Pular para o conteúdo principal

na teoria funciona bem

A conclusão é óbvia, tudo é questão do ângulo de observação. Eu, como detesto metafísica, fico cá no ângulo de mim. Não quero sair de mim, me olhar de fora pra saber o que eu sou. Interpretar o meu ser é uma questão de ficar exatamente onde eu estou, não me mover um milímetro. E vejo que está tudo bem por aqui. Os barulhos de dentro são altos, mas harmônicos, não ofendem os tímpanos. Se me recolho do mundo de todos pra prestigiar a minha companhia, é por isso. Eu me dou bem demais comigo. Sou apaixonada pela minha pessoa, meus próprios mistérios me fascinam, meus destemperos e excessos. As regras que eu invento, depois desinvento, quebro, colo, são puras exceções.



A regra é ter equilíbrio, desde que não seja morno, desde que desça do muro, desde que eu não morra de tédio, desde que não seja mesmo tão equilibrado assim... É isso mesmo, não me leve tão a sério, nem eu faço isso. Sou uma caixinha de surpresa.



Não me ataque à primeira vista, há uma chance muito grande de não haver a segunda vista. Gosto de tipos estranhos, mas precisam me divertir. Cultura também é necessária. Essencial. Fundamental. Gosto que conversem comigo, me ensinem coisas, me contem histórias e, com algum tempo, vou gostar se me provar que eu estive errada sobre alguma coisa que não seja minha mais nova convicção eterna – que também pode acabar em segundos. Mas não me retruque, não diga como devo fazer, o que devo pensar, como devo agir, não critique meus maus modos, nem meu jeito pouco convencional de fazer o que der vontade, ainda que não seja na hora mais adequada. Faz parte do meu show. Se eu sou do avesso, é porque assim a estampa fica mais charmosa. Quem conseguir olhar pro meu lado de dentro, ganha um doce. Um doce de pessoa: Eu.



Eu sei que não sou uma pessoa muito fácil. Mas quem sabe me levar, acaba tendo tudo de mim, desmedida. Sei lá por que eu sou assim... Talvez porque eu sou de aquário! Porque sempre fui mimada. Porque devo ter traumas ocultos. Sei lá. Já que a culpa é minha, posso colocá-la em quem eu bem entender. Estou errada??? Eu gosto de fugir. Gosto de sumir. Gosto de não dar explicação, de não ser cobrada, de não ter por quê. Não me interrompa, me diga os nãos corretos, não me abrevie, mas me coloque limites com cuidado para que eu não desconfie. A rebeldia me ama.



Ainda tenho descrença sobre alguns sentimentos e prefiro acreditar mais no meu cérebro do que no coração. Mesmo assim, jogo limpo. Não faço de conta que não sinto nada se morro de amores, nem que amo muuuito quando não sinto nada. Apesar dos meus amores cínicos, é real o sentimento enquanto dura. Interprete meus olhos, eles sempre deixam escapar o que se passa na minha cabeça. Traidores.



Quando eu mexo no cabelo, não quer dizer sim. Quer dizer que mexi no cabelo. Quando eu sorrio, não quer dizer sim. Quer dizer, sorri. Quando eu fico quieta, não quer dizer, sim, nem não, tampouco nenhuma das opções anteriores. Quer dizer apenas isso: nada. Silêncio. Uma linda e longa pausa prolongada num limbo de palavras desnecessárias. Me faz bem, o lado de dentro faz barulho alto, ou cala também num misto de medo, admiração e ansiedade. Não sei o que vem agora. Tem horas que não quero saber. Tem horas que não saber me desespera. A minha alma é cigana, só sossega na mudança. E só faz isso quem tem um porto, quem sabe pra onde voltar. Há sempre um lugar que a âncora encontra conforto.



E enquanto tu fala e pensa que me encanta, acha que me surpreende, meus olhos procuram a saída de emergência mais próxima. O que tu ganha? Meus sorrisos, uma boa história, um tempo legal e, provavelmente, um monólogo. Eu posso ir embora sem dar tchau, mas eu nunca saí com a cabeça baixa.


Não sei muita coisa, invento outras tantas.

Não sei se há amor. Nem se quero que haja. Não sei se tenho medo porque dizem que tira o fôlego. Eu não quero ser a última romântica. Nem nisso eu gosto de ser a última, quero apenas ser a primeira das minhas incertezas, porque odeio as dúvidas desconhecidas.

Hoje eu acordei interrogação.
Uma verdadeira incógnita.


MUSIQUINHA:

Do filme Letra e Música. Já vi oitocentas vezes, daí na vez oitocentas e uma, me deu um estalinho quando ouvi: And I'm open to your suggestions e me lembrou alguém. Vai entender...



Way Back Into Love



I've been living with a shadow overhead


I've been sleeping with a cloud above my bed


I've been lonely for so long


Trapped in the past, I just can't seem to move on





I've been hiding all my hopes and dreams away


Just in case I ever need 'em again someday


I've been setting aside time


To clear a little space in the corners of my mind


All I want to do is find a way back into love


I can't make it through without a way back into love

 
I've been watching but the stars refuse to shine


I've been searching but I just don't see the signs


I know that it's out there


There's got to be something for my soul somewhere





I've been looking for someone to shed some light


Not somebody just to get me through the night


I could use some direction


And I'm open to your suggestions

 
All I want to do is find a way back into love


I can't make it through without a way back into love


And if I open my heart again


I guess I'm hoping you'll be there for me in the end


There are moments when I don't know if it's real


Or if anybody feels the way I feel


I need inspiration


Not just another negotiation


All I want to do is find a way back into love


I can't make it through without a way back into love


And if I open my heart to you


I'm hoping you'll show me what to do


And if you help me to start again


You know that I'll be there for you in the end

Comentários

Invejo o teu auto-conhecimento, Lou. Mas é uma inveja boa, sadia.
Acho que ambos temos uma bangunça interna mental (termo cientifico q eu inventei agora), uma espécie de festa cerebral com todos nossos eu's bombando. Mas vc ainda tem o dom de se organizar com todas as suas Louises.
Já o seu amigo aqui...

By the way: great post
Keila disse…
Ah Kuky, acho que tudo o que eu precisava hoje era ler ese texto. Me sinto um tanto mais normal.
BETO disse…
Só quem conhece vc p saber q é bem assim, tudo certo, nada decidido. Uma pessoa volátil. Cheia dos princípios, meios e fins, todos eles relativos. Perfect!bj
BETO disse…
PS na pratica tb funciona bem, vc sabe.
Dani disse…
É o primeiro que leio, vou ler todos, adorei!
Anônimo disse…
acabo de descobri pq te amam.
artur disse…
continua complicada e perfeitinha
Anônimo disse…
Cara de arteira na foto. Amo tu tatu, saudade. Beijoooo Karol
Carlos disse…
Kuky, tu és um orgasmo mental!
Ô coisa bem boa frequentar este Blog...
Anônimo disse…
Tenho atração por mulher assim.

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…