Pular para o conteúdo principal

clericot

(da série contículos)

É divertido quando duas amigas saem para beber e jogar conversa for a. O bar mais movimentado da cidade estava muito cheio, para variar, as duas chegaram meia hora depois do horário combinado. “Ah, o trânsito infernal”. Mentira... uma ficou fazendo chapinha, a outra procurando os brincos favoritos dentro da bolsa.

 
Sentaram nos banquinhos altos do balcão enquanto esperavam vagar uma mesinha numa área nobre do bar. A moral da história era ver e serem vistas. Pelo menos notadas!

Pediram uma jarra de clericot.

- Tem como não colocar abacaxi??? Obrigada!

- Tu sempre implica com abacaxi...

- Sim, odeio. Abacaxi não é fruta, é praga!

 
E chegou a jarra. Clericot de vinho branco, uma infinidade de kiwi, manga, morango, uva, maçã e nenhum abacaxi pra contar história. Bem geladinho. Palitos. Tacinhas.

 
- Sabe o que eu queria, amiga?

- Batatinhas?

- Não, um namorado...

- Com cheddar?

- Quê?

- Batatinhas com ou sem cheddar??? (olhando o cardápio)

- Nada de batatinhas. Nada de cheddar. Não viemos comer... viemos beber e conversar.

- Certo! Sem batatinhas e sem cheddar. Mas o que tu queria mesmo? (chamando o garçom)

- Um namorado.

- Não tem no cardápio! Hehehe

- É sério. Obrigada, moço, não queremos nada, não...

- Não é sério. É inverno. Se estivéssemos em dezembro, tu irias fugir de qualquer compromisso.

- Não, amiga, ainda que fosse carnaval! Quero um namorado. Cansei dessa vida mambembe. Quero um porto seguro, dividir meu pacote de pipoca, alugar DVD, ficar em casa sexta à noite, ter pra quem ligar... quero amar e ser amada.

- Entendo... (completando as taças)

- Cansei de ficar com os caras errados. Eu sou tão certinha, sou para namorar! MAIS que isso, eu sou para casar!

- Assim não dá certo...

- O que não dá certo?

- Tu, certinha. Quer o cara certinho... não dá certo. Certo com certo, não dá. Errado com errado também não. Um tem que ser o certo e o outro, o errado!

- Não seja boba, claro que dá certo! Eu já fui certinha com namorado certinho e era bom. Era perfeito.

- E o que deu errado?

- Não sei... eu implicava demais. Ele era ciumento. Desgastou.

- Viu?! Um precisava ser o errado!!!

- Tu é certinha?

- Eu sou o tipo certo de pessoa errada.
 
E vem o garçom: Meninas, vagou uma mesinha ali na frente, vocês ainda têm interesse?

E as duas se mudaram de mala e cuia. E taças, frutas, palitos, clericot para uma mesinha. Pronto, podiam ver. Seriam vistas.

- Pela mãe do guarda, não olha pra trás!!!

- Por quê??? (se virando)

- Eu disse pra não virar... meu ex-ex-ex-Léo!

- Ele está aqui?

- Aqui? Não, pior, ali!!!

- O que tu quer fazer? Quer ir embora?

- Não, quero mais clericot. Dá uma virada discreta agora, vê se ele está acompanhado...

- Por que tu não olha? Tu está de frente.

- Tem um pilar, preciso me inclinar na cadeira, não posso dar bandeira. Aqui ele não me vê!

- Tem uma guria com ele. (pediram mais uma jarra)

- Do lado? Na frente? Estão de mãos dadas?

- Shhh, fica quieta... deixa eu ver!

- Se eu falo, tu não consegue ver?

- Não, besta! Hahahaha

- E então, 007? Daqui só consigo ver meio-ele sem me inclinar.

- Ela está do lado dele, mas não estão de mãos dadas.

- Ih, então, F***U! (chegou o clericot)

- Mas eles não estão de mãos dadas, isso é bom, sinal que não ficaram. Não estão juntos. Tu quer que eu passe por lá e derrube alguma coisa nela?

