Pular para o conteúdo principal

das desculpas que eu não peço

PEQUENO ESCLARECIMENTO: este post já foi publicado no blog antigo, mas revivi ele por se encaixar perfeitamente ao dia de hoje, nesta semana. Também porque sem ele a Jana não vai me dar alta!
 Aquele que já estava engatilhado, eu publico depois.

Desculpa se eu não peço licença e acabo invadindo os lugares que não me são permitidos, se fazendo isso eu cometo atropelos. Desculpa pelas minhas desobediências, mas eu nunca disse que era uma menina boazinha, desculpa pela minha mania de pensar demais, de querer demais, de fazer demais e esperar de menos. Desculpa por todas as palavras que eu não disse e pelas que eu disse mentindo, mas estava escrito na minha testa que era mentira.



Desculpa pelo meu amor cínico, pela intensidade passageira, pela falta de tato. Desculpa pelos choros mentirosos e risadas pretensiosas. Desculpa pelos pequenos segredos, pela personalidade forte, pela falta de submissão, pela inteligência, pela opinião, por ter ligado o foda-se, por jogar as coisas por cima, pelas pequenas explosões, pelos dias de chuva. Desculpa por pisar em ovos (querendo que quebrem). Desculpa por quebrar as correntes, pelas mãos de areia.



Desculpa por não saber falar de sentimentos, por abraçar quando eu quero correr, por dar oi quando eu quero sumir. Desculpa por ser bem resolvida, pela auto-estima, pelos superlativos. Desculpa por não saber todas as respostas e por inventar explicações malucas, por acreditar nas minhas teorias, por alimentar meus monstros, por cultivar meus defeitos. Desculpa pela ousadia. Desculpa pelos gritos que eu prendo.



Desculpa por saber voar sem tirar meus pés do chão, por morar no meu umbigo, por escolher quem eu vou amar, por desamar, por desarmar, pelo desapego, por selecionar palavras certas nas horas erradas e palavras erradas nas horas certas, por me apegar nos detalhes. Desculpa pelas observações e declarações fora de hora. Desculpa pela racionalidade, pela impulsividade, pela imoralidade, pelas calorias fora de hora, pelos pequenos desejos e pelas aventuras. Desculpa por arriscar e querer mais, por ser eternamente insatisfeita, por me reinventar e ser intranquila. Desculpa por ainda assim me sentir em paz e vibrar diferente.



Desculpa por torcer, por vibrar, por não ouvir, por me fazer de besta, por olhar pro lado, por atravessar a rua e não respeitar as placas de pare. Desculpa por dar valor ao que eu acho certo. Desculpa por não ser sexy, pelo jeito casual, pelos palavrões que escapam sem querer. Desculpa por acreditar no destino quando me convém e nas simpatias, mandingas e manias. Desculpa por rogar pragas, esbravejar, maldizer e torcer o nariz. Desculpa pelas horas que eu gasto lendo pessoas, pelo medo que eu tenho de ser desvendada, por pular a janela, por escalar o muro, por descer a escada e torcer o pé, pela porta fechada. Desculpa pelas minhas escolhas, por ter uma vida e por me conhecer.



Desculpa por jamais poder pedir estas desculpas, por ser assim, por ser doce e ter casca, por quebrar o gelo, pela política, pela intensidade e pela inconstância. Desculpa pelas pequenas, médias e grandes insanidades e inconsequencias.



Desculpa por fazer bolhas de sabão com as minhas alegrias, de soprar elas ao vento e ver uma a uma virarem nada. Desculpa se a beleza está no momento, mas essa culpa não é minha, não fui eu quem inventou o sentimento. Nem no auge da minha maior crise de criatividade eu ousaria...

****
Com vocês, o ornitorrinco!beso!

 
Ah, sim, já fui menos covarde, sim!!! Já me escondi menos, já fugi menos, já sumi menos... Mas já fiz menos tanta coisa! E também já tenho quase completa minha lista de loucuras. Mil vezes ja tomei banho de chuva, de temporal, já caminhei no meio do vendaval, comendo poeira. Já corri nua. Já dancei no meio da rua (sem música). Já pulei sem parar a noite inteira. Meu final de semana já teve um dia só, com duas noites, duas manhãs, mas parecia tudo tão madrugada (aliás, não foi?!), minhas semanas já tiveram menos dias, mais dias, mas nunca dias iguais. Por isso que os devaneios e as insanidades sempre deixam sempre um gosto de quero mais. Loucuras são repetíveis, mas dias iguais, jamais. Prefiro respirar em dias livres, escolher se chovo, faço sol, fico nublada, ando na faixa ou na calçada (?!), fico de bem ou emburrada.

Hoje eu já sou menos inquieta, mais discreta. E continuo sendo eu, em muitas faces e mesma pessoa... ô vida bem boa!!! Tá, mas muito lero-lero, falei, falei e não expliquei o que eu quero.

Só vim dizer que se eu achar pertinente (e também acho beeem prudenete!!), vou seguir do mesmo jeito. De repente, mato mais coisas no peito...
(já viram que sol tá na rua hoje???)


****

Somos o contorno daquilo que ninguém sabe como desenhar.
Somos a inspiração do que alguém projetou sem executar.
Somos o sonho mais perdido e a razão mais vazia.
Somos o que ninguém sabe, nem explica por quê.
Somos matéria.
Somos alma.
Somos algo que ninguém quer entender.

Comentários

Anônimo disse…
Um post bem biscoita. Só a kuky é a kuky.
Carlos disse…
Outra vez:
God... TKS!!!!

Ps. Desculpe, mas não peças desculpas por seres assim tão Kuky...
Caroline disse…
Amei este texto. Sensacional rolou muita identificação.
artur disse…
Lindo texto, são boas desculpas para não serem pedidas! Beijos
keila disse…
Adoro esse teu texto. Foto muito original, é bem ao estilo Kuky.

beijos
Anônimo disse…
Parabéns pelo texto. Parece ter um potencial para seres escritora. Grande abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…