Pular para o conteúdo principal

um porto

Eu não gosto da palavra solidão. E também não sei sentir isso... sinto qualquer outra coisa, dou qualquer outro nome, eu batizo, eu invento. Mas me recuso a sentir solidão. Me assusta, associo com coisas escuras e maléficas. Vez que outra essa bruxa tenta me assombrar, nublar o meu dia, apertar aquilo que eu carrego no peito, embrulhar meu estômago e deixar qualquer coisa presa na minha garganta. Um grito, um gemido, um pedido de ajuda, um “eu te amo”.



Daí descubro em mim as minhas múltiplas companhias – porque nem sempre posso grudar em um amigo - , de algumas delas eu gosto, de outras não. E sabe o que eu descobri? Que às vezes eu fico muito sozinha junto com uma porção de gente. E que às vezes eu faço uma GRANDE festa sem ninguém em volta.



Óbvio que eu gosto de mim múltipla, me reinventando, redescobrindo, me analisando e criticando (esta é a pior parte). E me odeio quando eu tento me enganar porque eu sei que não consigo me mentir, as minhas verdades doem como engolir um porco-espinho! Por favor, não tentem isso em casa – espero que ninguém do IBAMA esteja lendo! Claro que me agrada o que eu vejo quando olho pra dentro, quando eu vejo os meus valores e princípios, gosto de me gabar deles... mais ainda de acreditar neles.



Às vezes o que a gente procura está do lado de dentro. Às vezes os amigos são apenas as pessoas que carimbam nosso passaporte pra introspecção. A gente precisa ficar pequeninho pra caber dentro do próprio peito e depois ficar grandão de novo pra encarar a vida de frente. E daí? Sente o quê? Sério que tu não tá sentindo isso? É uma brisa batendo no rosto porque a porta da felicidade está aberta. Passar por ela é uma escolha nossa. O melhor é que não é preciso levar certezas, as dúvidas podem ir, os medos, as brigas, as reconciliações. É tudo questão de olhar pra dentro e sentir que está tudo bem. É tudo questão de escolha. Não tem certo ou errado. Não existe perdão ou perdoados. Não existe salvação e pecado. Não é questão de andar junto ou separado, é questão de andar. É a escolha consciente. Que sejam necessárias, sóbrias, lúcidas. Que sejam bem feitas. Que sejamos felizes com elas e que elas jamais nos traiam.



Entendeu que as nossas escolhas são as pedrinhas que ladrilham o caminho?!

Nosso único trabalho é definir onde queremos chegar , o que queremos ter, quem queremos ser.



O que é verdade pra ti?

Quais tuas prioridades?



Respostas do lado de dentro.

(Como se vê, ainda estou no labirinto, sem David Bowie!)
 
=0=0=0=0=0=0=0=0=0=
 
Um salve pro meu professor de ética da faculdade (Guzo?! Era isso?!), que dizia que é muito errado condicionar nossa felicidade às escolhas alheias.
 
Ok.
 
Apenas gostaria de lembrar que somos seres sociais, até o mais egoísta.
 
beso, profe!
 
 
=0=0=0=0=0=0=0=0=0=0=
 
música pra quem está chovendo:
 
Rain - Blind Melon
All I can say is that my life is pretty plain



I like watchin' the puddles gather rain


And all I can do is just pour some tea for two


and speak my point of view


But it's not sane, It's not sane

I just want someone to say to me, oh oh oh oh


I'll always be there when you wake


You know I'd like to keep my tears dry today


So stay with me and I'll have it made



And I don't understand why I sleep all day


And I start to complain that there's no rain


And all I can do is read a book to stay awake


And it rips my life away, but it's a great escape


escape......escape......escape......

All I can say is that my life is pretty plain


you don't like my point of view


you think I'm insane


Its not sane......it's not sane.

I just want someone to say to me, oh oh oh oh


I'll always be there when you wake


You know I'd like to keep my cheeks dry today


So stay with me and I'll have it made


and I'll have it made, and i'll have it made, and i'll have itmade.....

Comentários

Carlos disse…
Se tu não escrever o tal livro escrevo eu! Vou criar uma personagem e copiar tudo o que tu escreve...
Um Beijo e um Abraço daqueles de dentro pra fora. Sei que tu entende isso...
BETO disse…
CARAAAAAALEO!!!! Tenho orgulho de ser seu amigo. Lembrei da lição de moral q vc me deu aquela vez na pedra da Silveira. bj
Anônimo disse…
Adoro ler as coisas que você escreve. Pq os títulos são sempre em minúscula? Posso mandar meu msn? Gostaria de conversar mais com você.
Dani
Anônimo disse…
A bloqueira mais Linda desse Porto Alegre, que fica mais simpatico com oteu sorriso.
Se quiser conversar com um admirador, esse é meu msn: pe_surfer@hotmail.com

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…