Pular para o conteúdo principal

técnica


Dizem que nos cursinhos aprendemos macetes infalíveis. Quer passar no vestibular? Não esqueça que Deus Vê Tudo é a fórmula do movimento retilíneo uniforme. Nem que Sepultura Para Defunto Fresco é a ordem da Tabela de Linus Pauling. E para decorar algumas regras da crase, você ainda pode cantarolar uma musiquinha no ritmo de o cravo brigou com a rosa. 

Há quem ensine macetes infalíveis pra tudo, inclusive, ou principalmente, para a conquista. Ah... o vestibular do amor. Não marque o xis, marque uma flechada no peito, atravesse sem piedade o coração. Esqueça as múltiplas escolhas, a grade de respostas, o tema da redação. Decore apenas o telefone dela!

O flerte, a corte, o xalalá já contam com uma verdadeira equipe técnica. A seleção brasileira está perdendo excelentes treinadores. Amigos trocam figurinhas, desenham organogramas, fluxogramas e treinam jogadas ensaiadas. 

Uma noite dessas fomos a um aniversário, meu marido e eu, sentamos com os amigos da aniversariante. Conversa vai, conversa vem, um deles nos relatou a sua tática preferida de conquista: dançar. O outro que não era nada pé de valsa, confessou que analisa a vítima, digo, a amada, depois faz um elogio. Nada muito óbvio como que-lindo-vestido ou que-sorriso-maravilhoso. Contou que funcionou muito dizer para uma menina que o corte de cabelo valorizava o contorno do seu rosto, que parecia recém cortado. A moça teria ficado encantada, porque tinha realmente acabado de voltar do cabeleireiro. 

Daí eu pergunto, mas e se ela não tivesse cortado no dia? Seria o fim de todas as setinhas, organogramas, fluxogramas e balõezinhos que ele planejou para a conquista? Ele respondeu que tentaria dizer alguma outra coisa, uma coisa inteligente para impressionar a guria. 

E lá vai a minha sugestão, porque eu também sou digna de brincar de técnica. Diga: Sempre Sonhei em Ver-Te. Se isso não for por romance, vale por ser a fórmula do movimento uniforme. 


Falamos a mesma língua!


Posso ouvir o vento passar
Assistir à onda bater
Mas o estrago que faz
A vida é curta pra ver

Eu pensei
Que quando eu morrer
Vou acordar para o tempo
E para o tempo parar

Um século, um mês
Três vidas e mais
Um passo pra trás
Por que será?
Vou pensar

Como pode alguém sonhar
O que é impossível saber?
Não te dizer o que eu penso
Já é pensar em dizer
E isso, eu vi,
O vento leva
Não sei mais
Sinto que é como sonhar
Que o esforço pra lembrar
É a vontade de esquecer
E isso por quê?
Diz mais!
Se a gente já não sabe mais
Rir um do outro meu bem,
Então o que resta é chorar e, talvez,
Se tem que durar,
Vem renascido o amor
Bento de lágrimas

Um século, três,
Se as vidas atrás
São parte de nós.
E como será?
O vento vai dizer
Lento o que virá,
E se chover demais,
A gente vai saber,
Claro de um trovão,
Se alguém depois
Sorrir em paz
Só de encontrar

Comentários

Melissa disse…
O que cativa é todo esse jeito que tu és! Te adoro, amiga.

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…