Pular para o conteúdo principal

mudices

As nossas conversas são boas e as nossas mudices são melhores. Entendo que as nossas mudices são conversas sem palavras. Entendo que eu tenho conversado muito assim, mais ouvindo. É um hábito que tenho desde criança, absorvo a alma lendo os gestos, decifrando códigos, montando as palavras nas frases como um quebra cabeça de intenções. Por mais que eu fale, que eu goste de escrever, meu interesse é ouvir. Não desperdiço um bom estranho. Nem um conhecido. Alguns amigos me conhecem há tanto tempo que me confundo nas lembranças, nossas histórias fazem uma trama, apesar dos longos períodos distantes. Gosto de quando sentamos no sofá olhando pro mesmo nada da parede, depois recebo um agrado com o dedo indicador escorregando pelo meu nariz. É minha deixa pra sorrir sem mostrar os dentes, iniciando a pauta da noite. Aguardo pela análise detalhada, pelo de deboche que acaba, invariavelmente, em traçar um perfil psicológico da situação. Está feita a minha análise.



Nunca me zanguei por isso, a amizade é um fabuloso divã. Argumento contra, justifico as atitudes, fico bufando, bato os pés para acabar aceitando alguns baldes de água fria. É comum ouvir que não sei ser contrariada, pelas últimas três décadas, é o que eles mais têm feito.



Ando apreciando outros silêncios enquanto escuto músicas antigas. Rolling Stones, Kiss, Simon & Garfunkel, Beatles, Aerosmith, Queen, para situações novas, antigos conselhos.



Nada é tão inédito para jamais ter sido cantado.



Vigio o mudo relógio do celular, que não faz tic tac. Mudo, ao ponto de não acusar as mensagens que antes eu mal conseguia responder em ordem. Que aqui não se confunda o silêncio com o vazio, porque ele está cheio. As mudices são pintadas nas paredes com tinta neon.



No banco do meu carro as palavras ditas se empilham no banco do passageiro. São as minhas companheiras no sinal vermelho. Pausa. Mais uma vez eu me encontro sem mapa, ou melhor, me desencontro perdida. Aqui, sem bússola ou placa, sem informação do destino, confiro aquilo tudo que estava avisado antes sobre a estrada. Tudo se confirma. Inclusive a previsão do tempo.



Alguns rancores, alguns medos, muitas vírgulas. Temperamento difícil, exageros, extremos, euforias que precisam ser domadas. Uma vida diferente, com regras que eu nunca tive porque sempre caminhei na beira do barranco. A queda é tentadora, seduz minha curiosidade quem já caiu e escalou o penhasco pro lado de cá. É mesmo uma vida a ser levada no caminho que a luz indica. E eu disse sem falar: quero. E o que eu digo agora? Que já passei pelo sinal amarelo, pelo vermelho e agora espero que acenda a luz verde. Quero. Quero muito. Não deixei de querer. Quero a luz verde que vai me dizer “siga livre”.



Prefiro tudo isso sem mapas. Tão inúteis quanto os manuais de instruções. Ou explicar de onde viemos.



Ou explicar como. Há tantas verdades nos silêncios.



Parabéns Porto Alegre, cidade onde o sol sempre vai dormir mais bonito.
 
Amo Porto Alegre.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Miss You (Rolling Stones embalou uma arrumação de quarto da-que-las... muito sexy #NOT)


I've been holding out so long
I've been sleeping all alone
Lord I miss you
I've been hanging on the phone
I've been sleeping all alone
I want to kiss you

Oooh..

Well, I've been haunted in my sleep
You've been starring in my dreams
Lord I miss youI've been waiting in the hall
Been waiting on your call
When the phone rings
It's just some friends of mine that say,"Hey, what's the matter man?
We're gonna come around at twelve
With some Puerto Rican girls that are just dyin' to meet you.
We're gonna bring a case of wine
Hey, let's go mess and fool around
You know, like we used to"

Aaah...

Oh everybody waits so long
Oh baby why you wait so long
Won't you come on! Come on!

I've been walking in Central Park
Singing after dark
People think I'm crazy
I've been stumbling on my feet
Shuffling through the street
Asking people, "What's the matter with you boy?"

Sometimes I want to say to myself
Sometimes I say

Oooh..
I won't miss you child

I guess I'm lying to myself
It's just you and no one else
Lord I won't miss you child 
You've been blotting out my mind
Fooling on my time
 No, I won't miss you, baby, yeah

Lord, I miss you child

Aaah...

Lord, I miss you child

Aaah...

Lord, I miss you child

Aaah...

Comentários

Carlos disse…
Adoro o som do silêncio...
Anônimo disse…
Nossos assuntos são como vinho vc disse. Espero q a mudice de vcs tenha feito o assunto respirar tb.
Fabi

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…