Pular para o conteúdo principal

a teoria do cachorro-quente


Querida amiga, desconfie de homem que te leva para comer sushi. Ele pretende pedir você de sobremesa. Com ou sem cobertura de chocolate. A escolha do cardápio denuncia a intenção de um homem.

Um homem que a convida para jantar e leva em um restaurante japonês pretende ter uma noite de sexo. Analise: é uma refeição leve, cuja digestão não dá muito trabalho ao organismo. É extremamente fálico o ato de comer com os palitos, pode ser até sexy.

Da mesma maneira um homem que convida para jantar, se oferece para cozinhar e faz risoto. Ele quer sexo. Homem pensa que fazer risoto é o equivalente ao Viagra feminino. Agradará ao cão, dirá que ama crianças e, se duvidar, ainda lavará a louça enquanto divaga sobre a safra do vinho. Tentará de todas as maneiras impressionar com a única finalidade de fazer amor.

Se o prato for salmão com alcaparras, ele é preguiçoso na cozinha. Mas, igualmente, quer transar depois da refeição. Ou depois da sobremesa, porque é provável que compre um pote de sorvete. Se for sensível à dieta feminina, light. Chamo de preguiçoso o homem que cozinha isso porque não tem erro. Eu enrolo as postas em alumínio, temperadinhas, com as alcaparras, coloco no forno e vou pintar as unhas, organizar os livros, volto em trinta minutos e tudo resolvido. Não requer prática nem habilidade. Muito menos magia. O que não quer dizer que as meninas menos avisadas não se surpreendam quando o macho de plantão apresenta o peixinho.

Quero ver fazer um coq au vin – e não venha com galinha, tem que ser com galo! Quer testar o moço? Peça que ele faça uma matapa com camarões gigantes. Avise que pode caprichar na pimenta. Se ele ligar confirmando a janta, ou resolver encomendar uma pizza, ainda assim terá intenções de pular do pecado da gula direto para a luxúria.

Aliás, se ele a levar em uma churrascaria também estará pensando em sexo. Pastelaria, rodízio de massa, buffet a quilo, casa de filés, fondue, convescote, chimarrão com rapadura, tudo induz aos verdadeiros fins: sexo. Desconfie inclusive do convite para um café ou chá das cinco. Isso independe do tempo do relacionamento ou do grau de intimidade. Namorados ou casados, se ele resolveu fazer um filé estranho com peras e molho madeira, já está pensando em transar. Pensou nisso antes mesmo de decidir se acompanha arroz ou batatas.

Apenas o cachorro-quente é seguro. É sério. Cachorro-quente é quase um método contraceptivo. Um antagonista da catuaba. Antônimo do ovo de codorna. Pior inimigo do amendoim. Cachorro-quente de festa infantil, desses de pacotinho do supermercado ou aqueles que são montados nas carrocinhas, tanto faz. Simplificando, cachorro-quente não leva o homem ao sexo. Esta teoria não é minha, concordo com ela, logo, furtei sem a menor vergonha na cara.

Depois de travar uma batalha gigantesca para vencer a criatura que é uma usina de carboidratos, com seus dentes de vegetais enlatados, milho, ervilha, molhos infinitos, batata palha, condimentos diversos, ingredientes secretos, duas ou mais qualidades de embutidos que teimam em se projetar para fora do pão de modo viril, tudo soterrado por uma movediça camada final de maionese (que sempre acaba pingando na camiseta), o homem estará exausto. E, tendo vencido a batalha, tal qual um bárbaro regressando da Normandia, não desejará a prática carnal.

Precisará agora dos afagos aconchegantes do colo da amada (e uma caneca gigantesca de chá de boldo). 

Café da manhã é isento de qualquer análise! 





Porque eu sei que é amor
Eu não peço nada em troca
Porque eu sei que é amor
Eu não peço nenhuma prova

Mesmo que você não esteja aqui
O amor está aqui
Agora
Mesmo que você tenha que partir
O amor não há de ir
Embora

Eu sei que é pra sempre
Enquanto durar
Eu peço somente
O que eu puder dar 

Porque eu sei que é amor
Sei que cada palavra importa
Porque eu sei que é amor
Sei que só há uma resposta

Mesmo sem porquê eu te trago aqui
O amor está aqui
Comigo
Mesmo sem porquê eu te levo assim
O amor está em mim
Mais vivo

Eu sei que é pra sempre
Enquanto durar
Eu peço somente
O que eu puder dar 

Porque eu sei que é amor 


Comentários

Daia disse…
Da onde sai tanta perfeição? Sou tua fã!
Carlos disse…
Kukynha Amada, vou discordar... Posso?
Bom, então só pra deixar claro...
Logo após os "afagos aconchegantes do colo da amada" e, inclusive, como causa e efeito destes, o Vivente volta seus instintos a sua necessidade básica: Sexo! Com "S" maiúsculo porque qualidade é fundamental!
E, Meninas, não desconfiem que os homens querem levar vocês pra cama... Tenhmam certeza!!! É isso que move o mundo! O "nosso" principalmente!
Ah! E o cardápio do jantar não faz a menor diferença...

Beijo, Kukynha!!

Em tempo: impossível ler este teu texto e não pensar em Biscoito com cobertura de chocolate...

Adorei! De acordo! Ri muito também!bjs
Mari disse…
KUKINHA, MUITO BOM MESMO!

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…