Pular para o conteúdo principal

ímpares em par


Jamais perguntei o nome dele. Imaginava ser um, torcia para não ser outro. Ele nunca me perguntou quem eu era, o que seria absurdo demais. Nada disso jamais interessou. Dispenso o nome porque chamo por apelidos, escrevo para ele por desenhos. Às vezes, nem isso precisa. Suspiro, ele vem. Levanto os olhos e ele invade a linha do horizonte, faz sombra na minha areia para violar a privacidade das minhas confissões. Ele não quer saber quem eu sou porque prefere descobrir, me inventar, me supor, me modificar e recriar conforme bem entende. Sou permissiva.

As pessoas são ímpares. Os casais são formados por dois ímpares. Ao nosso modo, somos únicos. Ao nosso modo, em especial, somos loucos um pelo outro. Digo loucos de uma maneira iluminada, como quem sai de casa e deixa a janela aberta para que as manhãs possam invadir o ambiente. Loucos como quem carrega nos bolsos as raízes, mas sai sem rumo, cruza estrada, país, continente. Trapaceamos com os relógios, as bússolas e os mapas. Encaramos um novo dia com fome de felicidade, peito aberto para o mundo, sede de cultura, novidade. Tagarelas, bobos, piadistas, desmedidos, insanos e incendiários. Malucos serenos.

Jung sugeriu que os loucos fossem simbolicamente representados por círculos, como discos voadores. Acredito que cada um de nós guarde naturalmente em si um círculo, porque assim é nosso fluxo sanguíneo. Porque assim funciona nosso sistema respiratório. Somos biologicamente compostos por círculos e ciclos. Toda a criação vem de círculos, do marco zero, do nada. O mundo é circular e por ele costumamos sair sem rumo certo. Marcamos apenas o dia de sair e o dia de voltar, mesmo assim, desobedecemos nosso trato. Nosso plano é não ter planos de viagens.

Quem sai sem destino não erra o caminho. Nós nunca erramos porque inventamos, do nosso jeito louco, a estrada. Apreciamos a paisagem, seguimos em frente, resolvemos dobrar ali, entrar aqui. Ficamos e partimos ao mesmo tempo que brindamos e rimos. E nessas viagens que fazemos, no meio do caminho tocou uma música romântica. Eu disse que queria dançar e o acostamento de um canto do Uruguai virou pista de dança. Carro parado, portas abertas, volume no máximo, rosto colado, vento de estrada, asfalto dividindo um pasto. Amar é a melhor loucura.

Em par nós somos ímpares. Descobri mais que o nome dele. Ele descobriu mais do que quem eu sou. Improvisamos nossas milhagens, nosso chão. Circulamos no nosso mundo. Os loucos podem não conhecer o caminho, mas sempre olham pra frente. Olhamos um para o outro porque este é o nosso melhor destino, nossa melhor viagem. 











APENAS UM PÊ ÉSSE: 
Sobre o amor ser uma loucura e os loucos serem representados por círculo - inclusive no tarot é o número zero - tem muito sentido que as pessoas busquem a metade da laranja. Porque o círculo é uma forma que só faz sentido inteira. Não é como o quadrado que recortado ao meio faz dois retângulos, ou triângulos que fazem dois triângulos. Círculos partidos são frações. Dois meio círculos. É louco, mas faz sentido. 


Crazy Little Thing Called Love
This thing called love I just can't handle it
This thing called love I must get round to it
I ain't ready
Crazy little thing called love
This thing (this thing) called love (called love)
It cries (like a baby)
In a cradle all night
It swings (woo woo)
It jives (woo woo)
It shakes all over like a jelly fish
I kinda like it
Crazy little thing called love
There goes my baby
She knows how to Rock'n'Roll
She drives me crazy
She gives me hot and cold fever
Then she leaves me in a cool cool sweat
I gotta be cool relax get hip!
Get on my track's
Take a back seat
Hitch hike
And take a long ride on my motor bike
Until I'm ready
Crazy little thing called love
I gotta be cool relax get hip!
Get on my track's
Take a back seat
Hitch hike
And take a long ride on my motor bike
Until I'm ready (ready Freddie)
Crazy little thing called love
This thing called love I just can't handle it
This thing called love I must get round to it
I ain't ready
Crazy little thing called love...


Comentários

Priscilla disse…
OBA. Estava com saudade dos escritos de amor com inteligência.
Beijos sua ruiva bocuda liiiinda!
Laura disse…
Bocuuuuuda! Saudade! Vem pra roça. Lindo texto, lindo vocês dois, claro que tu sempre mais e mais e mais e mais linda. Olha só, a vida de casados é muito legal, não engordamos nada, eu aina não sei cozinhar, Gordo matou a horta de tanto molhar e eu estou aprendendo muito sobre gado. KKKK
BEIJOS

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…