Pular para o conteúdo principal

joelho




Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010. 

Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.  

“Jura" - ele deve ter perguntado. 
“Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido. 

Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação. 

Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.  E, como é uma parte que mexemos o tempo todo, demora um monte pra sarar. Sempre tem aquela tia que diz que quando casar passa. 

Aliás, pedidos de casamento são feitos de joelhos. Assim como rezas, pedidos de perdão, cerimônias da liturgia cristã. 

Na acupuntura, os joelhos têm pontos importantes relacionados com a vesícula biliar. Ontem, ouvi um relato sobre uma dor incurável no joelho, cujos tratamentos não surtiam efeito algum até o diagnóstico de pedras na vesícula. Com o tratamento adequado, se foram as pedras e o incômodo no joelho. A vesícula é responsável por desintoxicar o organismo. Todas as toxinas de gorduras solúveis no nosso organismo são quebradas pelo fígado e excretada na bile. Eu sou péssima em fisiologia, mas já li em algum lugar que a vesícula biliar e o músculo poplíteo estão conectados por um dos meridianos. 

Diz o Nei Ching – o livro clássico do imperador amarelo, que a vesícula biliar rege as decisões. Então, a indecisão prejudica os joelhos. Por isso, jurar pelos joelhos é honesto. Jurar pelos joelhos, ainda que eles sejam feios, é atestar a certeza. 

Com exceção da feiúra, os joelhos são como o amor. 

Juntam-se os medos, as preocupações, os desejos e os sentimentos. Dói a articulação, se apela à medicina. Raio X, ressonância, densitometria, cirurgia, fisioterapia. A dor de amor é um pouco mais complicada, se recorre ao chá, ao Rivotril, ao vinho, ao Plasil, às amigas, à poesia, à Turma do Funil, ao ex, ao WhatsApp, à cartomante, à astrologia e à moedinha do cara e coroa. Nada resolve. O risco é mais um tombo e uma nova cicatriz. Onde? De preferência nos joelhos. Se não for fatal, pelo menos é poético. 

Se for fatal, que seja eterno. 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…