Pular para o conteúdo principal

invente, tente

Uma pessoa tem direito a ser preguiçosa. Tem direito ao ócio. Tem direito à inércia. A prática do nada não precisa ser um pecado. Pecado é escolher o momento errado da preguiça, é deixar de lado a dedicação onde se requer capricho. Alguns terrenos da vida são adubados com o empenho, apenas assim vingarão e darão bons frutos.



O amor é um caso onde toda a preguiça será castigada. A conquista exige ação, o que não é novidade e é muitíssimo mais singelo do que parece. Enganam-se os pensam que o amor exige gigantescos atos de bravura. O maior desafio é admitir, permitir o sentimento, ser sincero. Um dos momentos mais engraçados da minha vida foi confessar que sou romântica. Romântica não clássica, mas sou. Um pouco torta. Não convencional. Bom, sobre isso eu – juro – escrevo outra hora, não quero desviar o assunto. Amor é caso de arregaçar as mangas. É caso de demonstração ainda que sutil. Atenção diferente. Um olhar mais carinhoso onde a pupila entrega: oi, eu gosto de ti. Ou um sorriso desconcertado, desenhado sem querer. Gostar de alguém é sair do comum. É tratar diferente e diferente para melhor. Tratar não indiferente.



Gostar de alguém requer demonstração. Cultivam-se bons vínculos com esses caprichos. Fazer um agrado, deixar um recado, ser atento, observar. Admiro quem se dá conta disso. Despir-se da apatia emocional é uma habilidade adquirida com a prática. Envolver a pessoa naquilo que lhe agrada, não apenas para conquistar, mas porque a pessoa merece. Por quê? Porque é especial, ora bolas, ou por que despertaria algum interesse? Alguém que me faz corar e ficar sem jeito merece se sentir bem. Merece receber de mim atitudes de felicidade. Um abraço com um carinho a mais já me delata.



Eu sou facilmente denunciada. Capricho mais com quem eu gosto. Ainda que eu tente ser mais discreta, não consigo. Se eu tento dizer que não, proclamo o caos. Sofro de gagueira paixonítica. É uma síndrome rara de equação simples: apaixonei, neguei, gaguejei. Pronto! Resta rezar pra ser tragada pela terra, momentaneamente, claro.



Mas não é de hoje que amor e dedicação andam juntos. Quando as pessoas estão dispostas a um relacionamento, a fase da conquista nunca acabará. Serão criados códigos sucessivos entre o casal. Há sempre o que ser descoberto. Há sempre o que ser inventado. Não existe limite quando as pessoas estão dispostas a se divertirem juntos – e a vida a dois pode ser bem divertida. As regrinhas entre os dois surgem e desaparecem. O amor vai encontrando com o tempo a sua maneira de viver. O amor não morre com a rotina, morre de inércia.

Eros, na mitologia, se apaixonou por Psiquê. E ela se apaixonou por ele sem nunca ter visto o seu rosto. Todos os dias, apesar da rotina (porque só se encontravam à noite), o casal descobria maneiras de manter vivo o amor. A conquista era constante, dependente dos atos caprichados.



Estou cada vez mais convicta que os amores não morrem de morte natural. Amor morre mesmo de tanto faz. Causa mortis: indiferença, apatia e preguiça.



Amar é verbo em movimento: ação!

 
Observar também é reconhecer. Saber o que vale a pena não desperdiçar.
Acho tão bonito quando as pessoas querem se conhecer...
Convite pra tomar uma água, um chá, um suco, comer um doce. É... é bem bonito! =-)
 
 
RECADO DADO É RECADO ENTREGUE:
 
Quis evitar teus olhos



Mas não pude reagir


Fico à vontade então


Acho que é bobagem


A mania de fingir


Negando a intenção






Quando um certo alguém


Cruzou o teu caminho


E te mudou a direção






Chego a ficar sem jeito


Mas não deixo de seguir


A tua aparição






Quando um certo alguém


Desperta o sentimento


É melhor não resistir


E se entregar






Me dê a mão


Vem ser a minha estrela






Complicação


Tão fácil de entender


Vamos dançar,


Luzir a madrugada


Inspiração


Pra tudo que eu viver






Quando um certo alguém


Cruzou o teu caminho


É melhor não resistir


E se entregar






Me dê a mão


Vem ser a minha estrela






Complicação


Tão fácil de entender


Vamos dançar,


Luzir a madrugada


Inspiração


Pra tudo que eu viver


Que eu viver






Quando um certo alguém


Desperta o sentimento


É melhor não resistir


E se entregar

 
(CERTO ALGUÉM - LULU SANTOS)
 
 
 
 

Comentários

Carlos disse…
Toc! Toc!
Tem Alguém Apaixonada aí?
just KUKY it disse…
Ainda não, mas receptiva...
Keila disse…
Ah Kuky, amei o post. Concordo muito com os argumentos.
Adoro a música também.
Anônimo disse…
Bocuda, eu sei o que vc escreve sem escrever. Prepara os guardanapos para a mijada no almoço. bj, amo vc.
BETO

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…