Pular para o conteúdo principal

que se dane amélia

A mesa era redondinha, mas ficava encostada numa das paredes da cozinha. O meu lugar era entre a mesa e a geladeira, quem mandou ser magrela... O cardápio da janta era pizza e bebíamos vinho.

- Me passa a mostarda?

Dei uma espirrada de mostarda na mão dele e sorri enquanto mastigava a fatia de pizza que estava quase inteira na minha boca. Sorrir de boca cheia não é charmoso pra fazer na frente do noivo. Ele franziu a testa, limpou a mão no guardanapo, colocou a mostarda no canto do prato, continuou comendo, como se nada tivesse acontecido. E aconteceu? Aconteceu. Naquela hora tive certeza do que já desconfiava, era mesmo hora de ir embora.

O anel de noivado era bem bonito... pena.

Não me encaixo na forma de mulher ideal. Não me encaixo na forma da mulherzinha, não sou convencional, não dou muita importância para a maioria das coisas que se aprende e que eu acho superficial! Sei lá. Ali eu vi: esposinha, nunca serei.

Não que eu não curta amar de maneira desmedida, não que eu seja incapaz de agradar, de conviver com alguém! Sei cozinhar, passar roupa, varrer antes de tirar o pó, costurar uma meia furada, marcar uma bainha, lavar tecido que mancha com sal pra não sair tinta, usar vanish (salvador de todas as manchas), esticar um lençol, escolher um vinho, organizar um jantar, organizar vidas, rotinas... ah, pelas barbas do profeta... Sei usar os talheres de fora pra dentro, dizer obrigada, por favor, com licença e lavar as mãos. Não me falta finesse, me falta mesmo a frescura! Sou eloquente, despreocupada, um pouco irascível, um tanto sagaz. Não faço drama e tenho plena consciência do tanto que é complicado me entender. Mas isso não tem a menoooor importância, não quero mesmo ser entendida, nem explicada, isso até me irrita. Muito me irrita!

Eu gosto de comer com as mãos, fazer farelo e lamber os dedos. Amo correr de meias e deixar escorregar sem querer algum palavrão da boca. Encoxadinha na pia da cozinha? Adoro! Passar a mão na bunda na caixa do super? Ah, por favor, finge que ninguém viu. Agarramento na fila do sorvete, não curto, quero meu sorvete. Beijos de cinema na frente da família, odeio.

Não dá. Vida de mulherzinha pra mim, não acontece. Não nego minha feminilidade, adoro uma fofoquinha, um filme melosinho. Sou bem favorável a cuidar de filho, casa, marido, família, trabalho e animais de estimação! Só que eu curto esquecer os limites, trocar o rumo no meio do caminho, sair com esteira e canga dentro do carro e acabar na Serra. Esposinha, nunca serei. Gosto de levar café na cama e levar a toalha limpinha no banheiro. Mas sorrisinho amarelo de sim senhor, blá blá blá demais, frescurinhas, nem a pau. Gosto de falar o que penso e o que eu sinto, assumir o que eu fui e dizer o que eu quero, ter história, tomar pilequinhos em casa, mudar a cor das paredes, zanzar escabelada como uma louca e gritar quando a pilha de roupas do armário tenta me atacar pela manhã. Sou assumidamente inoportuna. Sou assumidamente desmedida. Invento teorias malucas e regras pra não cumprir e cobro credibilidade! Gosto da parceria, do entendimento pelo olhar, ou que pelo menos o olhar me diga “eu não tenho a menor ideia do que vai acontecer agora, mas ok”. Sou inquieta por fora e calminha por dentro.

Gente chata me cansa e parentes chatos me dão náuseas! Ah, ficar de cara feia e dizer que não foi nada, também não dá. Objetividade é ouro nessa vida, tempo é uma coisa que eu não tenho pra perder. Sou dinâmica, benhê. Não confundam – por amor a todos os santos – com frieza ou indiferença. O amor é outra coisa.

Afe e as mulherzinhas... tudo que querem é um maridinho. Casamento não é só uma cerimônia, não é levar um anel na mão esquerda.

Que lindo.
Adoro quando a mulherzinha vem e me pergunta: e tu? Não vai tomar jeito na vida?

Ora bolas, madame, vá a senhora tomar bem no meio das pregas!


Verdades verdadinhas da semana:
 
Algumas pessoas falam em loop.
 
The love is in the HAIR. (tem graça na terceira garrafa de vinho, juro)
 
"Fico impressionado, tu é tão..."
(eu esperando o maiooor elogio do mundo) "Magrela".  #quiiibooom
 
"E também é tão..." (ah, maravilha, ele vai emendar e se salvar de arder no fogo do inferno dos trouxas)
"... tão longilínea!"
(Alô, Capeta dos Trouxas, entrega especial!)
 
 
 
- Tu comprou uma máquina de costura?
- Siiiim!!!
- Pra quê?
- ... passar café! (besta)
 ****
 
- Mas tu gosta dele?
- Amo!
- E ele gosta de ti?
- Com certeza, me ama!
- E por que vocês não estão juntos???
- Acredita que não é o suficiente?
- Não.
- Ótimo!
 
****
 
MUSIQUINHA DELICINHA
 
Quando eu te vejo



Espero teu beijo


Não sinto vergonha


Apenas desejo






Minha boca encosta


Em tua boca que treme


Meus olhos eu fecho


Mas os teus estão abertos






Tudo bem se não deu certo


Eu achei que nós chegamos tão perto


Mas agora com certeza eu enxergo


Que no fim eu amei por nós dois






Esse foi um beijo de despedida


Que se dá uma vez só na vida


Explica tudo, sem brigas


E clareia o mais escuro dos dias






Tudo bem se não deu certo


Eu achei que nós chegamos tão perto


Mas agora com certeza eu enxergo


Que no fim eu amei por nós dois






Mas você lembra!


Você vai lembrar de mim


Que o nosso amor valeu a pena


Lembra é o nosso final feliz


Você vai lembrar...


Vai lembrar...sim...


Você vai lembrar de mim.






Esse foi um beijo de despedida


Que se dá uma vez só na vida


Que explica, tudo sem brigas


E clareia o mais escuro dos dias






Tudo bem se não deu certo


Eu achei que nós chegamos tão perto


Mas agora com certeza eu enxergo


Que no fim eu amei por nós dois






Mas você lembra!


Você vai lembrar de mim


Que o nosso amor valeu a pena


Lembra é o nosso final feliz


Você vai lembrar...


Vai lembrar...sim...


Você vai lembrar de mim.

Comentários

Anônimo disse…
O teu problema sempre foi ser inteligente d+.
Beijos, L.
Carlos disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Carlos disse…
Mulheres Amadas, leiam Kuky, sigam Kuky, copiem Kuky, sejam Kuky!!!

Kukynha, que bom que tu existe!

Uma dica pro Anônimo aí de cima: não é "problema", é SOLUÇÃO!
Inteligência é Afrodisíaco!!!
Keila disse…
Simplesmente perfeito.

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…