Pular para o conteúdo principal

rede de carnaval

O céu passou a tarde inteira em um azul escancarado. Não teve vergonha de abolir as nuvens, não deixou que surgissem riscas brancas de giz por nenhum grau do horizonte. Desenhou o infinito em tons de luminosidade até chegar a noite. Eu, como boa gulosa de felicidade, aproveitei o clima para ver no rosto de uns amores sorrisos. Fiz da rede um universo modesto, onde eu pudesse brincar de Deus, determinando as espreguiçadas e os cochilos entre as viradas de páginas do livro. Busquei com a ponta dos dedos os embalos dos impulsos na parede. Analisei meu pé descalço há quase doze horas.



Agora à noite, a lua é miúda, discreta entre umas porções de estrelas, organizadas em pequenos grupos, que me parecem tão íntimas. Quase me chamam pelo apelido. Fofocam sobre mim, trocam confidências sobre os pedidos que eu faço, sobre as coisas que eu conto. Apenas não duvidam porque testemunham. Acabei de passar o céu em revista. O pelotão de estrelas também não permitiu as nuvens. Sim, fui procurar por elas porque estou com saudade de dormir com chuva. Adoro chuva, mesmo na praia. Adoro praia, mesmo com chuva, mesmo no inverno, mesmo qualquer coisa, mesmo. Assim como gosto de tanta coisa sem explicação, gostei muito do dia de hoje, ainda que a chuva não venha regar a minha horta de sonhos.



Aliás desfiz o jardim de sonhos, transformei numa horta! Pode não ser poético, pode não ser romântico, mas prefiro que os sonhos me alimentem. Um jardim de sonhos é muito estético e pouco útil. Minha horta de sonhos exige tanto cuidado e adubo quanto um jardim, com a vantagem de permitir a colheita.



Hoje ouvi histórias da minha infância. Sobre as minhas teorias precoces e filosofias. Ouvi que sempre fui muito boa em respostas, o que me surpreendeu, porque sempre achei que eu fosse muito boa com as perguntas. Fui uma criança de olhos curiosos, daquelas que observam o território, eu estudava as pessoas, usava conscientemente do meu charme infantil pra conseguir pequenos agrados. Eu testava os limites, ainda que advertida pela minha mãe, que por vezes perseguia meus passos com olhos de Medusa, numa clara intenção de me transformar em pedra. Uma vez pedra, ficaria quieta. Minha mãe sempre incentivou minhas leituras, meus pensamentos e crises de liberdade, sempre foi amante das minhas expressões, mas era contra as agitações e minhas perguntas carregadas de ironia, geralmente dirigidas a quem não devia.



E da minha rede-universo, as certezas das coisas que eu não gosto, injustificáveis ou não. Pessoas que foram, momentos que passaram, dias que deixaram saudades. Alguma coisa andou quebrando por mãos que não são minhas. Eu não colo mais nada, quebrou, vai fora. Insisto em cuidados que não dependem só de mim. Quando as variáveis são pessoas, a equação tem resultado inexato e prova real impossível. A quantidade de resultados é imprevisível.



Viver é imprevisível.



Queria ordenar ao tempo: à noite, chuva. Não choveu. E eu nem posso transformar a desobediência metereológica em pedra.



Pensando bem, o que fez falta de verdade, foi não ter um gato por perto.

 
 
E Humberto me dá razão, mais uma vez...
 
 
 
Seria mais fácil fazer como todo mundo faz.



O caminho mais curto, produto que rende mais.


Seria mais fácil fazer como todo mundo faz.


Um tiro certeiro, modelo que vende mais.






Mas nós dançamos no silêncio,


choramos no carnaval.


Não vemos graça nas gracinhas da TV,


morremos de rir no horário eleitoral.






Seria mais fácil fazer como todo mundo faz,


sem sair do sofá, deixar a Ferrari pra trás.


Seria mais fácil, como todo mundo faz.


O milésimo gol sentado na mesa de um bar.






Mas nós vibramos em outra frequência,


sabemos que não é bem assim.


Se fosse fácil achar o caminho das pedras,


tantas pedras no caminho não seria ruim

Comentários

Carlos disse…
Como assim?!?!
O tempo não te obedeceu????
E eu que tinha certeza de que eras tu quem coordenava o Universo...

Carnaval deitado numa rede?
Graaande programa!!
Melhor só se esta rede estivesse em uma pousada em Caraiva ou Camamu...

PS. tem alguém apaixonada aí dentro desta delícia de biscoito?

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…