Pular para o conteúdo principal

42

A tentação de um erro é muito grande. Quando o erro é bom, é enorme. Não adianta tentar convencer de que não é um erro, tenho tendência a querer alguns deles. Os propositais me fascinam. Sabe erro que vem em loop. Tu já o erraste uma vez, passou, e ele vem de novo, tu vês a onda se formando. Mergulho? A resposta é óbvia, se mergulhar tu sabe que vai tomar caldo, sabe que vai se afogar. Até voltar à superfície serão muitas braçadas. E o que se faz? No máximo tampa o nariz com os dedos: indicador e polegar. Que maravilha. A sensação de estar mergulhada nesse equívoco e não ter ninguém por perto que possa jogar uma bóia.
 
Esta sou eu. Parada na frente desse mar de falhas que eu já conheço. Oi, já fomos apresentados? Sim, mas eu não quero que tu me pague nenhuma bebida.

Estou só sentindo o vento e observando as ondas se formarem. Uma hora são inofensivas marolinhas. Em segundos, são tsunamis. Ainda estou parada, contemplando, escolhendo o melhor momento de sair correndo e tapar o meu nariz. Na areia estão poucas pessoas que sussurram em coro: não vai, não vai. E por que eu sou tão teimosa? E por que eu quero ir? Sabem quantas vezes eu já me afoguei?
 
Perdi as contas.
 
Sabem quantas vezes eu gostei?
A maioria delas.
 
Por isso são tão tentadores estes erros.
 
O fato é que o perfume, a textura da barba roçando no meu rosto antes do beijo, o toque, o abraço e todo o filmezinho que antecede o mergulho fatal, me seduz. Fico remoendo as palavras que já foram ditas e o olhar profundo. Os sorrisos cínicos e os verdadeiros, que eu nunca quis saber diferenciar.

Aquela ardência nas narinas da água salgada, tentar sair, querendo ficar mais um pouco, braçadas pra lugar algum. Confesso,  sair viva, olhar pro mar que eu enfrentei e venci, é o desafio que me ganha. Talvez algumas histórias nunca devam ultrapassar as cortinas azuis. Ultrapassar as janelas é tarefa para outros tipos de pessoas, não o tipo certo de pessoa errada. Pelo menos posso pintar meu mar da cor que eu escolher.
 
Cílios longos são a minha ruína.

----
 
Verdades verdadinhas da semana:
Só ainda não decidi se as digo por  ordem de acontecimento ou de importância... Vai por ordem de lembramento.
 
- Não pegue, não aperte, não sufoque, não se mova. São bons conselhos.
 
- Vida profissional, ok. Acadêmica, ok. Familiar, ok. Amigos, ok. Boa mãe, boa filha, boa amiga, boa aluna, boa profissional... esqueci de alguma coisa?!
 
- Nunca há certeza quando os fatores do produto são duas pessoas. Se forem de sexo oposto, então, a equação não comporta prova real.
 
- Desenruga esta testa. Desfaz este beiço. Isso tudo é teatro requentado!
 
- Tem dias que quero aprender, outros prefiro ensinar. Mas na maioria deles, eu só quero mesmo sorrir.
 
- Deve ser muito chato ser a regra. Prazer, exceção.
 
----
AMOR ERRADO - FERNANDA PORTO
Eu pensei que pudesse esquecer um amor errado



Indo embora de casa, cortando o cabelo, escrevendo cartas


Eu sonhei que o tempo bastaria


Que nunca mais quando fosse noite


Viria o rosto, o volume dos ombros


O cheiro de pescoço encostado...

Acreditei em poder suportar certas misérias, deitada sozinha


Não percebi que o amor estava confundido às ferragens da alma


Ele vem atrás, ele vem atrás até quando estamos dormindo...dormindo!

Eu pensei que ele aceitasse ser abandonado


Mas percebi que fica enroscado nos tornozelos da gente


Rosnando baixinho para ser ouvido até mesmo, até mesmo debaixo dechuva, debaixo de chuva.

Eu pensei que pudesse esquecer um amor errado


Eu pensei que pudesse esquecer um amor errado


Debaixo de chuva...


(até o fim)

Comentários

Anônimo disse…
Assustadoramente divina.
Carlos disse…
Mergulha Kuky! Mergulha!
Mergulhaste por águas profundas desta vez senhorita. No ponto da vida que estamos, de tanto já ter mergulhado por ai, nada mais nos coloca medo.
Anônimo disse…
Aprendi a ser sua fã.
Jéss disse…
Mergulhos cada vez mais fundos no mar profundo.. Vai lá, e volta viva!

Adoro teus textos!
artur disse…
Ruiva, destemida, inteligente, linda. Tenho mais de mil motivos para sempre ler os teus encantos. Beijos
Guilherme disse…
42?
BETO disse…
Bocuda, surra de laço em vc, ja está avisada. Bj

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…