

Somos do tipo que anda lado a lado procurando as mãos. Quando andamos pela trilha que levava até a praia, calculamos que o caminho estreito não contemplaria nossos laços de dedos. Andamos em fila indiana, eu colocava as pontas dos dedos nas costas dele. Encostamos um no outro, já é o suficiente. O toque é essencial.

Não precisamos de cama de casal. Dormimos tão colados e enroscados que um berço bastaria. Nosso amor não é compacto, mas cabemos um no outro. Meu endereço é ele.

Quando um casal anda se procurando é porque sempre está disposto a inovar caminhos para o mesmo lugar. Às vezes eu gosto de beijar do pescoço até a boca. Às vezes ele me diz que nem sabe por onde começa enquanto me puxa para perto.

Perto: por definição minha, o melhor início.
Por definição nossa, prioridade.

Mais bonito que estar no destino um do outro é ser o destino um do outro. Numa tarde ele me beijou os cotovelos enquanto conversava. Quando ele está agitado, fala e caminha, gesticula. Acompanho com os olhos para juntar o corpo dele na minha retina. Inspira meus desenhos para que ele fique junto dos meus rabiscos.

Quando viajamos para o Rosa levamos as pranchas entre nossos bancos. Era complicado o toque, impossível a visão. Na primeira parada as pranchas foram reorganizadas e eu viajei encaixotada com elas na cabeça para que pudéssemos estar perto. Precisávamos nos ver rindo das piadas no caminho, olhar nos olhos para as declarações de amor. Impossível percorrer quatrocentos quilômetros sem dividir suspiros. Nosso carinho nos alimenta. Deixamos de almoçar, mas nunca esquecemos o cafuné. Levamos as pranchas para a lagoa, nadamos juntos até o meio, dividimos a paisagem com os pés enroscados. Mergulhamos nos olhos um do outro e nas ondas no mar.

Nosso toque não tem fim. É instintivo.

Um casal que se busca com essa teimosia não insistirá na distância. Insistirá na proximidade. Precisamos respirar o mesmo ar. Precisamos estar à distância máxima dos braços. O espaço perfeito é um abraço. Nosso mundo cabe em nós. E em laços de dedos. 







Meu amor é teu - Marcelo Camelo

Meu amor é teu
Mas dou-te mais uma vez
Meu bem
Saudade é pra quem tem

Meu amor é teu
Mas dou-te mais uma vez
Meu bem
Saudade é pra quem tem

Todo o teu amor
Eu vi de longe
De longe...
Dava pra sentir o teu perfume
Eu juro...

Meu amor é teu
Mas dou-te mais uma vez
Meu bem
Saudade é pra quem tem

Todo o teu amor
Eu vi de longe
De longe...
Dava pra sentir o teu encanto
Eu juro...

Meu amor é teu
Mas dou-te mais uma vez
Meu bem
Saudade é pra quem tem

Meu amor é teu
Mas dou-te mais uma vez
Meu bem
Saudade é pra quem tem


4 comentários:

Mari disse...

É amor lindo demais este de vocês. Está na cara que se amam.
Beijo.
Lindo post!

Claudia disse...

Adoro ler você.
Beijos, Claudinha

Anônimo disse...

Continuas escrevendo e vivendo com a alma livre. Pés são para quem caminha. Tu crias, por isso voarás eternamente.
Que seja eterno o amor e a felicidade.

Beijos da tua orgulhosa professora Carmem.

Cármen Silvia Quadros disse...

Reivente -se, crie momentos de plenitude e alegria.Sonhe, realize, encante e faça da vida sua felicidade.
Isso sabes fazer lindamente através de teus belos e emocionantes textos.Bjs