Pular para o conteúdo principal

salva-vidas

“Respira fundo, olha pra dentro e não esquece quem tu és”. Foi a melhor coisa que eu já ouvi na vida. Porque ouvi no momento certo. Houve um tempo em que eu me perdi. E me perdi feio. Foi em 2006. Se eu não tivesse escutado isso, talvez jamais tivesse encontrado o caminho pra voltar – nunca digo me achado porque ainda sou a rainha das perdidas. Mas foi isso. Nada de mapas... Eu não tinha a menor ideia de onde estava, tinha algumas dúvidas sobre quem eu era, o que queria, pra onde ir. E ouvi aquilo.







Ninguém me disse pra onde correr, o que eu deveria fazer, qual era o próximo passo. Foi só aquela frase que até hoje é a minha bússola. Quando cai a casa, quando o mundo desaba na minha cabeça e eu não vejo a saída, fecho os olhos e olho pra dentro, tentando achar a melhor maneira de ficar bem comigo. É a mais pura sinceridade que eu consigo, comigo mesma. Com o tempo a gente aprende que pode colocar qualquer um no bolso, mentir pra quem quiser, forjar, fingir, inventar. A gente também pode ser inimigo de quem bem entender. Só não dá pra fazer isso com nós mesmos. Aprendi a gostar de mim assim. Impulsiva, mas ponderada. É que com o tempo, a gente pega cancha de fazer o que faz sentir bem.







Se eu olho pra dentro e está tudo bem, sigo. Por fora eu posso ser essa agitação, intranquila. Posso ter essa inquietude que ninguém entende. Eu queimo chuveiros, cafeteiras, lâmpadas, mas aqui dentro é um paraíso!!! Meu refúgio em mim. Sou meu SPA e meu terapeuta, olho pra dentro, respiro fundo, dou um alô pros meus valores. Elenco minhas prioridades, amo, desamo, escolho, duvido, pondero e me pergunto “tudo bem?”, porque eu não quero mesmo me ofender.







E acho graça quando alguém me diz “eu te conheço, eu já te saquei”. Mesmo? Se quiser me explicar, estou aceitando. Me “vivo” há 30 anos e ainda tenho dúvidas sobre mim, mas elas não me incomodam. Qual seria a graça se eu soubesse tudo inclusive sobre mim???







Então, se às vezes eu sorrio, por dentro, posso chorar. Se pareço frágil por fora, posso ser uma muralha. Posso parecer qualquer coisa pra qualquer um. Posso enganar qualquer um, aliás, qualquer um pode enganar quem bem entender, até a própria mãe. Mas ninguém consegue mentir pra si.







E querem saber um segredo? Quando eu olho pra dentro, fica tudo bem quando eu sou sincera pra fora.







Daí também mostro quem eu sou.
Prazer, eu sou a Kuky!



beso
 
--------
 
Obs.: GRÊMIO!!!!
 
-------
pra ouvir antes de dormir...
 
I did my best to notice



When the call came down the line


Up to the platform of surrender


I was brought but i was kind


And sometimes i get nervous


When i see an open door


Close your eyes


Clear your heart






Cut the cord


Are we human?


Or are we dancer?


My sign is vital


My hands are cold


And I'm on my knees


Looking for the answer


Are we human?


Or are we dancer?






Pay my respects to grace and virtue


Send my condolences to good


Give my regards to soul and romance


They always did the best they could


And so long to devotion


You taught me everything i know


Wave goodbye


Wish me well






You got to let me go


Are we human?


Or are we dancer?


My sign is vital


My hands are cold


And I'm on my knees


Looking for the answer


Are we human?


Or are we dancer?






Will your system be alright


When you dream of home tonight?


There is no message we're receiving


Let me know is your heart still beating






Are we human?


Or are we dancer?


My sign is vital


My hands are cold


And I'm on my knees


Looking for the answer






You've got to let me know


Are we human?


Or are we dancer?


My sign is vital


My hands are cold


And I'm on my knees


Looking for the answer


Are we human


Or are we dancer?






Are we human?


Or are we dancer?






Are we human


Or are we dancer?


(the killers)

Comentários

Carlos disse…
Highlander é Highlander!


E Vamo que Vamo no domingo!

Beijo Tricolor!

PS. esse teu olho fascina...
wilson ramires disse…
vc 'e linda mesmo!!!

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…