Pular para o conteúdo principal

mola

Atenção. Isto é sério. Se você espera ler um texto meio chorosinho, politicamente correto, com início, meio, fim e moral da história, tal qual manda o figurino, feche o blog agora. Definitivamente, hoje o texto sou eu. Com todos os avessos dos avessos. Desculpa, me escarrei aqui!



Eu, no auge de toda a educação, moral, bons costumes, bons modos e atitudes comedidas que me foram ensinadas, confesso... sou mesmo uma impulsiva. Vez que outra sento de pernas abertas, mascando chicle pra fazer barulho, falando palavrão e fazendo gestos obscenos. Eu disse vez que outra? Disse. Ok. Não faço isso porque perdia a classe ou desci do salto. Sempre deixo claro que isso eu não faço, ainda quando pareço amarrotada, tenho alma de tergal. Prezo por manter a elegância, a menos que batam no meu carro ou furem a fila no super! Ah, gente muito chata também não merece meu alinhamento comportamental.



Kuky, volta pro rumo da conversa!



Eu sei que eu queria falar sobre os recomeços, mas não será agora. O cabelo ondulado e as unhas nesse vermelho escuro acentuam em mim essa rebeldia que eu quase escondo, se não fosse a minha impulsividade. E eu sou uma impulsiva convicta! Praticante! Quando eu vejo, já fiz, já disse, já arrumei confusão.



Eu sou um doce, mas tenho uma pimentinha ardida que me salva da monotonia. Talvez eu não seja o tipo de princesa que as mães sonham em transformar as suas filhas. Eu não sei até hoje, especificamente, o que eu espero de um relacionamento a dois. Passo léguas longe de ser uma santa ou uma pura. Léguas ainda mais longe de ser uma puta. Falei sobre os palavrões? Sim? Sim!



Eu mantenho a linha, preservo um olhar atento. Observo os limites e passo deles. Tanto faz se a passos largos ou sorrateiramente, pé por pé. Mas passo. Não de um jeito que não consiga nunca mais voltar, mas passo. Vou ali e já volto. Brincadeira de vivo/morto! Tento deixar que a minha simpatia se desculpe por mim, que os pequenos desaforos possam ser curados por um sorriso amarelo do melhor estilo ops! Nem sempre cola. Insisto. Ops... realmente, nem sempre cola!



Claro que algumas coisas acontecem sem querer. Preciso deixar a impulsividade ser autêntica. O difícil é conseguir equilibrar o diabinho (que eu batizei de Schopenhauer) com o anjinho (que eu batizei de Fernando Pessoa). Ah, eles me deixam tonta. A vantagem de eu ser tantas é que posso deixar os dois brigando e fugir um pouquinho pra outra eu. Só um pouquinho! Ultimamente meu diabinho tem vencido todas. O coitado do anjo pegou H1N1, não sei... A minha impulsividade anda sufocando o pobrezinho. Quando eu vou pensar em por que não e já fiz. E refiz. E se bobear, twittei o feito!



Tenho usado decotes. Modestos.

E saia curta. Pero no mucho.

Feito caretas, mostrado a língua e dançado muito.



Hoje lembrei de uma frase do William Purkey: Dance like no one is watching, love like you'll never be hurt,sing like no one is listening,and live like it's heaven on earth. Isso marcou a minha vida desde a primeira vez que eu li. Está escrito em mim. Deu um click... talvez seja a origem mais remota da minha impulsividade. Fazer porque vale, porque eu estou viva e não quero só existir, fazer porque não tem um porquê que explique. Não vou entrar na discussão dos limites ou de magoar os outros, sacanagem e malvadeza não são justificáveis.



Apenas fazer. Just live. Just KUKY it!



Por segundos eu tive medo. Quando fico muito abstrata as atitudes saem estranhas, como se olhar num daqueles espelhos que distorcem a imagem. Tem muito de mim em tudo e tem muito de tudo em mim. E procuro deixar um pouco de mim em todos e carregar um pouco dos outros em mim, uns como mera poeira, outros como cicatrizes. Fico feliz de ser marca em alguém também.



Ah, mas eu ia falar do medo, né?!

Passou.

Lembrei que além de impulsiva, eu sou muito sincera, principalmente comigo.

Tudo precisa de um tempo e eu tenho o meu,  faço o meu. Não uso relógio. Não tenho tempo a perder, nem do meu, nem do teu, nem do cronológico, digital ou analógico. Meu tempo, decido nos ponteiros da minha vida, nos tic tacs que pulsam em mim. Ah, meus doces atropelos!!!


A gente pode ser inimigo do mundo inteiro, mentir e enganar quem quer que seja, menos nós mesmos.

----
 
Musiquinha:
 
 
Si quieres un poco de mí
Me deberías esperar
Y caminar a paso lento
Muy lento
Y poco a poco olvidar
El tiempo y su velocidad
Frenar el ritmo, ir muy lento, más lento.



Sé delicado y espera
Dame tiempo para darte
Todo lo que tengo.

Si quieres un poco de mí
Dame paciencia y verás
Será mejor que andar corriendo
Levantar vuelo


Y poco a poco olvidar
El tiempo y su velocidad
Frenar el ritmo, ir muy lento
Cada vez más lento.

Sé delicado y espera
Dame tiempo para darte
Todo lo que tengo.



Si me hablas de amor
Si suavizas mi vida
No estaré más tiempo
Sin saber que siento.

Sé delicado y espera
Dame tiempo para darte
Todo lo que tengo.

Sou a mais nova fã de Julieta Venegas...

Comentários

Anônimo disse…
Linda e inteligente, com certeza é a mulher ideal.
Carlos disse…
Até quando tu escarra sai um Poema... Ta certo que mais com cara de Schopenhauer do que de Pessoa, mas um Poema!
Just Kuky it!
Artur disse…
não és apenas uma das pessoas mais sensuais que eu conheço, a maneira como escreves é sedutora.
abraços

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…