quarta-feira, 27 de março de 2013

proclamas


Antigamente, se você não casava, era visto com maus olhos. Se era homem beirando os quarenta anos, teria a opção sexual questionada pela cidade. Seria chamado de solteirão e poderia, com algum esforço, ser uma lenda. Conheço algumas histórias interessantes que escutei das tias velhas do interior. Hoje as duas são solteironas – oitenta e todos anos – moram com vários gatos e um tio solteirão – oitenta e todos anos. Não sei por que não casaram. Mas cogitei que a genética pudesse transmitir o gene de tempos em tempos, pulando algumas gerações. Já que é para fazer lenda...

Sendo mulher solteira, ganharia na cidade fama de encalhada. Ficaria para titia. Teria investigados os hábitos de péssima cozinheira, bordadeira, dona de casa. Seria taxada de beata convicta caso frequentasse a Igreja. Antigamente, era feio ser solteiro.

Hoje acontece o contrário! Casar complicou tanto que o Cartório envia um manual de instruções. Você precisa de documentos atualizados e duas testemunhas antes mesmo de escolher se adota ou não o sobrenome do marido. E nem pense em pedir os bons préstimos dos tiozinhos que estão lendo o jornal no fim do balcão. Eles não aceitam.

A testemunha tem que conhecer os noivos. Já viu jantando junto? Dormindo junto? Acordando junto? Escovando os dentes? Leve

Os tiozinhos de Cartório que estão lendo jornal só querem saber de uma coisa: o jornal mesmo.

Tudo isso é para fazer os proclamas de casamento. É a habilitação. O nome dos pombinhos vai para o jornal, que nem um aviso: olha, esses dois vão casar. Daí se ninguém surge com um outro casamento pendurado ou outros fatos escabrosos de um passado obscuro, os dois podem casar de verdade. MAS, antes, os dois sofrem bullying. Porque todas as pessoas irão falar que os nubentes podem desistir até a hora de casar. Inclusive a simpática e divertida moça do Cartório. Dirá com sorriso nos lábios carmim: Então o regime ficou separação parcial de bens, assinem aqui, podem desistir até a hora do casamento, aceitam um café?

Na verdade, aceitamos ser marido e mulher. E presentes para a cozinha!!!




3x4
(amo esta música)

Diga a verdade
Ao menos uma vez na vida
Você se apaixonou
Pelos meus erros

Não fique pela metade
Vá em frente, minha amiga
Destrua a razão
Desse beco sem saída

Diga a verdade
Ponha o dedo na ferida
Você se apaixonou
Pelos meus erros

E eu perdi as chaves
Mas que cabeça a minha
Agora vai ter que ser
Para toda a vida

Somos o que há de melhor
Somos o que dá pra fazer
O que não dá pra evitar
E não se pode escolher

Se eu tivesse a força
Que você pensa que eu tenho
Eu gravaria no metal da minha pele
O teu desenho

Feitos um pro outro
Feitos pra durar
Uma luz que não produz
Sombra

Somos o que há de melhor
Somos o que dá prá fazer
O que não dá pra evitar
E não se pode esconder


2 comentários:

Fernando disse...

Atacadora de tiozinhos!

Eliane- cunhada ;) disse...

Ahhh.. senti uma pontinha de inveja na funcionária do cartório...vai ver ela tá com medo de ficar solteirona... hahahaha

Pior ´que tem isso mesmo... e solteirona que se preze tem que morar num apto térreo, com janela para rua, claro, para observar a vida de quem passa... tem que ter muitos gatos (concordo contigo), um piano com um guardanapinho de crochê enfeitando, e deixar a casa sempre na penumbra. ;)

Queremos saber onde tem lista de presentes... ou faz a lista e nos manda.. Beijos!!