Pular para o conteúdo principal

armário

Descobri recentemente um livro português que falava sobre psicologia e puberdade. Meu filho ainda está longe dessa fase, mas li rapidinho a versão eletrônica por pura curiosidade com o nome “a idade do armário”. Os portugueses chamam assim a fase da puberdade. Uma das justificativas do livro é, que nessa idade, em que a criança não é mais criança, nem um adolescente, muito menos um adulto, é – sim – qualquer coisa parecida com um extraterrestre. Assim sendo, os pais sentem vontade de prender o pobre esquisitinho dentro de um armário até que passe. Confesso que na minha puberdade não acharia má ideia.

A explosão de hormônios que começa na puberdade só estabiliza quase no final da adolescência, quando o ser pode "sair do armário" e, com proporcional autonomia, decidir seus rumos. Assumir os riscos e as consequências das escolhas.

Na minha antiga casa tínhamos um armário embutido onde guardávamos toda a confusão da casa. Guardávamos também qualquer resto de qualquer coisa que se pudesse precisar a qualquer tempo, leia-se, tralha. Minha irmã e eu inventamos que lá dentro morava o monstrinho da família. De uma certa maneira, não era mentira. Toda a família deve ter um lugar para guardar a desorganização, apenas para tentar organizar. É saudável.

O armário é um lugar mágico. Há quem considere terapêutico organizar closets ou guarda-roupas. Desde quando me mudei, ainda não fiz essa terapia...

Preferi que as roupas e sapatos ficassem à vontade, ocupando o lugar que desejassem. Sem traumas. Volta e meia preciso de um cinto, encontro dentro de uma bolsa. Quero uma calcinha, ela está pendurada em um cabide. O meu armário não é badernado. É exótico. É alternativo. É lado B. 

Dentro do armário guardamos nossos segredos, nossos monstrinhos, nossos defeitos, aquelas confusões particulares, nem que seja numa caixinha dentro da gaveta das meias. Quando Van Gogh pintou “Quarto em Arles”, retratou nas suas vírgulas a ausência do armário. Algumas peças de roupa estavam em cabides na parte de trás da cama. Não me surpreende que tenha sido reincidente em suas internações psiquiátricas. Negar nosso espaço de desordem não significa não ter. 

Ignorar os grilos não faz com que sumam.
(cri cri cri)

Meu marido costuma me repreender porque deixo as portas dos armários abertas. Diz que é meu único defeito. Encaro diferente. Minha teimosia em não fechar as portas é minha falta de talento para esconder meus grilos, defeitos e monstrinhos. Veja pelo lado bom, meu bem, de ti não guardo segredos! Meu armário é minha vida de portas abertas. A mulher que deixa as portas dos armários abertas, escancara a sua história. No meio das roupas bagunçadas, se mostra nua de qualquer pudor. 

Não recebemos visitas dentro do armário, nem no quarto. Recebemos na sala, lugar de trânsito, de festa, da fala alta, da divisão. É a rede social do lar. Dividimos a casa com os amigos até a porta do quarto. Daquela maçaneta em diante, a dobradiça apresenta a intimidade. O armário é a profundeza do inconsciente. 

Tento explicar ao marido, mas o convencimento é quase impossível. Soa a desculpa mal lavada. E mal passada.


O lado engraçado é que dia desses ele fechou todas as portas. Um protesto velado! Quando abri, não encontrei lá dentro meus monstros, grilos ou segredos. 
Encontrei o gato Tobias sonolento no meio da baderna! 



(a vida de casados é divertida demais!!!)





Comentários

Keila disse…
Acompanho o blog desde o começo. E já vi Kuky namorando, Kuky solteira, apaixonada, amiga, aprontando... e agora casada.
Tô adorando os post de casada!

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…