- Nããão!

- Nele?

- Muito menos!

- Posso grudar meu chiclé nela. Ou nele.

- Não, não, em ninguém!

- Quer que eu vá lá e faça um escândalo “Leonardo, seu cafajeste, eu em casa cuidando dos nossos 6 filhos, lavando roupa, engomando a gola das tuas camisas e tu aqui, com essa bisca!”

- Hmmm... dessa ideia eu gostei! Mas melhor não... hahahaha

- Ela é bonita!

- Tu quer morrer???

- Não mais que tu...

- Tu quer me matar???

- O que eu fiz agora?!

- Tem abacaxi nesse clericot!!!

- Quer que eu peça pra trocar?

- Relaxa. Eu palito tudo pra fora. Vou fincar pedacinho por pedacinho pra descarregara a raiva.

- Olha lá... ela ta levantando pra ir ao banheiro. Nossa, que magra, além de bonita é alta, elegante...

- Chega! Quer casar com ela?!

- Não... vou no banheiro também. Já aproveito e verifico mais de pertinho!
 

Enquanto esperava a amiga voltar do banheiro com informações precisas, fincava cada pedaço de abacaxi da jarra e das taças. Xingava cada um, espiando de canto de olho o ex-ex-ex, sentado sozinho na mesa. Pensou seriamente em ir sentar na cadeira vaga “Oi, está ocupada essa cadeira? Posso me sentar contigo?”. Mas pensar em uma resposta do tipo “Sim, está ocupada pela minha futura mulher linda, elegante, alta e magra”, fez desistir muito rápido. Algumas ideias vão embora mais rápido do que vieram. Fim dos abacaxis! E voltou a amiga espiã de banheiro.

- Neeeem te conto!

- Ok, não conta... não quero mesmo saber!

- Ela fez xixi em pé.

- Como assim em pé???

- Ela tem tico!

- ...

- Amiga, sério. Fez xixi em pé e nem baixou a tampa. Ouvi um barulho do jato muito longe. Daí espiei no vão da porta. Ela tava em pé, fazendo xixi! Ela tem tico.

- Estou em choque. Será que ele sabe?

- Olhando beeem de perto, ela também tem meio que um bigode...

- hahahahahaha

- Sééério!

- Vou chamar o garçom e pedir uma champa... hahahahahaha
 
E tomaram toda segunda jarra de clericot desabacaxizada, conversando, rindo, contando histórias, trocando olhares com os demais. Pediram a conta. Chamaram um táxi. No caminho:
 
- Tu nunca me disse que ainda gostava do teu ex-ex-ex-Léo.

- Não gosto.

- Por que então todo o alarde, o pavor, a curiosidade???

- Nós somos mulheres. Podemos fazer coisas sem justificativas e sem explicações. Vai dizer que não foi divertido?!

- Foi!

- Eu ri muito!

- Olha só... ela não tinha tico.

- O quêêêê?!

Às vezes, girls just wanna have fun!
Às vezes...


Comentários

keila disse…
Adorei o contívulo, muito bom. E as fotos?! Tá cada vez melhor. Linda.

Beijos!!
Lou,
Você devia ser escritora do Sex & the City
Carlos disse…
Kukíssima!
Cada vez melhor!
Ainda compilo tudo isso e mostro a um editor...
Carol disse…
ótimo texto, mulheres agem sem explicação. kkk
Jéss disse…
Adoro os contículos.. ri horrores!
Ótimo texto.
Anônimo disse…
Vai para a ZH menina!!!!!!
artur disse…
HAHAHAHA
Só tu!
Carlos... disse…
CERTOOOO Que era no MUlligan....

E certo que o namorada da menina com tico era o ............

Huahuahauhauhauahuahu!!!!!
Rick disse…
Kkkkkkkkkkkkkkk
Sensacional!
E a foto...
Huuuuuuuuuuuum...
Marcello disse…
Caraca... muito inteligente você, gostei muito do texto e do perfil de seu Blog, parabéns continue nos brindando com estas visões literais de uma mulher magnífica.

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…