Pular para o conteúdo principal

crystall ball

Existe a palavra contículo? Se não existe, está inventada. Avisem o seu Aurélio que quer dizer um conto bem pequenininho, como uma gotícula. Algumas histórias são rios, outras são pingos. As minhas geralmente são baldes – de água fria. Eis aqui, um contículo...







Eles já se conheciam quando se encontraram naquela festa, que não estava boa. Ele bebia cerveja, ela água. Ele estava com os colegas de trabalho, ela com as ex-colegas da faculdade. E ela já havia se interessado por ele, já deu bandeira e até se insinuou em outra oportunidade. Discretamente. Ele se fez de desentendido, mesmo assim, raramente acabava uma festa sozinho. Ela nunca ia embora acompanhada.







Conversaram num canto do bar, entre muitos sorrisos e alguns goles das suas respectivas bebidas. Não estavam propriamente flertando. Na verdade estavam sim, apenas tentavam fingir que não. Foi quando chegou Lise. Era uma das ex-colegas de faculdade dela, talvez a mais bonita, queixo e nariz harmônicos, cabelo preto, curto, com a nuca à mostra, olhos grandes, cor de esmeralda. Lise passava longe de ter qualquer equilíbrio entre beleza e inteligência.







Ele perguntou quem era. Ela, elegante, como sempre, apresentou os dois e saiu de cena. Ela não era feia, pelo contrário, alta, magra, cabelos longos, olhos verdes, boca grande, do tipo que chama a atenção e até ouve alguns elogios. Preferiu ir embora.







Não estava chateada, nem com ele nem com a Lise. Não tinha perdido nada, já que não se perde aquilo que jamais se teve. Apenas resolveu ir embora. Pensava quanto tempo demoraria até Lise soltar uma das suas pérolas. Se ainda assim ele a levaria embora ou pelo menos a acompanharia até o carro. Será que vão trocar telefones? Lá foi ela, se despedir das demais colegas, pagar a conta e quando foi até a guarita do serviço de manobristas para pedir o carro, ele estava lá. Sozinho.







Ela parou do lado dele, entregou a ficha de número 800 para o manobrista. Quieta. Ele colocou por cima dela o casaco que tinha nos braços:







- Pensei que já tivesse ido...



- Pensei que tu fosse ficar mais.



- Pensei que não seria tão bom.







Ela riu. Eles eram iguais e diferentes, ao mesmo tempo e sem explicação. Um havia lido a entrelinha do outro.







O carro dele chegou. Ela tirou o casaco do ombro e foi devolver pra ele...







- Amanhã eu pego. No bolso direito tem meu telefone, vou esperar que tu me ligues dizendo onde vamos jantar.







Se abraçaram por uns 3 ou 4 minutos, mudos.







Ele foi embora. Logo chegou o carro dela. Ela enfiou correndo a mão no bolso direito, estava lá, o telefone dele, premeditadamente escrito num guardanapo. Ela riu.







Nunca ligou.

fim!
 
 
 


AGORA EM CAPS LOCK:

BETA, EU TÔ MUITO FELIZ POR TE TER DE VOLTA!

beso


Música:

Who is the man I see

Where I'm supposed to be?

I lost my heart, I buried it too deep

Under the iron sea



Oh, crystal ball, crystal ball

Save us all, tell me life is beautiful

Mirror, mirror on the wall



Lines ever more unclear

I'm not sure I'm even here

The more I look the more I think that I'm

Starting to disappear



Oh, crystal ball, crystal ball

Save us all, tell me life is beautiful

Mirror, mirror on the wall

Oh, crystal ball, hear my song

I'm fading out, everything I know is wrong

So put me where I belong



I don't know where I am

And I don't really care

I look myself in eye

There's no one there

I fall upon the earth

I call upon the air

But all I get is the same old vacant stare



Oh, crystal ball, crystal ball

Save us all, tell me life is beautiful

Mirror, mirror on the wall

Oh, crystal ball, hear my song

I'm fading out, everything I know is wrong

So put me where I belong


(Keane - Crystall Ball)



*** Às vezes eu faço certo fazendo errado. Na maioria das vezes que eu acerto, foi tentando errar. Não vejo muito problema em errar acreditando estar certa. #justlive

Comentários

Ana disse…
Mestra!Cada dia tu se supera.Adorei o texto e a música é demais!
beijos maudrey
Anônimo disse…
solteira por opção?
Carlos disse…
Alta, magra, cabelos longos, olhos verdes, boca grande e "não era feia"???? Tenho certeza: ERA UM ESPETÁCULO! É! E qualquer semelhança é mera coincidência, né?
Os Contículos tão crescendo, crescendo...
Gostei!
Beijo!
Artur disse…
Gosto muito do que escreves. Fiquei pensando se fizeste mesmo isso. Inegável que "ela" és "tu". És incomparável nos textos.
Abraços.
Keila disse…
Adorei o contículo e acho até que poderia ter parte 2.

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…