Pular para o conteúdo principal

dra. bebezinha

Eu quis muito uma irmã. Queria mais que tudo. Não dei sossego aos meus pais até ver a barriga crescer. Esperei aflita a confirmação: é menina. Pronto, a barriga da minha mãe passou a ser minha caixinha de música, grudava o ouvido esperando que a minha irmãzinha fizesse algum barulho. Ela chutava muito. Escolhi o nome: Renata – homenagem tricolor prontamente bem recebida pelo meu pai.



Renata já nasceu linda. Foi linda enquanto criança, linda adolescente – o que é raro – e segue linda. É de admirar cada traçado perfeito, é harmônica, suave e exuberante. É a minha princesa. Se eu pudesse escolher alguém no mundo pra ser minha irmãzinha, escolheria ela. Claro que já brigamos, já discutimos, mas jamais passamos um dia sem nos falar. Jamais passamos um dia sem nos amar. E ser amada por ela é uma das melhores coisas que pode acontecer.



Minha mana é minha parceira, amiga, filha, mãe, irmã mais velha, irmã mais nova. É a alegria do meu café na cozinha, quando desfiamos fofocas com a geladeira. Renata é o fio da meada. Intensa, teimosa, dramática, chorona. Lembro da quantidade de coleguinhas maus que ameacei de morte lenta e cruel no pátio da escola. Lembro dos segredos confessados quando dividíamos o quarto. E das brigas pelas roupas comunitárias. Aliás, bagunço até hoje o armário dela de propósito, mesmo que não faça empréstimo de nada. Resgato a infância pela desordem.




A Renata os mesmos pais que eu, ama nossos avós, ama meu filho como se fosse dela. Ainda assim, é meu eterno bebezinho. Faço todas as vontades, cubro de mimos. Muito já acobertei, mas não tanto quanto fui acobertada. Testemunha dos meus pileques de verão. Testemunha dos meus desamores, xingamentos, revoadas. Quando penso que chego com uma mania nova, ela já foi apresentada. Declaro uma paixão, ela marca na folhinha o prazo de validade. Juro que vou ficar em casa, ela lembra de deixar a chava na janela. Quero falar bobagem, ligo pra ela. Quero falar sério, ligo pra ela. Não quero falar, ela me liga. Quando não me entende, não me condena.



É sutil pra me repreender.



Ninguém manda em mim tanto quanto ela. Parece um general.



Sempre tive orgulho da minha bebezinha, pelo caráter, pelo coração, pela alegria de fazer o que gosta. Ama receber as amigas, ama o noivo, ama organizar o natal, ama assistir jogo aos domingos e ama a família reunida. Somos uma boa equipe.



Dia dezesseis de julho de dois mil e onze será o dia mais importante do ano. Aguardado e planejado há tempos. Formatura de medicina. Renata é médica desde que se entende por gente. Não dessas que olha para o paciente como uma fração de probleminhas. Nunca foi assim. Renata quer debulhar a pessoa. É médica que vê o paciente como pessoa, quer saber dele inteiro. Desossa. Sabe criança que desmonta o brinquedo pra ver como funciona? É ela. A preocupação é global. A pessoa chega com conjuntivite e ela vai além do olho. Manda embora com a receita do colírio, lembranças pra mãe e descobre o nome do cachorro.



Ela é meu orgulho por essa sensibilidade e pela dedicação. Quantas vezes abracei e sequei o choro do medo da prova? Quantas vezes acordei às 4 da manhã com ela estudando na sala? Quantas festas da turma invadi? E amigas que furtei e adotei? E as irmãs dela que se tornaram minhas? Quantos litros de café compartilhamos, ela pro estudo, eu pro vício. Sofri junto as expectativas das notas, as confusões de turma, de grupos. Fui cobaia, fui paciente. Fui enrolada em velpeau de verão e de inverno! Fui testada em todos os pontos de fibromialgia:



- Ai!

- Dói?

- Claro, olha como tu me aperta!

- E aqui?

- Aiê! Óbvio que dói... Ta se aproveitando pra me maltratar.

- Shhhh, quieta. E aqui?

- AAAAI!

- Dói?



Adorei e detestei professores, participei dos casos de alguns pacientes sempre com a mesma sugestão: “Mana, dá rivotril, Tavares disse que cura tudo.” E por falar em Tavares, é dele a frase “Ah, essas irmãs Heine... como são inexplicáveis”. Somos mesmo. E somos irmãs.



Meus pais subirão ao palco para passarem às mãos da Renata o diploma. As mesmas mãozinhas que pintaram o treco de chaves que ainda está pendurado na parede da cozinha. As mesmas mãozinhas que fazem cócegas no Duca, que me beliscam, que cutucam o Vinícius. E ela vai continuar sempre sendo a minha bebezinha, a minha irmãzinha.



Minha irmã, a médica.

Live And Let Die


Paul McCartney

Composição: Paul McCartney / Linda McCartney

When you were young and your heart was an open book

You used to say live and let live

(You know you did, you know you did, you know you did)

But if this ever-changing world in which we live in

Makes you give in and cry



Say live and let die

(Live and let die)

Live and let die

(Live and let die)



What does it matter to you?

When you got a job to do

You got to do it well

You got to give the other fellow hell



You used to say live and let live

(You know you did, you know you did, you know you did)

But if this ever-changing world in which we live in

Makes you give in and cry



Say live and let die

(Live and let die)

Live and let die

(Live and let die)

Comentários

Z. disse…
Eeeee! Dona Kuky! Me fez chorar já de manhã! Lindo o post de homenagem da bebezinha! Entendo perfeitamente teu sentimento, pois nutro o mesmo pela minha irmã! Parabéns para Renata pela conquista e mto sucesso nesta próxima etapa! Bjssss
Aiiii aiiiii..... Sabe quando o olho fica cheinho de lágrimas? Essa sua irmazinha, foi minha também e será eternamente, mesmo distantes. Pessoa que chega pra ficar. Estou me remoendo inteira por não poder passar esse momento do ladinho dela, sei o quanto é especial pra ela e pra todos vcs. Amo demais e esse sentimento não diminui nem por 7 anos longe.... Obrigada pelas palavras Kuky..... beijinhos de amor pra essa familia que eu guardo em um lugarzinho mais que especial no meu peito... eu e a Manu mandamos muito amor!
Mari Panichi disse…
Parece ser um dos teus tantos talentos... fazer as pessoas chorar...RINDO! To chorando e rindo ao mesmo tempo, lembrando de tantas coisas lindas que eu pude compartilhar com a Rena e de tantas coisas que acabaram nos afastando ao longo desses anos malucos. Mas nesse dia super especial para vocês todos, só quero dizer que, mesmo com a distância geográfica (relativa), tenho essa família no meu coração! Em especial, um lugar para a mais nova médica do pedaço, com quem pude viver, mais do que intensamente, a minha adolescência linda e cheia de descobertas!

Beijos para vocês!
Carlos disse…
Kukynha! Isto não é só uma declaração de amor, é uma Declaração de Vida!
O Mestre tem razão: és ainda mais Linda por dentro...
Parabéns pra Dra. Rena e Parabéns pra ti por ter contribuido para esta conquista dela!!!
Rena Heine disse…
Manaaaaaaaaa!!!!!
isso nao se faz!!!!
eu nao consigo para de chorar um dia só!!!!!
ameiiii ficou maravilhosooo!!!!
vc sabe que eu te amo mais que tudo so nao tem o dom das palavras como vc!!! mas como ja falei outras vezes e no video de formatura vc é minha irma de sangue e alma!!!! te amoooo mana vc é o maximooooo

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…