Pular para o conteúdo principal

tinta

Dou risada. Sim, preciso. Não me resta outra alternativa, tenho que dar risada. Dessas coisas bobas, dessas coisas da vida, dessas voltas que o mundo dá e dessas gentes que ainda tenta me entender, rotular e explicar. Dou risada, não dou explicação. Me levam no máximo um sorriso, enquanto faço um gesto batendo as pontas dos dedos da mão esquerda nos da mão direita. E suspiro.

Não guardo rancores, nem na caixa de e-mails.

Se é por preguiça, se é por comodismo, não sei. Justifico por evolução, mas não sei explicar. Não sou partidária de me incomodar ou passar trabalho pelas coisas idas.

Mas a mágoa não passa instantaneamente, nunca disse isso. Jamais vou negar que sinto ou senti, só digo que ela passa. E por tê-la sentido – e não é a sensação mais agradável do mundo – eu não guardo rancores.

Eu sou flexível, adaptável, maleável, sou tantas sem me desabitar. Alimento meus gostos e meus desgostos e lambo as minhas próprias feridas. Poucas coisas exigem tamanho autoconhecimento. Saber onde aperta o sapato é mais complicado do que saber do que se gosta. Onde dói? O que te faz sangrar? O que te faz ter sangue nos olhos?

Vou ser mais ousada, vou dizer que me sinto bem viva quando encontro o que me incomoda. Fico bem por não guardar, o que a gente guarda, volta, já me disse um sábio. Administrar a frustração é uma arte, mas não é uma obrigação. Não guardar é assumir, é ser sincero pra si. Cada um encontra seu jeito de ser sincero e assumir suas frustrações, encontra um pouco mais de liberdade. A liberdade de se conhecer e de poder ser o que é. Por isso, não tentem me entender, me rotular, me criticar ou apontar pelas minhas atitudes... vou continuar rindo e suspirando.

Não interessa o tanto de mágoa que houve, o tamanho da frustração ou decepção. Doeu. Foi ruim, como a maioria dos finais é. Foi necessário, como todos os finais são para que possam ter começos.

Não se pode viver dentro de uma armadura. Isso é falso, não é humano.

É como se nós tivéssemos uma tela em branco na frente, podendo pintar o que quiser, podendo pintar a paisagem mais bonita, o retrato mais perfeito. E a tela continua em branco. Por quê? Porque só foram usadas cores claras, só o branco. Apenas as luzes, sem sombras, não há o que dê profundidade, não tem definição do que seja horizonte, fundo, frente, nada. Sem luz, sem sombra, sem contrastes, sem história.

Eu quero usar todas as cores enquanto pinto a minha história. Quero olhar pro meu quadro e apreciar a obra inteira, com orgulho de cada pincelada, com orgulho de cada borrão.

Free



We could let this love be the fading sky
We could drift all night until the new sun rise
Pass me a drink or maybe two
One for me and one for you
And we'll be
Free, Free
Free, Free
Here comes corner winds and the changing' tide
We better drop them sails and get inside
When will the weather ever let us go
I guess we'll have to wait until the trade winds blow
When we'll be
Free, Free
Free, Free
There's nothing in between
What we are, what we see
There's nothing in between
What we are, what we see, what we are
We are just
On a life boat sailing' home
With our drunken hearts and our tired bones
Well I just take one last look around
Yeah an' every place feels like a familiar town
And now we're
Free, Free
And don't you wanna be
Free
From time to time a little
Free
Hey now now
Free
I know you know your
Free
Feels so good to be
Free

Comentários

Carlos disse…
E se e quando esta obra-prima estiver terminada, com todas as suas nuances de cores e tintas, o Louvre será pequeno para ela...
Coisa bem boa começar o dia te lendo!
Beijo Grande!
Anônimo disse…
Vcs e seus textos...

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…