Pular para o conteúdo principal

faço laço melhor que rima

Descobri que a liberdade do sentimento é a melhor maneira de se preservar. Não é não amando que não se sofre. O não amor é o próprio sofrimento. O avesso do amor não é a raiva, não mora na traição e não está no ponto final de nenhum casal infeliz. Avesso de amor é apatia. O contrário do amor é não sentir falta da falta, não dobrar sorrisos para guardar no bolso e usar depois.




Meu coração não é pálido.



Misturo com os dedos as cores das tintas que vou usar em cada pulsação. Não sei guardar sentimento, pinto para depois pendurar por aí. Bem que eu gostaria de conseguir simular algumas reações. Tenho sobrancelhas faladeiras, precisam fofocar entre si quando algo acontece, fazem plissar a minha testa. Meus medos e amores ficam literalmente escritos na minha cara. Por economia de desculpas, confesso tudo.



Assumo tudo: amores diários, passageiros, platônicos, eternos, passageiros. No meu coração tudo tem lugar. É uma salada de frutas. Cada vez que preciso organizar, é uma tormenta. A faxina nunca é completa. Há o que vai para o baú de guardados. Uns tropeços, para a prateleira, outros para a caixinha de primeiros socorros. Tenho memória afetiva. Meu coração é estabanado, não sabe manter a ordem. E eu não levanto da cama se não for por paixão, então convivemos numa harmoniosa confusão.



Li que uma vez, numa exposição, Jim Dine disse que seus desenhos eram a sua poesia. Ele tem, sem dúvida, alma de poeta. Dine desenhou a representação do meu coração: muitas cores, confusão, harmonia, centenas de elementos. Uma colcha de retalhos que só faz sentido para quem costurou. Aceito que é assim, não pretendo entender, apenas espalhar o amor que sinto. Faço dos meus cabelos fronha. Faço do telefonema aconchego. Um carinho vira colo. Não desamparo meus afetos. Fico calada para ouvir a lágrima que precisa cair, reconheço os barulhos da casa onde moro. Deposito fidelidade nos barulhos da minha casa. Compartilho os lucros das folgas, dos passeios, das mesas de bar, das músicas que a noite trouxe.

A minha poesia é o amor. A minha poesia é esse jeito de viver.
Faço laço melhor que rima.



Se eu crio intimidade com os meus caminhos não é pela repetição do trajeto. É porque a minha poesia está em deixar um pouco de mim naquilo que me é querido. Tenho excesso de excesso, acabo derramando amor por aí, encho demais as vasilhas. Saio enrolando os cabelos no vento e esticando os cílios para aproximar o olhar.

Não aprendi a me medir, só sei me transbordar.

SOBRE A OBRA: Jim Dine tem obras cheias de possibilidades de interpretações. São verdadeiras poesias de cores. Ele tem muitos, muitos, muitos corações, de variados tamanhos, estampas, recheios. Eu gosto desse. PORÉM, vejo em qualquer coração dele algo ou algum momento em que reconheço o meu - também um pouco louco.
 
Acho que coração é isso mesmo. Já que não é de pedra, que seja de tela. Que seja de papel. Que seja de massinha de modelar. Que seja qualquer coisa que possa sempre se transformar.
 
Que seja janela por onde o amor possa entrar.
 


Sympathy



Goo Goo Dolls






Stranger than your sympathy


This is my apology


Take myself from the inside out


And all my fears have pushed you out






And I wish for things that I don't need


All I wanted


And what I chase won't set me free


It's all I wanted


And I get scared but I'm not crawling on my knees






Oh yeah everything's all wrong yeah


Everything's all wrong yeah


Where the hell did I think I was?






Stranger than your sympathy


I take these things so I don't feel


I'm killing myself from the inside out


Now my head's been filled with doubt






It's hard to lead the life you choose


All I wanted


When all your luck's run out on you


All I wanted


You can't see when all your dreams are coming true






Oh yeah it's easy to forget yeah


You choke on the regrets yeah


Who the hell did I think I was






Stranger than your sympathy


All these thoughts you stole from me


I'm not sure where I belong


Nowhere's home and I'm all wrong






And I wasn't all the things


I tried to make believe I was


And I wouldn't be the one to kneel


Before the dreams I wanted


And all the talk and all the lies


Were all the empty things disguised as me


Yeah stranger than your sympathy stranger than your sympathy

Comentários

Carlos disse…
Transborde, Kukynha, transborde...
Que Linda a Ruiva da foto!
dada mottin disse…
Que texto lindo!!! Fez o meu dia tãoooooo leve! AMEI! Bjooo :)
Anônimo disse…
Muito Linda !!

Bjos

Ricardo

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…