Pular para o conteúdo principal

aprendi na cozinha

Das coisas que aprendi na cozinha – com e sem ajuda. Primeiro: prefiro não ter ajuda. Mas nem penso em dizer isso quando meu marido resolve abrir as tampas. Muito menos quando ele coloca uma mostarda vencida de origem desconhecida no meu molho. A cumplicidade não tem marca. E não sabe cozinhar. Confie no resultado.

Também aprendi que qualquer coisa feita no almoço pode ser transformada em janta das seguintes formas: acrescentando arroz, acrescentando massa ou acrescentando ovo. No último caso ainda se pode optar pela frigideira ou pelo forno. Da mesma maneira os casais que se aborrecem com a rotina podem ousar para requentar a relação. Acrescente mais carinho, acrescente cuidado. Proponha um banho em dupla, uma massagem nos pés ao acordar. Sirva um vinho às três da tarde de domingo, abra a janela e deixe a cidade entrar. Brindem quando os olhares se cruzarem.

Gelo. Comprar um sacão de gelo ocupa lugar demais. As forminhas são uma invenção genial. Porém, a tarefa que eu acho mais complicada e tento o máximo prorrogar é encher aqueles quadradinhos com água na medida certa, caminhar equilibradamente até a geladeira, abrir a porta de cima – sem que caia um pingo no chão – e guardar a forminha. Na infância pensava que o gelo vinha da água por mágica do frio. Depois me explicaram que era um fenômeno da física. O que é importante, porque não há lei da física que mantenha um bom relacionamento sem o exercício do equilíbrio. Não permita que caiam pingos de discórdia no chão do seu relacionamento. Evite os tombos. Mantenha os passos firmes e os olhos na forminha. Não coloque mais água do que o necessário. Saiba a hora de parar. Reconheça que não há necessidade de transbordar em tudo. Se dedique a aprender os limites. Os seus. Os dele.

Aprendi que prazo de validade é uma coisa relativa. Já comi iogurte do mês passado e sobrevivi sem uma cólica. Aquilo que valia até ontem não ficará podre hoje, na virada do relógio. Seja flexível. Não estipule prazos radicais para mudanças radicais. Não peça milagres instantâneos, até o macarrão precisa de pelo menos três minutos para ficar pronto.

Experimentar é um verbo importante para quem cozinha. Prove o sal. Prove o açúcar. Prove a temperatura. Experimente coisas que nunca usou – isso inclui as roupas dele. Experimente a temperatura dele com a própria pele, o sabor. Uma pessoa tem cheiros, cores e sabores que podem render um cardápio digno de banquete.


Ah, mais uma coisa: nunca esqueça de desligar a cafeteira. Não é a cozinha que deve pegar fogo...




Quando eu chego em casa nada me consola
Você está sempre aflita
Lágrimas nos olhos, de cortar cebola
Você é tão bonita
Você traz a coca-cola eu tomo
Você bota a mesa, eu como, eu como
Eu como, eu como, eu como
Você não está entendendo
Quase nada do que eu digo
Eu quero ir-me embora
Eu quero é dar o fora
E quero que você venha comigo
E quero que você venha comigo
Eu me sento, eu fumo, eu como, eu não aguento
Você está tão curtida
Eu quero tocar fogo neste apartamento
Você não acredita
Traz meu café com suita eu tomo
Bota a sobremesa eu como, eu como
Eu como, eu como, eu como
Você tem que saber que eu quero correr mundo
Correr perigo
Eu quero é ir-me embora
Eu quero dar o fora
E quero que você venha comigo

Comentários

Keila disse…
Adoro ler teus textos.
Anônimo disse…
Sua perfeição!!!!!

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…