Pular para o conteúdo principal

os chamados - capítulo dois



II – socorro

Somos três pessoas morando em um apartamento. Três pessoas e um gato. Ninguém é muito bagunceiro, mas depois de semanas de mudanças, caixas, sacos e sacolas, era fácil praticar corrida de obstáculo pelos cômodos. Tratei logo de liberara o percurso até o banheiro, por motivo de logística – e segurança noturna. A verdade é que banheiro & lavabo eram as únicas peças da casa com real habitabilidade, se é que o termo existe. Todavia, porém, contudo e outras conjunções do tipo, não tenho verdadeiros amores pelo banheiro. Gosto mesmo é da cozinha. Uma outra hora escrevo só sobre a cozinha, se é que já não fiz. 

É que a esta hora da noite, depois da segunda taça de vinho branco – por motivos de clareamento, por motivos de dentes brancos e reluzentes nas fotografias -, apenas não me lembro. Mas lembro-me que a cozinha está um belíssimo caos. Digo belíssimo porque é divertido. Ainda não temos armários. Então todas as coisas de cozinha, do garfo até a massa, do liquidificador até a panela elétrica, do moedor de pimenta até o pote plástico, estão lindamente guardadas em caixas plásticas. O que me consola é que temos uma horta com pesto fresco a qualquer momento do dia!

Na verdade, meu consolo é bem maior que este, mas o drama exige uma bengala. No caso, o manjericão. 

Voltando ao grito aos meus chamados. Na quarta-feira chamamos uma faxineira, que organizou uma parcela da baderna como bem entendeu. No sábado veio outra, que guardou tudo e reorganizou do jeito que melhor achou, inclusive meu cesto improvisado de roupa por passar. 

Ou seja, dentro de casa, nada se acha. Tudo está guardado em local incerto e não sabido. É impossível encontrar um prendedor de roupa ou um abridor de vinho. As camisas do meu filho são amigas dos meus vestidos e os meus sapados finalmente conheceram os meus chinelos. 

A solução quando alguém precisa de alguma coisa: gritar por mim. São súplicas de socorro. Eduardo implora pelos lápis de cor. Ico pelas cuecas. Tobias – o gato – mia. Ah, Tobias faz pior, além de miar, costura meus passos enquanto caminho, numa tentativa desesperadora de conseguir atenção, ração, água e caixinha limpa. 

Incessantes pedidos de SOS. Nem o pegador de massa se salvou do sumiço. A própria geladeira virou terra de ninguém, os ovos e a ricota fazem fofoca sobre o iogurte. Até o espinafre foi parar num saco fechado, asfixiado, ainda bem que a claustrofobia não murchou as folhas! 

Aos poucos vou desbravando as gavetas e portas, colocando a minha organização em prática. Todos gritam por mim. Eu poderia gritar pela minha mãe. Mas fiz algo melhor: achei o abridor de vinho e no mercado, as bebidas têm uma baita placa. Todos me chamam, eu bebo vinho branco. 

Tranquilidade e taça cheia: segredos da boa mudança. 
(e do clareamento) 





dentes brancos!




Help, I need somebody
Help, not just anybody
Help, you know I need someone, help!

When I was younger, so much younger than today
I never needed anybody's help in anyway
But now these days are gone, I'm not so self assured
Now I find I've changed my mind and opened up the doors

Help me if you can, I'm feeling down
And I do appreciate you being round
Help me, get my feet back on the ground
Won't you please, please, help me

And now my life has changed in oh so many ways
My independence seems to vanish in the haze
But every now and then I feel so Insecure
I know that I just need you like I've never done before

Help me if you can, I'm feeling down
And I do appreciate you being round
Help me, get my feet back on the ground
Won't you please, please, help me

When I was younger, so much younger than today
I never needed anybody's help in anyway
But now these days are gone, I'm not so self-assured
Now I find I've changed my mind and opened up the doors

Help me if you can, I'm feeling down
And I do appreciate you being round
Help me, get my feet back on the ground
Won't you please, please, help me, help me, help me, oh


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…