Pular para o conteúdo principal

resgate

Entender é um dom, que às vezes eu não tenho. Talvez não seja tão difícil quanto perdoar... Me confunda, mas não o suficiente para que eu desista de brincar, vire as costas e vá embora. Seja sincero, ainda que eu pareça preferir que não. Não me subestime, não pense que eu não tenho senso de realidade, por mais que eu voe – e eu vôo longe – eu sei bem fazer meus pés tocarem o chão. E sei pra onde andar e sei quando correr e sei do que eu quero fugir. Também sei quando me roubam o chão, infelizmente.



Eu sei que eu não tenho mapas, que eu chutei a bússola, que no meu caminho tem buracos. Mas acredita que eu já pulei por precipícios? Acredita que eu já vivi dias de tormentas? Já fiquei nublada, já fiz temporal, já entrei em erupção. E em ebulição também. Eu funciono em condições diferentes de temperatura e pressão. A maioria das convenções não se aplicam a minha pessoa. E sim, foi isso que eu escolhi. E sim, a grande maioria das vezes que eu caí também foram pelas minhas escolhas. Por favor, não me pergunta se eu me arrependo. Não me resgate das minhas escolhas, nós tínhamos todas as opções. Nós ainda temos.



Também não queira entender as palavras que estão escritas na minha testa, talvez elas não tenham a menor lógica, talvez não formem sequer uma frase. Pra onde eu vou? Pra onde aponta meu nariz. Do que eu gosto? Do que me faz feliz. Optei por não criar grilos. São pequenos, fazem barulho, não me agradam. Crio alguns monstros de tamanhos variados, formas diferentes, coloridos, preto e branco, tem de tudo. Conheço cada um deles pelo nome – alguns têm sobrenome, RG e CPF. Em geral eles não me assustam. São meus defeitinhos, meus pequenos traumas, que eu gosto e faço questão de não me esquecer deles. Plantam em mim sementes de dúvidas. Saio riscada atrás das respostas que não estão lá fora. Eu deveria deixar essas sementes crescerem, talvez virassem respostas, mas isso precisa de tanto tempo e eu sou tão imediatista...



Por que algumas pessoas são imaturas? Por que têm medo de arriscar? Por que não se dão conta que vivem na Terra do Nunca, enquanto podem participar de uma realidade que não é terrível como se pinta. Que preconceito bobo. Eu não quero mais ter 16, mas pra onde eu olho... quem não tem?! Quem faz o quê?



Desculpa, eu não deixo a vida me levar. Sei lá pra onde vai essa maluca!!! Prefiro acreditar que quem sabe faz a hora não espera acontecer. Se eu sei? Eu sei muitas coisas. Sei praticamente tudo. E o que eu não sei, eu invento.



(ou procuro no Google!)



Não deixe a distância ser tão grande que nossas realidades não sejam nem paralelas. Não deixe morrer qualquer assunto que ficou no ar.

Não deixe de me lançar aquele olhar que me quebra.

Não deixe de desafinar no meu ouvido.



Foi bom depois de um tempo sentir o cheiro que só tu tem. E o abraço que só tu dá.

A tua barba recém feita ainda me incomoda e teus assuntos ainda me fazem pensar em tanta coisa. Me orgulho de ti por fazer isso, mesmo de longe, continuar vivo. Que seja eterno. Que o teu riso ainda seja o que eu mais gosto. Que ainda seja perfeito, mesmo sabendo que a perfeição é uma ilusão que a gente cria. A minha está na categoria monstros. Este lugar que está vazio, sempre esteve assim, mas tem teu nome escrito.

 
 
----
I know we have rainy days

It's only scary if it gets down to you
Hear now what I say, there's one way...
Feel the rhythm, have a taste of some
Sweet, sweet love.
Boy, you know it's right
To make it takes a whole lot of paradise.
Yeah you see it now
It's funny how we change when our lives get a taste of the
Sweet, sweet love.

There are some things I can do without
Some things I just don't need
Too much in life gets cluttered
I like the feel of simplicity and
Sweet, sweet love


(kaskade, sweet love)

Comentários

Carlos disse…
Nada como um "Papo Kuky" pra encerrar o dia...
Boa Noite!
Anônimo disse…
Sua destrambelhada. Adoro tudo que tu escreves, te superas a cada post. Eu só posso dizer uma coisa: vc é a mulher + perfeita do mundo. Inteligência, sensibiliadade, humor, os textos estão cada vez melhores. Beijo LP
jana s. disse…
Ameiiiiiii esse texto!
jenifer barcellos disse…
bah é incrível, sempre que leio teus bons posts, uma barra da minha jaula cai e eu saio pela fresta...

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…