Pular para o conteúdo principal

camisola de matar marido

- Agora chega! Sou bem grandinha, é hora de ter uma camisola! – Decretei sozinha no quarto ao me deparar com a cena no espelho. Eu de camisa xadrez de flanela, meias listradas e pantufas de pé de monstro com direito a garras, com uma xícara de chá na mão.

 
- Deprimente! Tenho 30 anos, nem minha vó de 80 e muitos deve se vestir assim pra dormir! Amanhã compro uma camisola. É isso ou a vida!


Minha gata, em cima da cama, apenas virou as orelhas pra trás e continuou procurando o melhor lugar em cima do travesseiro. Já estava acostumada com as minhas decisões noturnas, promessas não cumpridas, teorias infundadas, confissões pro espelho e principalmente comigo naqueles trajes.


Eu estava convencida, dessa vez era sério. Eu que amo ficar sozinha, me agradar, me paquerar, aproveitando o máximo da minha privacidade, no auge do isolamento e egoísmo que beira à ignorar o mundo, dei de cara com uma baranga!!! Pior só se eu usasse rolo ou passasse uma nhaca verde na cara.


Saí do trabalho e rumei ao shopping na hora do almoço. Numa vitrine encontrei ela: uma camisola de matar marido!!! Siiiim!!! Era ela. Comprei, nem experimentei, já conheço meu próprio tamanho. Pedi pra embrulhar pra presente! Yeah... uma camisola e da-que-las. Fui pra casa, levei meu pequeno rebento pra aula, contei da camisola, ele não deu muita atenção. Voltei pro trabalho. Tinha planos pra noite: depois da aula de fitball, banho, muitos cremes, vinho, camisola nova e cama... com uma taça de vinho e um livro. Ou um filme. Ou um nada. Basta a camisola, o vinho e eu.


E lá estava eu, depois do banho, enrolada numa toalha, admirando a desembrulhada camisola em cima da cama. Preta, de cetim, alcinhas muito finas, curtinha, com rendas no busto e na barra. Não muitas, porque me pinicam!


Cremes pra lá, cremes pra cá, camisola e vinho. Cama.


Ainda olhei as meias listradinhas na gaveta e cogitei colocá-las. Resisti. Tenho pés frios, mas o vinho, a gata ou o cobertor que esquentem.


Levantei da cama fui me olhar no espelho. A camisola é mesmo muito bonita... o cetim é uma graça, o corte, o caimento, a renda... é linda. Curtinha na metade da coxa. Eu estava muito bem dentro dela. Mais feliz do que se estivesse dentro de um Mustang! E eu de camisola, com uma taça de vinho na mão, merecia passar um rímel, ainda que fosse para dormir. Passei! E um gloss. Passei. Quanta volúpia!


Voltei pra cama. Camisola, vinho, rímel, gloss, vinho. Senti-me ridícula por segundos, mas só até fechar os olhos e sentir o carinho que o cetim faz na pele. Tipo do carinho que combinava com o meu Merlot, já na metade da taça. Eu merecia ouvir Chico Buarque. Levantei da cama, fui até a bolsa procurar o pendrive com a seleção de músicas do Chico. Mais uma olhada no espelho.


Realmente, uma camisola digna de matar marido. Diria que o marido morreria bem feliz e contente, aprovando a camisola.***


Olhei no espelho: eu de frente, de lado, de costas... que maravilha. Olharia mais duzentas vezes. Voltei pra cama. Chico Buarque, vinho, livro novo, camisola, muitos cremes, rímel, gloss, a gata companheira, quase um paraíso! Mas não conseguia relaxar, não dava pra ficar à vontade. Tentei dormir, virei pra lá, virei pra cá, melequei a fronha de rímel, de gloss e nada. Nem era falta de sono, alguma coisa estava incomodando, não me deixava relaxar, como criança que se lembrou do tema de casa que não fez.


Sentei na cama.


Tem alguma coisa errada e é essa camisola de matar marido!


Não adianta, é linda, é gostosa, é macia e sexy, mas a bunda da pessoa fica gelada!


Levantei da cama, tirei a camisola, vesti a camisa xadrez, as meias listradas, me olhei no espelho com o rímel meio borrado e um resto de gloss: uma baranga. Uma baranga que vai dormir quentinha e feliz!!!

(*** Nota da autora (sim, eu mesma!): sempre escrevo que unhas vermelhas me deixam impulsiva, descobri que a tal camisola me transforma numa potencial assassina de maridos. Por sorte - dos maridos - não casei.)
 

E o que eu ouvi:

Quando você me deixou, meu bem,

Me disse pra ser feliz e passar bem.

Quis morrer de ciúme, quase enlouqueci,

Mas depois, como era de costume, obedeci.



Quando você me quiser rever

Já vai me encontrar refeita, pode crer.

Olhos nos olhos,

Quero ver o que você faz

Ao sentir que sem você eu passo bem demais



E que venho até remoçando,

Me pego cantando, sem mais, nem por quê.

Tantas águas rolaram,

Quantos homens me amaram

Bem mais e melhor que você.



Quando talvez precisar de mim,

Cê sabe que a casa é sempre sua, venha sim.

Olhos nos olhos,

Quero ver o que você diz.

Quero ver como suporta me ver tão feliz.

(olhos nos olhos é uma das músicas mais fodásticas pra mim!)

Comentários

Anônimo disse…
Apenas por uma questão de ordem, ficaria bem a foto da referida camisola.
Keila disse…
Aii, essas camisolas são um perigo. Tenta aqueles conjuntos de short e blusa Kuky (resolverá o problema da bunda gelada)rs
Linda foto!
Carlos disse…
Pô Kukinha! Quando a coisa tava começando a ficar "quente" tu tira a camisola!?!?!? Bunda gelada? Meu avô dizia sempre: cuidado com nariz de cachorro e bunda de mulher quentes! Acho que minha avó dormia com camisola de cetim...
Gustavo disse…
Sensacional!
Parece comigo, só que para acionar minha volúpia eu coloco a boxer fio-dental e passo óleo por todo corpo antes de assistir um filme e tomar uma taça de vinho.

(eu sei q p vc não é necessário, mas p quem não me conhece: eu não faço isso)
disse…
Tu me mata! kkkkkkkkkkkkkkkk

Adorei!

bjos
Rick disse…
Figuraça!!!!!
Rs...

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…