Pular para o conteúdo principal

uma nota só

E depois dos dias nublados, sem motivo me faço radiante dia de sol. A tempestade que se armava foi embora, cessaram os trovões, não vejo mais raios. Tudo isso contra a minha vontade. Sim! Às vezes tento fazer com que o mau humor impere apenas para que eu me sinta mais humana. Da mesma maneira que às vezes preciso colocar uma futilidade na minha vida, sem julgar ou condenar.

Não quero mais ouvir lamentações. Minha ouvidoria de reclamações está em greve. Desculpa, eu sei que é egoísmo, mas é temporário, garanto.

É que de uma hora pra outra, tudo que eu escuto são pessoas na minha volta dizendo: “que saco, dia dos namorados sem namorado”. Ok. Mas antes do dia 12, tudo bem não ter namorado? E depois? Também? Parem de reclamar, ou reclamem do frio, sei lá... Simplesmente reclamem pra outra pessoa, então! Eu estou no maior climão de dia dos namorados, adoro o dia dos namorados... Me fazendo feliz – o certo seria “fazendo-me”, mas acho assim mais poético. Comprei-me (uau!) presentes, comprei um vinho, ando fazendo boas jantas e sobremesas especiais. Enfeito a mesa, acendo velas, lareira, filminho, cobertor. Cheguei a me passar ontem colocando duas taças na mesa! Danço e canto pra mim. Estou romântica até por dentro dos olhos. Aliás, estou romântica a olhos vistos, tenho me achado até mais sexy. (?!?!?!)

Quero que todas as pessoas do mundo que têm namorado aproveitem da melhor maneira possível. Enfrentem as filas dos restaurantes, filas nos motéis, bares, gastem com presentes, escrevam cartões com dizeres apaixonados, letras de músicas... Tudo isso que faz parte e eu acho o máximo. Adoro casais apaixonados. Adoro os apelidos bregas. As despedidas de namorados duram eternidades! Os telefonemas rendem contas astronômicas. Lindo. Eu juro que não estou sendo irônica. A Raica, minha gata é testemunha e Corinne Bailey aqui cantando acabou de dizer “tell me I'm forgiven”. Óbvio que está, como qualquer um que ama, desama, gostaria de amar e ser amado neste dia.

Particularmente, prefiro ser amada todos os dias. E amar diariamente. Ainda não sei se é possível, a vida é um tempo que eu gostaria de usar para descobrir.

Também não estou dizendo que eu não acredito no amor. JAMAIS diria isso. Acredito, confio e às vezes ele até me convence, nas suas mais variadas modalidades, que é essencial. Gikovate talvez não concorde.

Bom, amando ou não amando, sozinhos ou acompanhados, não reclamem. Aproveitem. Se não há quem amar, se o amor não é correspondido, ame-se! E é um bom começo, se encontre pra depois se perder. Ah, acho tão bonito quem se perde no caminho alheio... não dá nem pra deixar pãozinho pelo caminho pra tentar voltar.

A melhor maneira de fazer outra pessoa feliz é sendo feliz. Não condicione a sua felicidade à companhia alheia. O que funciona é ser feliz e quem quiser ser feliz junto, que chegue mais. Aí começa a diversão de ser feliz a dois.

Não é a solidão que faz aparecer esse montão de reclamações. Ou é e eu estou equivocada?

Acho que a coisa vai mais além. Sei lá, um sentimento de exclusão. Hoje eu quis comprar um brinquedo pro Fido e a loja era tomada de ursos com corações e dizeres “I LOVE YOU”. Eu só queria um playmobil! E não venham me dizer que não é isso. Que no dia das mães ninguém sente isso por não ter filho, porque mesmo quem não tem é filho de alguém. Então participa igual.

Pensando bem, talvez vocês tenham razão. Talvez o dia dos namorados seja mesmo cruel e sarcástico, excludente! Me lembrem de sentir isso no dia do índio, no dia da árvore... Mas por favor, não reclamem mais pra mim, eu estou me namorando, apaixonadamente. Fiquem bem. Sobrevivam. Aproveitem. The Love is in the air...

Porém, o amor é outra coisa.

Um beijoS!
Ah, por favor, além dos recomeços, me perguntem sobre o amor. Aaaah, o amor!


Heart of Glass
(Nouvelle Vague)



Once I had a love and it was a gas


Soon turned out had a heart of glass


Seemed like the real thing, only to find


Much to mistrust, love's gone behind










Once I had a love and it was divine


Soon found out I was losing my mind


It seemed like the real thing but I was so blind


Much to mistrust, love's gone behind










In between


What I find is pleasing and I'm feeling fine


Love is so confusing there's no peace of mind


If I fear I'm losing you it's just no good


You teasing like you do










Once I had a love and it was a gas


Soon turned out had a heart of glass


Seemed like the real thing, only to find


Much to mistrust, love's gone behind










Once I had a love and it was divine


Soon found out I was losing my mind


It seemed like the real thing but I was so blind


Much to mistrust, love's gone behind










Lost inside


Adorable illusion and I cannot hide


I'm the one you're using, please don't push me aside


We could made it cruising, yeah






It's just no good


You teasing like you do


Comentários

rafael disse…
nestas hosra q eu penso q Deus existe a mulher ideal tb!
bj linda!
Michelle disse…
É lindo ser de bem com a vida.
Parabéns. Foto perfeita!
Carlos disse…
Uma Mulher: Kuky!

Uma Palavra: PERFEIÇÃO!

Como não te Amar?
Anônimo disse…
Aplaudi em pé cada letra desta mestra. Fala de amor?
Jéss disse…
Maravilhoso o texto!
Respeitei a atitude e admirei a paixão.

Você me lembrou uma frase que passou a semana inteira na minha mente: "Você pode ficar escondido em casa, protegido pelas paredes. Mas você tá vivo, e essa vida é pra se mostrar. Esse é o seu espetáculo. Só quem se mostra se encontra. Por mais que se perca no caminho." (Cazuza)

beijos'
Keila disse…
Texto mais que perfeito é o que? Adorei! Fico imaginando se eu e vocÊ for conversar sobre as teorias do amor, também tenho várias. E sou muito adepta do amor proprio, penso que quando você se ama, está livre pra qualquer outro amor.

Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…