Pular para o conteúdo principal

uns e outros

Enquanto chove na rua, aqui dentro faz um baita sol. Quase ninguém entende, mas sentir-se bem é uma arte. E é tão bom... pra alguns pode não ser fácil. Eu, particularmente, não acho difícil. Tenho uma boa capacidade de me dar bem comigo mesma. Comigo e com todas as EU que me habitam. O que não quer dizer que eu seja super conhecedora de mim mesma, às vezes eu sou um enigma. Gosto disso. Gosto de ter as minhas certezas e as minhas dúvidas, das pequenas descobertas, das invenções, das bobagens que eu faço e chego a rir sozinha, sentindo o gosto de uma colherada de insanidade diretamente do pote.

Acho bom ficar sozinha, mais que isso. Acho necessário. Pessoas que não sabem fazer isso, não se conhecem. Agregam nos seus conceitos a opinião do outro. Agregam na sua personalidade uma pitada da personalidade do outro. O que é normal e relações... Mas por isso acho importante estar sozinha às vezes. Precisamos saber até onde a gente pode ser um pouquinho esse outro, quais as manias alheias adotar, dar ouvidos a o quê. Eu não gostaria de me relacionar com alguém que emenda uma relação na outra. A gente precisa de tempo pra sedimentar as experiências, para que elas sejam mesmo parte nossa e não da pessoa anterior, não apenas um capítulo da história. Uma parte da vida fica gravada na gente, a parte que se vive. É o que se faz. O melhor está sempre por vir, o próximo segundo é sempre o mais aguardado, o amanhã vai ser sempre o mais perfeito.

Por isso não acredito nos recomeços. A história não pode ser reescritas como se nada houvesse antes dela. Havia. Havia sim! Encare isso de frente. O recomeço é uma continuidade. Impossível ter um baú de guardados mortos e enterrados... Isso não descomplica nada. Ao contrário. As coisas não precisam ser ditas, não precisam ser explícitas. O oculto e escondido pode se transformar no maior fantasma da vida – isso não é um incentivo às DR’s, ok?! Odeio DR! – por isso essa história de “ vamos zerar e daqui pra frente, vida nova”, pra mim, não existe.

Zerar uma ova, escolhe a tua espada. This is Sparta!

Certa brutalidade faz bem. Algumas sinceridades são muito brutas. Brutas, porém, necessárias! Não quero teorias, invenções, tentativas, exemplificações, nem nada mirabolante. Pra isso eu já tenho eu mesma e as minhas outras eu.

Por isso eu sempre prefiro ir embora.

E me condenam.

E não entendem.

Mas não é mais simples? Não é mais prático?

Quer ver uma coisa que me deixa furiosa??? “A máscara caiu”. Não, benzinho, nada caiu. E se depender da nova bola suíça adquirida, nada cairá.

A pessoa sempre foi o que ela resolveu ser, o que os tempos lhe impuseram. Aceite, todos mudam. Isso quem faz são as experiências. O que aconteceu foi um período de exceção. O que importa é manter a essência. As relações acabam sendo tão superficiais que pouco se importam em conhecer as essências alheias. Também não se pode querer que alguém seja sempre igual. O bacana é ser sempre o mesmo, mas sempre diferente. ESSÊNCIA. É o que interessa.

Quero sim saber quem é a pessoa. Mas quero saber isso dentro dela, não apenas enquanto estiver ao meu lado... eu posso piorar ela. Assim como posso fazer dela alguém melhor... mas é muita filosofia barata pra uma hora dessas. Eu estava devendo falar de recomeços. Quitei a dívida. Outra hora eu falo sobre as essências e o tanto que eu gosto delas.



\o/

----
 
Enrole um pouco de mim em ti.
 
----
 
 
Veja você, onde é que o barco foi desaguar
A gente só queria um amor
Deus parece às vezes se esquecer
Ai, não fala isso, por favor
Esse é só o começo do fim da nossa vida
Deixa chegar o sonho, prepara uma avenida
Que a gente vai passar


Veja você, onde é que tudo foi desabar
A gente corre pra se esconder
E se amar, se amar até o fim
Sem saber que o fim já vai chegar
Deixa o moço bater
Que eu cansei da nossa fuga
Já não vejo motivos
Pra um amor de tantas rugas
Não ter o seu lugar


Abre a janela agora
Deixa que o sol te veja
É só lembrar que o amor é tão maior
Que estamos sós no céu
Abre as cortinas pra mim
Que eu não me escondo de ninguém
O amor já desvendou nosso lugar
E agora está de bem


Deixa o moço bater
Que eu cansei da nossa fuga
Já não vejo motivos
Pra um amor de tantas rugas
Não ter o seu lugar


Diz, quem é maior que o amor?
Me abraça forte agora, que é chegada a nossa hora
Vem, vamos além
Vão dizer, que a vida é passageira
Sem notar que a nossa estrela vai cair


(los hermanos)

Comentários

artur disse…
pedrada para sexta, madame.
Carlos disse…
Essência Espartana?

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…